Perguntas amor adolescente

Fazer perguntas espec√≠ficas. Frente a perguntas gerais sobre aspectos amplos, √© muito mais efetivo, de cara para travar um di√°logo, perguntar aos adolescente sobre pessoas ou eventos importantes para eles, mesmo que se tratem de temas que, como pais, n√£o entendamos ou n√£o nos interessem. Todos tenemos series que nos gustan, sean de amor, documentales, acci√≥n, etc. Es posible que alguna de ellas no sea apropiada para su edad, ... Hablar sobre ello puede ser una gran liberaci√≥n para el adolescente, adem√°s de permitir a su padre o madre conocer m√°s a fondo la historia vital de su hijo. Bem vindos √† Escola do Amor Responde, confrontando os mitos e a desinforma√ß√£o nos relacionamentos. Onde casais e solteiros aprendem o Amor Inteligente. Fim de semana ‚Äď a preocupa√ß√£o dos pais que t√™m filhos rebeldes. Quando os filhos enfrentam os pais. O que um pai fez para o filho voltar a falar com ele. 1 - Quais s√£o suas principais metas na vida? 2 - Qual assunto voc√™ mais gosta de conversar com seus amigos? 3 - Qual a coisa mais louca que voc√™ j√° fez por dinheiro? 4 - Qual seu feriado anual favorito? 5 - Qual o melhor presente que voc√™ j√° deu para algu√©m? 6 - Voc√™ √© uma pessoa muito ambiciosa? 7 - Por que as pessoas mentem? 8 - O que voc√™ nunca perdoaria? Perguntas de verdade ou desafio para adolescentes Adolescente come√ßa a partir de 13 e permanece at√© 18. Ent√£o, basicamente, as pessoas que se enquadram nesta categoria est√£o cheias de energia, aventureiro, cheio de zelo para fazer algo etc. Planty de perguntas e ousa est√£o dispon√≠veis para este grupo et√°rio. Vamos olhar para o top 10‚Ķ Despu√©s de cierto tiempo, cuando la escuela y los ‚Äúamigos‚ÄĚ de la juventud han dejado su rastro sobre todo aquello que nos compone, que las experiencias de la infancia ya han marcado para bien o para mal lo que somos, suelen hacerse presentes pensamientos recurrentes y pesados sobre nosotros mismos. En una suerte de adolescencia casi superada que se mezcla con el comienzo de una adultez ... M√°s sobre amor y pareja. Lo que haces con las manos y otras curiosidades por las que se enamoran de ti, seg√ļn la ciencia; 20 ideas de elegantes tatuajes en pareja que NO son cursis ni clich√© ... FAPA ‚Äď Psicologia da Educa√ß√£o IV Adolesc√™ncia e liberdade 1 -O que leva o adolescente a buscar a liberdade? A entrada no mundo adulto, uma nova identidade, um novo corpo que necessita de novas respostas e uma nova signific√Ęncia a si pr√≥prio, al√©m de uma press√£o social para que tanto ocorra, em determinados n√≠veis‚Ķ 10 Perguntas Que os Jovens Se Fazem e as Melhores Respostas. Encontre dicas interessantes que v√£o ajudar voc√™ a ter uma vida feliz. PERGUNTA 1 Quem eu realmente sou? Para tomar boas decis√Ķes quando estiver enfrentando problemas, √© importante saber quais s√£o os seus valores, os seus pontos fortes, as suas fraquezas e as suas metas. ... Quiz e Testes de Personalidade sobre Adolescente. No Quizur voc√™ encontra os melhores e mais divertidos testes e quizzes de Adolescente da internet.

ūüė≥ūüĎČūüŹĽūüĎąūüŹĽ

2020.09.10 23:51 Helamaa ūüė≥ūüĎČūüŹĽūüĎąūüŹĽ

a car√™ncia t√° imoral e eu t√ī procurando uma namoradinha, se vcs conhecerem alguma mina que tenha esses requisitos, me avisem redpillada channer, dogoleira, wgtow, ancap, , jogadora de poker, bv, virgem, sem amigos, crente, f√£ da UDR,magrela, footlet,escuta Chico Buarque, weeabo, hikkimori, otaku, gameri, hetero,federal,trader de bitcoin,hacker, defacer, cubista, penspinner, recordista de memoriza√ß√£o de baralhos, timida, m√£e de pet, hidratada, n√£o consumidora de a√ßucar, saud√°vel, youtuber, netolover, pooper, cambista, shitposter, anarquista, materialista, roquista, travesquista, mono talon vlogger, blogueira, e-girl, intolerante a lactose, intolerante a gluten, grinder e hipn√≥loga, fiel, niilista existencialista, metaleira, headbanguer, pelo no suvaco, patriota, masoquista, ballbuster, jogadora de minecraft, buceta fedida, que n√£o tenha medo de chuta minhas bolas pelo amor de deus eu nao consigo encontrar uma menina pra chutar minhas bolas por favor deus eu imploro nao agusnto mais isso nao eh um meme porque voces tem medo de me chutar no saco. Ra√ßa: n√≥rdica Altura: 170cm+ Pele: 1 ou 2 (Fitzpatrick) Olhos: 7+ (Martin) Cabelos: qualquer cor, mas apenas lisos ou ondulados (FIA) Nariz: reto ou virado para cima Cr√Ęnio: dolico ou mesocef√°lico √ďculos: n√£o Aparelhos: n√£o Queixo furado: n√£o Covinhas: n√£o Orelha presa: n√£o Orelha de abano: n√£o Franja em V: n√£o Pelos no corpo: muito pouco Tatuagem: n√£o Gradua√ß√£o: apenas cursos voltados √† pesquisa Faculdade: apenas bem conceituadas Habilidades matem√°ticas: sim Idiomas: flu√™ncia em ingl√™s e mais outro idioma √Ālcool, cigarro, drogas: n√£o, nenhum Personalidade: introvers√£o Cultura: europeia ocidental RELIGI√ÉO: Crist√£ Ortodoxa Gostar de escutar rog√©rio skylab:
Para ser sincero, voc√™ precisa ter um QI muito alto para entender Rog√©rio Skylab Para ser sincero, voc√™ precisa ter um QI muito alto para entender Rog√©rio Skylab. O humor √© extremamente sutil e, sem uma compreens√£o s√≥lida de filosofia moderna, a maioria das piadas vai passar despercebida pelo telespectador m√©dio. H√° tamb√©m a vis√£o niilista de Rog√©rio, que est√° habilmente tecida em sua caracteriza√ß√£o - sua filosofia pessoal se baseia fortemente na literatura de Nododaya Volya, por exemplo. Os f√£s entendem essas coisas; eles t√™m a capacidade intelectual para realmente apreciar a profundidade dessas piadas, para perceber que elas n√£o s√£o apenas engra√ßadas - elas dizem algo profundo sobre a VIDA. Como conseq√ľ√™ncia, as pessoas que n√£o gostam de Rog√©rio Skylab s√£o verdadeiros idiotas - √© claro que eles n√£o apreciariam, por exemplo, o humor no bord√£o existencial de Rog√©rio "Chico Xavier √© viado e Roberto Carlos tem perna de pau", que √© uma refer√™ncia cript√≠ca para o √©pico Pais e Filhos do russo Turgenev. Estou sorrindo agora mesmo imaginando um desses coitados simplistas co√ßando a cabe√ßa em confus√£o enquanto as m√ļsicas se desenrolam na tela de seu computador. Que tolos‚Ķ como eu tenho pena deles. E sim, a prop√≥sito, eu tenho uma tatuagem do Rog√©rio Skylab. E n√£o, voc√™ n√£o pode v√™-la. √Č s√≥ para os olhos das damas. E mesmo elas, precisam demonstrar de antem√£o que possuem um QI com diferen√ßa absoluta de no m√°ximo 5 pontos do meu (de prefer√™ncia para baixo).
Rotina, Habitos e interesses: Nofap + Banho Gelado + comer carne crua + comer virado pra parede + biohack + dormir no ch√£o + Jordan Peterson + mewing + HBD + PUA + jelq + dormir 5 horas por dia + caf√© gelado sem a√ß√ļcar + hipismo + compila√ß√£o mitadas En√©as + alho cru + podcast do Joe Rogan + redpill + Brain Force + Jejum + medita√ß√£o iasd + m√ļsicas para concentra√ß√£o, foco e intelig√™ncia + teste de QI da internet + grupos de linhagem viking do facebook + ficar longe do poste de internet 4G + youtube do varg vikernes + ess√™ncia de morango da turma da m√īnica no narguil√© + jogar vape na cara de todo mundo que tentar entrar no bloco da faculdade + 5 segundos de calistenia no deserto do atacama + darkcel + √≥culos do a√©cio na foto de perfil + ler quotes do nietzsche no brainy quote + criar galinha no quarto sem os pais saberem + Alho cru + uma colher de azeite quando acorda e outra antes de dormir + jejum de 24hrs a cada 72hrs + assistir VT no premiere logo que chega do est√°dio + canal Ultras World + LibreFighting + Operation Werewolf + comprar os artigos do Paul Waggener + Centhurion METHOD + humilliation exposure com a finalidade de criar uma crosta na sua mente capaz de desenvolver uma resili√™ncia que resiste √† humilha√ß√£o como se ela fosse nada + tomar banho descal√ßo em chuveiro de academia com ch√£o mijado + muscula√ß√£o caseira + hackear o sono + Empreender + 10 livros de auto ajuda por m√™s + PUA + Selo super f√£ da f√ļria e tradi√ß√£o + Biokinesis + 432hz music + Mexer o pau sem piscar o c√ļ + medita√ß√£o transcendental + veganismo + minoxidil para cultivar uma barba + filmografia Jason Stataham + assistir vikings + redpill + ir no cinema sozinho + treino saitama + coach qu√Ęntico + enema de caf√© + dieta lair ribeiro + agua alcalina + O M√©todo de Wim Hof + sabedoria hiperb√≥rea + artigos da Nova Resist√™ncia + Biblioteca do D√≠dimo Matos + dormir virado pra patede assoviando no escuro pra espantar o curupira + dar 3 pulinhos toda vez que levantar da cama + dizer am√©m quando um 1113 azul passar por voc√™ na rua + 100 flex√Ķes por dia + 6 meses de jelq + injacula√ß√£o guiada + sociedade thule + energia vril + chap√©u de alum√≠nio para se proteger das armas psicotronicas emitidas pela CIA + caderno de anota√ß√Ķes smiliguido + pedir a b√™n√ß√£o ao carteiro toda segunda de manh√£ + 3 horas de academia + 4 horas de corrida + mascar caf√© + exerc√≠cios penianos do Dr. Rey + maratona saga Rocky + trilha sonora saga Rocky + trilogia Mercen√°rios + filmes do Jason Statham + assoviar o hino do Palmeiras de ponta-cabe√ßa + intro do Canal do Nicola em loop + palestras do Antonio Conte + v√≠deos do Rodrigo Baltar + dicas do Gustavo Gambit + aulas de italiano + dormir ouvindo Ultraje a Rigor + ler Walden pelado na mata atl√Ęntica de madrugada + ouvir m√ļsicas em velocidade aumentada + canto gregoriano √°rabe + ensinar hino do botafogo pra calopsita + fritar comida com banha de porco + assistir videos de situa√ßoes de risco com a finalidade de se preparar para o perigo + Terapia Holistica com formandos da UFPR no Jardim Bot√Ęnico + Radiestesia para harmonizar vibra√ß√£o da casa + Metatron 432HZ no YouTube entoando a ora√ß√£o EU SOU + ler O C√≥digo da Vinci + Jesus Qu√Ęntico + Barra Fixa na pra√ßa de madrugada escutando audiolivro do Jordan Peterson na voz do cara dos Fatos Desconhecidos + grupo POPEYE AFIANDO A PIKA + MyInstants AEEE KASINAO + Memes do Fausto Silva + ler O Evangelho dos Animais + stories do Copini no Instagram + Canal SocialGames7 com Gustavo Gambit e CIA + textos de Raphael Machado (Nova Resist√™ncia) + ser ex-membro do grupo Comunismo Ortodoxo + Monja Coen + Fazer origami com papel do bis + perder dinheiro com maquina de pegar ursinho + fumar palheiro com o av√ī + quebrar palito de dente no meio depois que usar + rezar Pai Nosso em aramaico + tentar se comunicar com o ashtar sheran + virar catequista e passar Pl√≠nio Salgado para as crian√ßas + Limpeza de 21 dias de S√£o Miguel Arcanjo + arrancar a fimose comendo cu apertado de galinha caipira + Regata branca WifeBeater com cal√ßa jeans clara e bota marrom + Ingressar na legiao estrangeira + Comprar toras de eucalipto pra reproduzir o centurion method mas nunca come√ßar o treinamento + vender m√°quina de cart√£o de cr√©dito + ler os escritos do Unabomber + Escutar a discografia do Paul Waggener + ler todos os livros do Pavel Tsatsouline + ouvir rap eslavo de cunho pol√≠tico suspeito + caf√© com um cubo de manteiga dentro precedendo a primeira refei√ß√£o do dia + beber 2L de leite por dia + Stronglifts 5x5 + Dieta Cetog√™nica + Canal Jason PROJETO GIGA + Cd do TRETA + comprar torre de chopp no prensad√£o + 2 c√°psulas de Tadalafellas antes do sexo + s√≥ comprar comida japonesa importada pra dieta + comer arroz sem sal com peixe cru sem tempero enrolado em folha do fundo do mar + memes da p√°gina Dollynho Puritano + Deus Vult na capa do Facebook + acessar o dogolachan pelo computador da escola pra postar fanfic gay do Gilberto Barros + Trollar atendentes do mcdonalds no habbo hotel + ligar para o Motel Ast√ļrias perguntar quando custa a bolacha Bauducco que aparece no site + Mandar entregar pizza na Rua dos Tamoios casa n¬į18 com port√£o vermelho + cosplay de russo no Omegle pedindo pra mostrarem a bunda + Dormir imaginando uma linha pra fazer viagem astral + recitar Homero pra mendigo + tomar antibi√≥tico no caf√© da manh√£ + Meditar imaginando o raio de luz violeta que representa a energia transmutadora + Workshop Reiki do Canal Luz da Serra MULHERES TERRAPLANISTAS RALEM.
Primeiro de tudo! Vai tomar no cu, MULHERES terraplanistas! Junto com todas que me contrariaram nos √ļltimos meses falando "dur hur voc√™ n√£o sabe nada de paleontologia, vai assistir seus desenhos filipinos e n√£o encha o saco". TODOS OS DINOSSAUROS TEM PENAS! LERAM DIREITO? TODOS OS DINOSSAUROS TEM PENAS! A farsa ficou t√£o √≥bvia, que eles n√£o tem mais como esconder que TODOS OS DINOSSAUROS TEM PENAS! Alguns mais penas, outros menos penas, MAS TODOS TEM. E aproveitando no mesmo v√≠deo, N√ÉO TEVE METEORO PORRA NENHUMA! Provavelmente as mudan√ßas clim√°ticas naturais, junto com a separa√ß√£o gradual dos continentes, √© que extinguiu a mega-flora e a mega-fauna. E se teve algum meteoro, apenas acelerou o processo em uma regi√£o muito especifica. Agora s√≥ falta as ((especialistas)) e a (((Academia))) admitir que dinossauros nunca existiram e que foi tudo um erro grotesco de interpreta√ß√£o de pessoas que n√£o sabiam que caralhos eram aqueles esqueletos. S√£o apenas aves e mam√≠feros ancestrais de milh√Ķes de anos atr√°s. E antes que eu me esque√ßa, vai todo mundo que me contrariou tomar no cu!
GOSTAR DE MIM POR QUEM EU SOU E NAO PELA MINHA APARENCIA
Sério, de verdade, ser uma pessoa bonita não é fácil em nossa sociedade atual; não é só os olhares de desejo das mulheres e dos homens que me incomoda, e sim, o fato de ser só isso para as pessoas. Sou muito mais que apenas um cara bonito. Tenho qualidades além dessas, e saber que as pessoas não ligam para elas, pois estão entorpecidas de anseio pela minha formosura, me entristece muito.
Não suporto mais ser bonito. Tudo que eu queria era poder nascer de novo num corpo de uma pessoa feia, pois sério, vocês não sabem como me dói saber que por culpa de algo que nasceu em mim (a incrível beleza), serei rotulado eternamente por isso.
Eu trabalho, estudo, procuro, conheço, aprendo! Sou um ser-humano como qualquer outro e não só mais um rostinho bonito.
Pergunta antes de eu poder te namorar: Você é ocultista?
Essa é a pergunta de um milhão de dólares que raramente vejo sendo feita.
Se você ainda não for, pra se tornar minha namorada precisará ser e aqui está como fazer isso
√Č fato que a maior parte da literatura especializada ocidental acredita em Deus e Cristo, somente olhando-o por uma lente diferente. N√£o h√° um ritual que lhe aproxime de Deus, as coisas raramente s√£o t√£o simples. Entretanto, com estudo e medita√ß√£o o caminho come√ßa a ficar mais claro.
Entenda que não sou nenhum senhor da verdade, e o que te falo hoje posso descobrir ser mentira amanhã. Saiba também que um dos maiores problemas desse meio é a falta de um início claro, sendo as obras tidas como introdutórias porcarias completas. Dito isso, lhe respondo o seguinte:
  1. O caminho mais completo para se aproximar do que voc√™ quer come√ßa com no√ß√Ķes do pensamento Hel√™nico. Entenda que boa parte da vis√£o de mundo crist√£ vem da antiguidade cl√°ssica, principalmente as no√ß√Ķes de harmonia e belo. N√£o te pe√ßo para ler tudo o que j√° foi jogado ao ch√£o pelos gregos, mas saiba um pouco das origens das coisas. Tenha uma ideia b√°sica dos quatro humores gregos, e que essa √© uma das origens para atribuirmos personalidades aos elementos da natureza. Entenda um pouco dos seus deuses e Cosmos, porque eles ser√£o utilizados no futuro de forma metaf√≥rica em textos. Saiba que quando aparecer um hermafrodita em um texto especializado n√£o h√° conex√£o com desvios modernos, mas com um simbolismo mais antigo (Salvo engano, sua origem √© Plat√īnica. Mais especificamente, O Banquete, durante os discursos sobre amor).
  2. Entenda que boa parte da origem da magia ocidental vem da conflu√™ncia da cultura grega com a eg√≠pcia, incluindo a alquimia. A t√°bua esmeralda √© um texto obrigat√≥rio. Leia um pouco sobre o Axioma de Maria, A judia. Aprenda um pouco da simbologia alqu√≠mica, porque ser√° importante para voc√™ no futuro. √Č dentro da alquimia que ir√£o discursar sem final sobre a trindade (pelo menos os da corrente de Paracelso). N√£o se pretenda nenhum mestre dos espag√≠ricos, porque os qu√≠micos far√£o isso melhor do que voc√™. Entenda que n√£o havia essa separa√ß√£o absoluta entre o material e o espiritual, ent√£o os dois conhecimentos andaram juntos ao decorrer da hist√≥ria. Entenda tamb√©m que haviam escritores voltados especificamente para a alquimia espiritual, enquanto outros √† qu√≠mica.
  3. Estude a Cabala. Eu entendo que para alguns seja dif√≠cil dar aten√ß√£o √† Cabala Judaica com o surto conspiracionista chan√≠stico sobre a √≠ndole de todo um povo, mas querendo ou n√£o o juda√≠smo √© o Pai da f√© crist√£, sendo Jesus judeu. Entenda que a √°rvore da vida √© um estudo sobre Deus e suas emana√ß√Ķes, e dela vir√° uma boa parte de seu conhecimento.
  4. Leia as coisas atuais sobre o assunto. Dê atenção aos escritores herméticos, principalmente.
Ocultismo é um saco, pelo menos se você for estudar seriamente. Você pode perder a vida se tiver um projeto ambicioso como se aproximar de Deus.
Você também pode pular algumas etapas no que te falei. Sobre a parte do pensamento grego, saiba que boa parte é "dispensável". Dito isso, recomento que entenda um pouco sobre o funcionamento do Cosmos de Ptolomeu. Entenda também alguns dos símbolos planetários, porque seu entendimento irá lhe ajudar no futuro.
Pra me namorar também tem que gostar dos animes:
Akame ga Kill! Akarui Sekai Keikaku Ana Satsujin Asu no Yoichi! Azumanga Daioh Balance Policy Black Cat BlazBlue: Remix Heart Chichi ga Loli na Mono de Choujigen Game Neptune: The Animation - Dengeki Comic Anthology Come Come Vanilla! Criminale! Dog Style Domina no Do! Eden no Ori Evangelion Fullmetal Alchemist K-on! Naruto Shingeki no Kyojin Yu-gi-oh
Sobre assistir Yu-gi-oh; quando eu era adolescente, gostava (na época que passou na TV Globinho e era moda), mas hoje em dia não gosto mais; então não assistiria de novo.
Quanto às minhas lembranças marcantes de Yu-gi-oh:
Em 2003, Yu-gi-oh era moda e todo mundo na escola da quinta e da sexta série jogava com cartinhas piratas, já o pessoal da sétima e da oitava não se interessava. A propósito, em 2003 tiveram duas grandes modas de brinquedos baseados em animes, cartinhas de Yu-gi-oh e Beyblade. Outro brinquedo que todo mundo da quinta e da sexta série levava pra escola em 2003 depois que passou a moda de Yu-gi-oh e começou a moda da Beyblade era a Beyblade.
Outra lembrança marcante que tenho de Yu-gi-oh é que em 2003 na escola o pessoal criava suas próprias cartinhas, fazendo desenhos e estatísticas.
Fujimura-kun Mates Gantz Gou-Dere Bishoujo Nagihara Sora‚ô•ÔłŹ Higurashi no Naku Koro ni Kai: Matsuribayashi-hen Hitsugi no Chaika Ichigo 100% Ichinensei ni Nacchattara In Bura!: Bishoujo Kyuuketsuki no Hazukashii Himitsu Jigokuren: Love in the Hell Jinzou Shoujo JoJo no Kimyou na Bouken Part 4: Diamond wa Kudakenai JoJo no Kimyou na Bouken Part 5: Ougon no Kaze JoJo no Kimyou na Bouken Part 6: Stone Ocean JoJo no Kimyou na Bouken Part 7: Steel Ball Run Kaibutsu Oujo Lucky‚ėÜStar Mahou no Iroha! Mahou Tsukai Kurohime Monster Hunter Orage Mujaki no Rakuen Needless Zero Nyotai-ka Onihime VS Oretama Perowan!: Hayakushinasai! Goshujinsama‚ô™ Re:Marina Rosario to Vampire Saitama Chainsaw Shoujo Sankarea School Rumble Shingetsutan Tsukihime Shocking Pink! Shurabara! Sora no Otoshimono Sora no Otoshimono Pico Akame ga Kill! Ana Satsujin Asu no Yoichi! Azumanga Daioh Balance Policy Black Cat BlazBlue: Remix Heart Chichi ga Loli na Mono de Choujigen Game Neptune: The Animation - Dengeki Comic Anthology Come Come Vanilla! Dorohedoro Nekopara Pet Toaru Kagaku no Railgun Magia Record: Mahou Shoujo Madoka‚ėÜMagica Gaiden Rikei ga Koi ni Ochita no de Shoumei shitemita.Rikei ga Koi ni Ochita no de Shoumei shitemita. Isekai Quartet 2Isekai Quartet 2 Ishuzoku Reviewers Somali to Mori no Kamisama Eizouken ni wa Te wo Dasu na!Eizouken ni wa Te wo Dasu na! Itai no wa Iya nano de Bougyoryoku ni Kyokufuri Shitai to Omoimasu.Itai no wa Iya nano de Bougyoryoku ni Kyokufuri Shitai to Omoimasu. Jibaku Shounen Hanako-kun Haikyuu!!: To the TopHaikyuu!!: To the Top Darwin's GameDarwin's Game Kyokou SuiriKyokou Suiri Plunderer
PRE REQUISITO: GOSTAR DE FILMES DE FAROESTE.
IMPORTANTE: Se você gosta de filmes de super heroi, pare de ler e va se foder.
Se você é assim, fique longe de mim.
N√ÉO QUERO AS MULHERES QUE: As que falam palavr√Ķes As que fumam As que usam drogas As que postam foto com bebida Que bebem (menos ūüć∑, isso √© coisa de dama) As que v√£o para balada, festa, rave etc As que postam foto com decote ou sensuais
Há uma coisa que eu quero que você entenda sobre nós os homens.
Quando voc√™ colocar uma foto sua nua no facebook, fazendo uma pose gostosa, mostrando os seios ou como vemos em v√°rias fotos mostrando o bumbum ou deitada sedutoramente em sua cama, a √ļnica coisa que voc√™ faz √© que as pessoas tenham desejo sexual por voc√™, claro em A maioria dos casos por parte de homens.
Eu sei que voc√™ vai ficar t√£o emocionada com os 500 likes, 120 coment√°rios e as in√ļmeras mensagens privadas! Voc√™ vai querer postar cada vez mais fotos para se sentir cada vez mais no topo.
Mas há algo importante que você precisa saber:
Na verdade nenhum desses caras que gostam, comentam ou enviam mensagens privadas te ama. Tudo o que eles querem é usá-la e depois atirá-la para o lixo, para ser honesto nenhum deles a levaria para sua casa para ser sua esposa, acredite em mim, você para eles não é mais que uma menina de programa em busca de popularidade barata No Facebook.
Os homens ricos os que tem o que você procura "dinheiro" ou os pobres admiram as mulheres que se vestem com decência e se respeitam. Uma vestimenta decente que não revela muito o seu corpo, leva-os a amar e a respeitar-te, isto a simples vista nos diz que és uma mulher virtuosa, alguém a quem se pode levar para casa para ser esposa e mãe.
Isto em muitos casos diz-lhes que você foi criada com princípios morais e lhes dá detalhes do seu bom histórico familiar.
Eles n√£o se preocupam muito com a maquiagem excessiva, uma mulher digna de propor casamento sempre se distingue do monte, n√£o importa como.
Valoriza seu corpo, lembre-se que para encontrar diamantes é preciso cavar, respeita, e um verdadeiro homem vai te respeitar de um modo ou de outro.
Mas você terá muito respeito: Mulher, não mostre seu corpo no facebook, você não sabe que tipo de pessoas, venha suas coisas, você é uma mulher bela, não precisa de fotos, nem mostrar tanto, você pode conquistar com sua simpatia, com seu educación con seu sonrrisa,
As que j√° ficaram com amigos seus, ou que ficam com mais de 3 em um √ļnico ano As que n√£o trabalham ou estudam (ou que est√£o em um curso irrelevante de humanas) As que n√£o sabem o b√°sico de uma casa, como lavar, passar roupa, cozinhar, trocar fralda, etc As interesseiras As que est√£o pedindo presentes sempre As que j√° est√£o comprometidas As n√£o gostam de crian√ßas ou dizem que n√£o querem ter filhos (pessoas que n√£o querem ter filhos n√£o s√£o confi√°veis) As que tem piercing de bufalo
submitted by Helamaa to smurfdomuca [link] [comments]


2020.08.09 03:05 YatoToshiro Fate/Gensokyo #52 Shirou Kotomine (Fate/Apocrypha)


https://preview.redd.it/ovxwfkopgvf51.png?width=5000&format=png&auto=webp&s=83b98371b848b680cc72b2b47a7b64d4d575743d
‚ÄčO verdadeiro nome do Ruler √© Shirou Tokisada Amakusa, O l√≠der adolescente da Rebeli√£o de Shimabara. Nascido no per√≠odo Edo, ele era um menino de milagres que quase poderia ser chamado de santo. No entanto, como exatamente ele foi descoberto e, de fato, pelo menos uma boa metade de sua vida est√° envolta em mist√©rio. Aquele que se concentrou em seus estudos desde a inf√Ęncia come√ßou a fazer muitos milagres na fronteira por um tempo. Tendo curado feridas e andado sobre as √°guas, ele finalmente come√ßou a ser entusiasticamente adorado como filho de Deus pelos camponeses que acreditavam em uma religi√£o proibida. Na realidade, ele era apenas um feiticeiro. Ele n√£o foi ensinado Magecraft, mas foi algo que veio a ele naturalmente, mas muito raramente. Seu uso de Magecraft era principalmente subconsciente, ent√£o ele nem mesmo percebeu isso. Acontece que ele nasceu com o poder de exercer os milagres chamados Magecraft, e ningu√©m ao seu redor jamais apontou isso, ent√£o ele era reverenciado como um menino de milagres. Talvez Mori Souiken e seus colegas tenham suprimido esses sussurros.
The Shimabara Rebellion
Os governantes da terra, o clã Matsukura, aumentaram drasticamente os impostos, causando fome e tributação excessiva ao povo. Esta ação forçou os fracos a cair em desespero, pois eram incapazes de resistir. Enquanto continuavam a ser explorados, as pessoas encontraram a salvação no Cristianismo, as palavras cheias de amor que não podiam ser derrotadas pela fome, pobreza ou desespero. No entanto, o clã Matsukura tentou tirar até isso deles. Para eles, não era mais exploração, mas assassinato. O povo foi provocado e se levantou e se revoltou. Eles temeram que seu direito de viver fosse retirado superou seu medo de morrer em batalha.
Entre eles estava Shirou, um menino na √©poca. Ningu√©m sabia se sua presen√ßa era coincid√™ncia ou vontade de Deus, mas antes que algu√©m percebesse, Shirou os estava liderando, embora sob as instru√ß√Ķes de v√°rios RŇćnin. Em pouco tempo, ex-vassalos de Konishi Yukinaga o tinham como l√≠der e estabeleceram um ex√©rcito rebelde contra o Xogunato Edo. Junto com os camponeses de Shimabara, que estavam sofrendo com o ambiente hostil da √©poca, eles levantaram uma insurrei√ß√£o em grande escala. Sua batalha n√£o deve ter derrota e nem vit√≥ria tamb√©m. Porque ao se levantarem, eles eram perdedores e vencedores ao mesmo tempo. Tudo o que lhes restou foi o poder de se levantar, mas o pr√≥prio ato de se levantar foi um ato necess√°rio. Eles se levantaram por causa daquilo em que acreditavam - isso em si era importante e era o que eles desejavam. Eles acreditavam que os sacrif√≠cios seriam reduzidos ao m√≠nimo, e mesmo que v√°rias pessoas incluindo eles pr√≥prios se tornassem sacrif√≠cios, o mundo n√£o morreria, mas sim renasceria.
The Shimabara Rebellion
Os governantes da terra, o clã Matsukura, aumentaram drasticamente os impostos, causando fome e tributação excessiva ao povo. Esta ação forçou os fracos a cair em desespero, pois eram incapazes de resistir. Enquanto continuavam a ser explorados, as pessoas encontraram a salvação no Cristianismo, as palavras cheias de amor que não podiam ser derrotadas pela fome, pobreza ou desespero. No entanto, o clã Matsukura tentou tirar até isso deles. Para eles, não era mais exploração, mas assassinato. O povo foi provocado e se levantou e se revoltou. Eles temeram que seu direito de viver fosse retirado superou seu medo de morrer em batalha.
Entre eles estava Shirou, um menino na √©poca. Ningu√©m sabia se sua presen√ßa era coincid√™ncia ou vontade de Deus, mas antes que algu√©m percebesse, Shirou os estava liderando, embora sob as instru√ß√Ķes de v√°rios RŇćnin. Em pouco tempo, ex-vassalos de Konishi Yukinaga o tinham como l√≠der e estabeleceram um ex√©rcito rebelde contra o Xogunato Edo. Junto com os camponeses de Shimabara, que estavam sofrendo com o ambiente hostil da √©poca, eles levantaram uma insurrei√ß√£o em grande escala. Sua batalha n√£o deve ter derrota e nem vit√≥ria tamb√©m. Porque ao se levantarem, eles eram perdedores e vencedores ao mesmo tempo. Tudo o que lhes restou foi o poder de se levantar, mas o pr√≥prio ato de se levantar foi um ato necess√°rio. Eles se levantaram por causa daquilo em que acreditavam - isso em si era importante e era o que eles desejavam. Eles acreditavam que os sacrif√≠cios seriam reduzidos ao m√≠nimo, e mesmo que v√°rias pessoas incluindo eles pr√≥prios se tornassem sacrif√≠cios, o mundo n√£o morreria, mas sim renasceria.
Bandeira do Rally de Amakusa Shirou
Shirou trouxe um milagre, a possibilidade de vitória que deveria ser impossível. Em suas próprias palavras, ele recebeu um poder miraculoso concedido por Deus porque Deus ocasionalmente exercerá malícia devido à boa vontade. Infelizmente, Shirou obteve a vitória. Todos ficaram loucos e animados com a vitória. Eles se apegaram a Shirou, que havia vencido uma batalha onde a vitória deveria ser impossível, como um filho de milagres. Aquela pureza tola deles perturbava o menino. Shirou acreditava que eles não deveriam ter vencido. Vencer não era uma opção. Ele tinha se empenhado em salvar vidas em um futuro próximo e desviou os olhos do quadro maior. Eles podem morder um gato encurralado - mas depois de ser mordido, o gato enfurecido retaliaria matando-os.
Death
Apesar de levar o levante levianamente no in√≠cio, o Edo Shogunate ficou s√©rio devido √†s suas for√ßas punitivas serem derrotadas e enviou Elder Matsudaira Nobutsuna como o comandante supremo. Shirou liderou a defesa do Castelo de Hara e derrotou o mais forte dos atacantes do Shogunato em uma s√©rie de surtos defensivos coordenados. Matsudaira Nobutsuna aplicou t√°ticas de fome ao ex√©rcito revoltado que se fechara no Castelo de Hara e estimou o tempo em que ficariam sem comida e muni√ß√£o para iniciar sua ofensiva geral. Foi dito que 37.000 pessoas, incluindo Shirou, foram massacradas pelas for√ßas do shogunato, com exce√ß√£o de um √ļnico traidor (existem v√°rias teorias sobre isso).
Depois que sua rebeli√£o falhou, Shirou foi condenado √† execu√ß√£o por decapita√ß√£o. Antes de sua morte, Shirou se sentiu ing√™nuo e testemunhou uma cena horr√≠vel enquanto seus camaradas eram lentamente mortos. As cabe√ßas decapitadas de idosos, homens massacrados como animais experimentais, beb√™s perfurados por lan√ßas, garotas estupradas em busca de lux√ļria e depois jogadas fora. Ele estava convencido de que as incont√°veis vidas reunidas n√£o foram tiradas pelo inimigo, mas por ele mesmo. Shirou, sem mudar de express√£o nenhuma vez, aceitou esse resultado com uma vontade de a√ßo e isso o tornou imposs√≠vel ceder e desistir. Ele apenas olhou para esta cena de ru√≠na. Ele n√£o revelou resigna√ß√£o ou tristeza e at√© superou a dor de seus bra√ßos desmembrados. Ele aceitou que havia perdido a responsabilidade pela morte de seus companheiros e sua morte inevit√°vel. Mas a √ļnica coisa que ele n√£o podia aceitar era que tudo iria desmoronar depois disso. Ele n√£o conseguia aceitar. Depois de ter perdido tantas vidas, ele absolutamente n√£o podia aceitar que nada seria ganho como resultado.
"Assim Deus. Me dê outra chance. Da próxima vez, não vou perder de vista o quadro geral. Vou eliminar todos os obstáculos, inimigos e adversidades no meu caminho. Da próxima vez, vou obter tudo de bom do mundo. Um mundo onde todos são felizes, todos são bons e todos são perfeitos. Vou exterminar todo o mal e criar um mundo novo e puro."
(Última oração de Shirou Tokisada Amakusa)
Fate/Grand Order
Amakusa Shirou é o mesmo indivíduo que reencarnou em "Apócrifos". Ele possui suas memórias da Terceira Guerra do Santo Graal. Sua presença é totalmente contraditória com os registros do mundo da "Grande Ordem". Ele se relaciona com Sakata Kintoki, Lu Bu e Fuuma Kotarou na Caldéia.
Amakusa Shirou Trial Quest
Shirou e Child-Gil estão lutando pela subespécie do Santo Graal.
O Dem√īnio da Vingan√ßa uiva na Torre da Pris√£o Editora
Shirou √© o esp√≠rito her√≥ico que governa a "gan√Ęncia" na torre da pris√£o.
Salomon: O Grande Templo do Tempo
Ele est√° entre os Servos do "Evento Especial" para ajudar a Cald√©ia contra o Pilar dos Deuses Dem√īnios.
Província de Shimosa: o estágio de rios de sangue e montanhas de cadáveres
E a vers√£o do universo alternativo dele √© o Feiticeiro (Ś¶ĖŤ°ď Śłę, YŇćjutsu-shi?), Que est√° colaborando com o Limbo Caster. Ao contr√°rio do Shirou da maioria das linhas do tempo do Destino, este ficou totalmente louco com Shimabara e se tornou um Vingador. Ele vagou por mundos paralelos bizarros antes de entrar em contato com o Deus Alien√≠gena, a quem ele adora como L√ļcifer, o Grande Sat√£. Em um ponto, ele fala sobre seu √≥dio pelo Amakusa Shirou das outras linhas do tempo, que ainda ama a humanidade e quer salvar o mundo.
Dia dos namorados 2018: ~ Os jardins de chocolate florescentes dos namorados
Shirou encontra Semiramis no final do evento, embora ela aparentemente não o reconheça.
Interlude
Deixe-nos contar uma hist√≥ria da salva√ß√£o mundial. √Č o seu interl√ļdio. Amakusa Shirou acompanha Ritsuka Fujimaru e Mash Kyrielight para evitar que at√© mesmo as menores Singularidades surjam. Shirou conta seu passado para Ritsuka e Mash. Eles detectaram um Santo Graal polu√≠do, a lama negra que escorre pode contaminar os Servos. Eles derrotaram os restos de Zouken Matou e seus insetos. Angra Mainyu surge da lama, ele pergunta quem quer o Santo Graal corrompido. Shirou os trai porque tem um objetivo e luta contra Ritsuka, Mash e Angra Mainyu. Como Shirou foi derrotado, o Santo Graal estava prestes a explodir. Shirou insiste que ele destruir√° o Santo Graal porque ele foi derrotado, ent√£o ele por√° um fim nisso. Quando eles retornam √† Cald√©ia, Shirou informa ao grupo que enquanto houver um Santo Graal, ele o reivindicar√°. Por√©m, para sua surpresa, Ritsuka diz que vai parar Shirou quantas vezes forem necess√°rias. Ele e Ritsuka n√£o conseguem chegar a um entendimento, mas Shirou est√° disposto a colocar seu pr√≥prio sonho sob o selo para que possa lutar ao lado de Ritsuka. Como puni√ß√£o por sua trai√ß√£o anterior, Ritsuka ordena que Shirou limpe seu quarto, ao qual Shirou devotaria tudo.
Outras apari√ß√Ķes
Em Fate/strange Fake, ele é mencionado na abertura da narração de Rider. Diz-se que se a Guerra do Santo Graal existisse quando Shirou viveu, ele pode até ter sido capaz de invocar seu eu futuro mais poderoso, um ícone do heroísmo.
submitted by YatoToshiro to Fate_GensokyoBR [link] [comments]


2020.06.10 07:51 Best_Player_ N√£o sei aonde isso t√° me levando.

√Č esse o gosto da tal ansiedade?
Parece que não sei como caminhar, como dar passos sozinho. Fico flutuando no mar, no espaço, esperando que eu chegue a uma destinação sem fazer nada, porque não sei como me movimentar; não sei pra onde tenho que caminhar.
Será que eu se quer devia caminhar? Talvez isso seja uma ilusão e tudo esteja ok; talvez seja uma ansiedade criada pelas minhas experiências ruins durante a vida, talvez eu tenha algum trauma(???).
Mas parece que n√£o sei caminhar sozinho, n√£o sei para onde ir. Fico desesperado, quero que algu√©m venha e pegue minha m√£o e me leve aonde tenho que ir, ou me explique o que n√£o t√ī entendendo.
Talvez a minha vida tenha sido uma desgra√ßa e eu cresci com a cabe√ßa errada/bugada. Eu simplesmente me mordo o tempo todo pensando que eu n√£o tenho rumo nenhum para a vida. N√£o t√ī indo pra nenhum lugar, esperando que as coisas do exterior me carreguem at√© um novo problema; seja ele bom ou ruim.
Simplesmente não entendo. Será que eu estou fazendo algo errado? Será que essa preocupação é realmente necessária?
Talvez seja a solidão. Sempre estive isolado de todos, nunca fui sincero com ninguém, nunca fiz perguntas, nunca conversei. Não tenho comprovação que meus amigos têm um corpo físico. Sempre congelo e desligo quando falo com alguém, tudo que sai da minha boca é uma reprodução daquilo que foi salvo e encaminhado antes de eu ir embora.
Tenho medo de conversar com pessoas. Meu melhor amigo, aquele que eu falo tudo sem medo nenhum, que compartilho com meus sentimentos, sou eu. Encaminho todos meus coment√°rios ao limbo da minha mente como se algu√©m estivesse ouvindo; esse limbo nunca responde minhas perguntas, nunca adiciona algo ou me corrige. Nunca compartilho ideias com ningu√©m (as coisas que escrevo aqui s√£o apenas uma tentativa de documentar o que penso, como se eu fosse importante e meus pensamentos √ļteis), nunca sinto necessidade de sair de dentro de mim, seja com ideias ou hobbies.
N√£o sinto vontade de escrever o que achei que poderia ter vir a se tornar um pr√≥prio livro ou pelo menos um artigo em algum jornal de algum assunto espec√≠fico, ou pelo menos um Shower Thought ou um coment√°rio numa conversa de bar. N√£o sinto vontade de praticar algo como escrita, m√ļsica, desenho, *[insira mais coisas aqui, o padr√£o talvez seja percipt√≠vel]; talvez eu esteja me for√ßando a fazer coisas que, por mais que admire, n√£o tenho vontade de construir, apenas de usufruir. Por√©m n√£o fa√ßo ideia do que eu gosto, se pensar assim. O que vai ser meu passatempo favorito? O que vai ser meu desejo de trabalhar com? N√£o sei, nada me d√° o sentimento de necessidade. Nada parece realmente importar.
Talvez seja muito tempo sozinho, eu s√≥ queria algu√©m pra me abra√ßar e confiar, que n√£o fosse eu mesmo, que n√£o tivesse medo de me abrir com, que eu n√£o dissesse apenas o m√≠nimo do que quero dizer. Que essa pessoa me tirasse desse caos, respondesse minhas d√ļvidas, me corrigisse, me tirasse daqui de dentro.
Alguns dizem que socializar é ruim, e laços e afeto são apenas problemas. Que não devemos desejar pessoas para nos sentir bem, porque as outras pessoas só nos trazem problemas; invés disso, devemos montar nosso próprio bem-estar, devemos ser o suficiente para nos mesmos e aprender a nos amar.
Bem, QUE VOCÊS VÃO SE FODER ENTÃO. Por milhares de anos os humanos vem escrevendo sobre como é belo o amor de outra pessoa, e que isso é uma das coisas mais desejadas pelo homem. Agora todo mundo diz que as pessoas são o problema uma das outras, e que não devemos confiar demais nelas.
Acho que nunca provei o verdadeiro gosto de confiar em alguém, tudo que eu sempre tive foi esse limbo que é praticamente falar com uma parede, falar sozinho; mas sabe o que isso me parece? Parece que vocês sempre tiveram as pessoas por perto, sempre tiveram as pessoas idiotas e as pessoas boas por perto. Confiaram em muitos e ignoraram muitos. Até o ponto em que enjoaram e imploraram por um pouco de solitude, um espaço pra respirar.
Mas, desculpa se minha mem√≥ria √© falha e eu estiver sendo ingrato, EU NUNCA TIVE MERDA NENHUMA DESSA. Tudo que tive fui eu pra me ouvir, e EU ODEIO ESSE FILHA DA PUTA. EU ODEIO FALAR SOZINHO AT√Č FICAR LOUCO. ODEIO COMO TODAS MINHAS ORA√á√ēES PRA JAV√Č FORAM EM V√ÉO, E NO FINAL NINGU√ČM NUNCA ENTENDEU MERDA NENHUMA DO QUE EU SINTO (n√£o entender errado, todos s√£o dignos de ser escutados, n√£o sou o especial-√ļnico).
Eu tenho medo de falar com as pessoas. Meu devaneio mais idiota é que alguém algum dia leia tudo que vou escrever e me conheça, mas isso é egocentrista para um caralho, eu sei.
Eu s√≥ queria que algu√©m me abra√ßasse e n√£o me soltasse. Mas √© imposs√≠vel, porque eu afasto todos. N√£o sei em quem posso confiar, n√£o sei em quem devia confiar. Simplesmente chuto todo mundo da volta e depois me mordo de noite porque t√ī ficando louco por causa da solid√£o.
N√£o duvido que a parte que diz que afeto e confian√ßa nas outras pessoas tenham simplesmente escolhido as pessoas erradas. N√£o √© atoa que a maioria das pessoas me parecem realmente idiotas. "OH, mas ent√£o voc√™ t√£o presun√ßosamente assume que est√° acima da m√©dia de racionalidade, e que faria decis√Ķes bem melhores que a maioria da popula√ß√£o (igual quase todas pessoas acreditam que fariam decis√Ķes melhores que as outras)?" Acho que √© isso mesmo. Eu sou um idiota egoc√™ntrico, ego√≠sta e presun√ßoso.
E se eu estiver errado? EU NÃO SEI. Quero que a morte me pegue e me atropele; me tire toda a capacidade de sentir qualquer qualquer; qualquer capacidade de experienciar e racionar qualquer coisa desse inferno.
Tudo que eu tenho √© caos nesse inferno. Nesses 16 anos de vida, em que aprendi desde andar at√© parte da hist√≥ria da humanidade, desenvolvi n√£o alguma coisa √ļtil, bonita ou proveitosa que me d√™ alegria em estar vivo, mas desejo de acabar com a minha pr√≥pria exist√™ncia e destruir tudo que sou ou posso ser. Que porra √© essa?
Dizem que depressão é algo comum nessa fase. Dizem que as coisas passam depois de algum tempo, o método de pensar vai mudar. Bem, que venham logo os pensamentos diferentes. Que eu pare com depressão de adolescente idiota; que tenha pensamentos claro e bons.
Mas às vezes parece que é um pouco mais que apenas isso, e que não vai melhorar como dizem.
Talvez os humanos não devessem pensar em tanta coisa assim, talvez a gente devia ter um limite de até onde refletir sobre o que somos, de onde viemos, para onde vamos e o que é cada coisa; tudo depois desse limite é ruim e destrutivo, apenas caótico, nada de bom. Talvez a gente devia pensar sim nessas coisas, mas eu que não tenho uma mente decente pra aguentar.
N√£o sei se quero algu√©m pra abra√ßar de verdade, n√£o sei se quero uma cura para meus problemas mentais, n√£o sei se quero aprender o que √© amar a mim mesmo, n√£o sei se quero meter meu p√™nis em algum lugar s√≥ pra receber dopamina, n√£o sei se quero simplesmente jogar um videojogo eletr√īnico ou rir assistindo alguma coisa engra√ßada. Simplesmente me mordo o tempo todo tentando entender porque caralhos t√ī assim.
Na d√ļvida, simplesmente assumo que quero morrer. J√° que a morte parece ser a √ļnica resposta v√°lida e absoluta.
submitted by Best_Player_ to u/Best_Player_ [link] [comments]


2020.06.01 01:26 altovaliriano Shae (Parte 1)

Uma prostituta aprende a ver o homem, n√£o seu traje, caso contr√°rio acaba morta numa viela.
(ACOK, Tyrion X)
A primeira vez que conhecemos Shae, ela já está fora da tenda de Tyrion, dividindo uma fogueira com Bronn, Podrick, um criado e um cavalariço.
Eu gosto de mencionar Podrick, o criado e o cavalariço, pois muito se fala sobre Bronn e Shae serem agentes de Tywin ou de outra pessoa, mas muito mais fácil que os informantes sejam estes servos a quem Tyrion não presta atenção nem tem qualquer relação especial. Shae trabalhar para outra pessoa é algo que abordarei ao longo do texto.
Retornando, quando Shae nos é apresentada percebemos o quão esperta a garota é. Sua primeira fala no livro já é uma demonstração de autonomia e articulação.
‚Äď √Č ela? ‚Äď perguntou a Bronn.
Ela se ergueu num movimento gracioso e olhou para ele, da majestosa altura de um metro e meio ou mais.
‚Äď √Č, senhor, e ela pode falar por si mesma, se assim quiser.
(AGOT, Tyrion VIII)
Já sua segunda fala nos deixa claro que Shae tanto é ousada quanto divertida, capaz de entreter de Bronn a Tyrion.
‚Äď Sou Tyrion, da Casa Lannister. Os homens chamam-me Duende.
‚Äď Minha m√£e chamou-me Shae. Os homens chamam-me‚Ķ com frequ√™ncia.
Bronn deu risada, e Tyrion teve de sorrir.
(AGOT, Tyrion VIII)
Mas esta troca de palavras inicial não serve apenas para que saibamos sobre as qualidades mentais de Shae. Em meio ao atrevimento e piadinhas espertas, temos os primeiros indícios que Shae já é uma prostituta experiente.
Mais tarde, em A F√ļria dos Reis, saberemos que Shae contou a Tyrion que era abusada sexualmente pelo pai e que fugiu de casa. A forma trivial como o assunto √© discutido entre Tyrion e Shae parece refor√ßar a ideia de que este passado tr√°gico n√£o √© recente e que Shae j√° se prostitui h√° algum tempo.
Outro momento em que a experiência de Shae fica clara é quando a garota negocia seu futuro relacionamento com Tyrion. Primeiro, ela estabelece sem pudor que cobrará mais caro para se portar com sinceridade perante Tyrion:
‚Äď O que me agradaria seria obter de voc√™ a verdade, garota.
‚Äď Est√° bem, mas isso custar√° o dobro.
(AGOT, Tyrion VIII)
Para completar, quando Tyrion lhe prop√Ķe comprar sua fidelidade, Shae tamb√©m aceita com naturalidade os termos do an√£o, sem barganhar ou ficar impressionada:
‚Äď Sou um Lannister. Tenho ouro com fartura, e pode descobrir que sou generoso‚Ķ Quero mais de voc√™ do que aquilo que tem entre as pernas, embora tamb√©m queira isso. Partilhar√° a minha tenda, encher√° meu copo de vinho, rir√° dos meus gracejos, massagear√° as minhas pernas doloridas depois de cada dia de marcha‚Ķ e quer se mantenha comigo durante um dia ou um ano, enquanto estivermos juntos, n√£o levar√° nenhum outro homem para a sua cama.
‚Äď √Č justo ‚Äď ela estendeu a m√£o at√© a bainha do vestido de r√°fia e tirou-o pela cabe√ßa, num movimento suave, atirando-o para o lado. Por baixo, nada havia a n√£o ser Shae. ‚Äď Se n√£o apoiar essa vela, meu senhor vai queimar os dedos.
(AGOT, Tyrion VIII)
O comportamento de Shae parece indicar que este tipo de rela√ß√£o n√£o √© novo para ela. Entretanto, √© justamente nesse ponto que as apar√™ncias e circunst√Ęncias da garota voltam a ser relevantes. Shae √© achada seguindo um acampamento de guerra, usando um vestido de r√°fia e seu cliente original era um cavaleiro de baixa patente:
‚Äď Tirei-a de um cavaleiro. O homem estava relutante em desistir dela, mas o seu nome mudou um pouco a maneira dele de pensar‚Ķ isso e o meu punhal em sua garganta.
‚Äď Magn√≠fico ‚Äď disse secamente Tyrion, sacudindo as √ļltimas gotas. ‚Äď Acho que me lembro de ter dito encontre-me uma prostituta, e n√£o me fa√ßa um inimigo.
Tyrion perguntou-lhe pelo homem de quem Bronn a tirara, e ela disse o nome de um servidor de um fidalgo insignificante.
(AGOT, Tyrion VIII)
Nós sequer podemos arguir que o cavaleiro poderia a ter enganado. Primeiro porque, como Shae diz na citação que inaugura este texto, uma prostituta esperta precisa enxergar o homem e não o traje dele. Em segundo lugar, por que a própria Shae admitiu saber que ele era uma pessoa insignificante:
‚Äď N√£o √© preciso temer homens como ele, senhor ‚Äď disse Shae, com os dedos atarefados em seu membro. ‚Äď √Č um homem pequeno.
(AGOT, Tyrion VIII)
Portanto, Shae n√£o √© uma cortes√£ ou algu√©m acostumado a luxos, como alguns leitores mais imaginativos cogitam. Na verdade, sua ousadia parece decorrer do instinto de sobreviv√™ncia de uma pessoa de ‚Äėnascimento baixo‚Äô e toda a sua esperteza n√£o a impediu de ser nada mais do que a prostituta de um ‚Äúhomem pequeno‚ÄĚ em um acampamento de guerra. Em outras palavras, Shae tirou a sorte grande quando foi escolhida para Tyrion. Ela n√£o tinha nenhum grande plano na manga.
Mas, verdade seja dita, Shae deve ter feito o cálculo de custo-benefício antes mesmo de ter sido trazida à tenda de Tyrion. Afinal, o próprio Tyrion exigiu a Bronn que a prostituta que este arranjasse deveria ser avisada que seu cliente era um Lannister e um anão:
‚Äú[‚Ķ] Assegure-se de lhe dizer quem sou e a previna do que sou.‚ÄĚ Jyck nem sempre se incomodara em fazer aquilo. Havia um olhar que as mo√ßas por vezes davam quando vislumbravam pela primeira vez o fidalgo a quem tinham sido contratadas para satisfazer‚Ķ um olhar que Tyrion Lannister n√£o queria ver nunca mais.
(AGOT, Tyrion VIII)
Ent√£o, quando Shae apareceu na vida de Tyrio, tudo que ela poderia esperar era acompanh√°-lo durante o tempo da batalha. Shae n√£o estava procurando agrad√°-lo mais do que isso. Tyrion a mant√©m em sua tenda, depois em seu quarto na Estalagem da Encruzilhada e somente na √ļltima linha de seu cap√≠tulo em A Guerra dos Tronos √© que fala em lev√°-la a Porto Real.
Na verdade, do jeito como a conversa com Tywin se desenrola, fica parecendo que o próprio Tyrion não havia cogitado levar Shae consigo até que seu pai menciona isso:
‚Äď Uma √ļltima coisa ‚Äď disse ele da porta. ‚Äď N√£o levar√° a prostituta para a corte.
Tyrion ficou sozinho na sala comum durante um longo tempo depois de o pai ir embora. Por fim, subiu os degraus até suas acolhedoras águas-furtadas sob a torre sineira. [...]
‚Äď Tenho em mente lev√°-la para Porto Real, querida ‚Äď sussurrou.
(AGOT, Tyrion X)
Uma vez que no cap√≠tulo anterior fica claro para Tyrion que o Tywin o p√īs na esquerda do ex√©rcito sem contar que pretendia deixar esse arregimento ser massacrado (a ponto de Tywin confessar isso), eu acredito que Tyrion s√≥ resolveu levar Shae a Porto Real como um insulto √† ordem do pai e n√£o porque necessariamente estava apaixonado pela garota.
Mas com isso n√£o quero dizer que Tyrion j√° n√£o projetava sua car√™ncia sobre Shae. Este tipo de coisa j√° estava sendo plantado por Martin desde a primeira noite do an√£o com ela. Tyrion j√° gostara da objetividade de Shae enquanto prostituta, de seu comportamento contradit√≥rio (espacialmente do sorriso que alternava entre (‚Äút√≠mido, insolente e malvado‚ÄĚ) e de suas caracter√≠sticas f√≠sicas. Estas √ļltimas eram as que tinham mais rela√ß√£o com seu amor perdido.
De fato, uma coisa not√°vel √© que Tyrion avalia Shae como ‚Äúaparentemente com n√£o mais de dezoito anos‚ÄĚ. Portanto, jovem o suficiente para parecer um fantasma de sua rela√ß√£o adolescente com Tysha, mas n√£o jovem a ponto de ser uma segunda Tysha na cabe√ßa dele (que at√© o momento achava que Tysha era uma prostituta).
Por outro lado, inconscientemente, Tyrion denuncia ao leitor que sua primeira noite com Shae tem alguma forma de paralelismo com a experi√™ncia que teve com Tysha. Na estrada de altitude com Bronn, Lannister explica que a can√ß√£o myresa ‚ÄúAs Esta√ß√Ķes do Meu Amor‚ÄĚ √© para ele uma lembra√ßa de seu amor perdido.
‚Äď Ent√£o dever√≠amos cantar, para que fugissem aterrorizados ‚Äď e come√ßou a assobiar uma melodia [‚Ķ]. ‚Äď Conhece esta can√ß√£o? ‚Äď perguntou.
‚Äď Ouve-se aqui e ali, em estalagens e bord√©is.
‚Äď √Č de Myr. ‚ÄúAs Esta√ß√Ķes do Meu Amor.‚ÄĚ Doce e triste, se compreender as palavras. A primeira mulher com que me deitei costumava cant√°-la, e nunca fui capaz de tir√°-la da cabe√ßa.
(AGOT, Tyrion VIII)
Não por coincidência, é esta canção que enche a cabeça de Tyrion após sua primeira noite com Shae.
Sentia a suavidade dos seios dela comprimidos contra seu bra√ßo. Era uma sensa√ß√£o boa. Uma can√ß√£o encheu-lhe a cabe√ßa. Suavemente, baixinho, p√īs-se a assobiar.
‚Äď Que √© isso, senhor? ‚Äď murmurou Shae contra seu corpo.
‚Äď Nada ‚Äď respondeu. ‚Äď Uma can√ß√£o que aprendi quando era rapaz, nada demais. Durma, querida.
(AGOT, Tyrion VIII)
Porém, por mais que seja irresistível ver nesse gesto de Tyrion um indício de que ele estaria, desde o primeiro encontro, Shae com Tysha, não sabemos se isto não é um reflexo de Tyrion com todas as prostitutas com que dorme. Martin, inclusive, nos brinda com uma informação que me passou batido em todas as minhas releituras até hoje:
Tyrion percebeu que precisava dela. Dela ou de alguém como ela. Já se passara quase um ano desde que dormira com uma mulher.
(AGOT, Tyrion VIII)
Segundo o que eu entendi, Tyrion estaria à procura de qualquer mulher como Shae, não ela em específico. E o fato de que estava há quase um ano sem ninguém pode ter aumentado a opressão de sua solidão, a ponto de ele começar a fantasiar enquanto se relacionava com a prostituta.
De toda forma, eu diria que a decisão de levar Shae como um insulto a uma ordem direta de Tywin acaba por se virar contra o próprio Tyrion. O tipo de governo que Tyrion imprime em Porto Real cada vez o deixa mais dependente de seus próprios homens e de sua prostituta.
Shae tornasse a √ļnica fonte de prazer e carinho de Tyrion e isso o leva a, aos poucos, se apaixonar por ela. E ela, como uma prostituta esperta, sabe disso, pois aprendeu ‚Äúa ver o homem, n√£o seu traje‚ÄĚ.
Na próxima semana, haverá uma parte 2.

Perguntas

  1. N√≥s conhecemos depois ‚Äėo cavaleiro de um fidalgo insignificante‚Äô que estava com Shae? Ou o personagem era insignificante at√© para GRRM?
  2. Tywin tem mesmo um informante entre a criadagem de Tyrion ou o anão é que foi muito óbvio ao trazer Shae para dentro da Estalagem?
  3. Tywin sabia que, ao ordenar que Tyrion n√£o levasse Shae para Porto Real, o an√£o faria exatamente o contr√°rio?
submitted by altovaliriano to Valiria [link] [comments]


2020.05.02 00:14 NoiteAmorosa PROCURO NAMORADINHA

EU QUERO UMA NAMORADINHA: redpillada channer, dogoleira, wgtow, ancap, jogadora de lol, jogadora de poker, bv, virgem, sem amigos, crente, f√£ da UDR,magrela, footlet,escuta Chico Buarque, weeabo, hikkimori, otaku, gamer, furry, fujoshi, hetero,federal,trader de bitcoin,hacker, defacer, cubista, penspinner, recordista de memoriza√ß√£o de baralhos, timida, m√£e de pet, hidratada, n√£o consumidora de a√ßucar, saud√°vel, youtuber, netolover, pooper, cambista, shitposter, anarquista, materialista, roquista, travesquista, mono talon vlogger, blogueira, e-girl, intolerante a lactose, intolerante a gluten, grinder e hipn√≥loga, fiel, niilista existencialista, metaleira, headbanguer, pelo no suvaco, patriota, masoquista, ballbuster, jogadora de minecraft, buceta fedida, que n√£o tenha medo de chuta minhas bolas pelo amor de deus eu nao consigo encontrar uma menina pra chutar minhas bolas por favor deus eu imploro nao agusnto mais isso nao eh um meme porque voces tem medo de me chutar no saco. Ra√ßa: n√≥rdica Altura: 170cm+ Pele: 1 ou 2 (Fitzpatrick) Olhos: 7+ (Martin) Cabelos: qualquer cor, mas apenas lisos ou ondulados (FIA) Nariz: reto ou virado para cima Cr√Ęnio: dolico ou mesocef√°lico √ďculos: n√£o Aparelhos: n√£o Queixo furado: n√£o Covinhas: n√£o Orelha presa: n√£o Orelha de abano: n√£o Franja em V: n√£o Pelos no corpo: muito pouco Tatuagem: n√£o Gradua√ß√£o: apenas cursos voltados √† pesquisa Faculdade: apenas bem conceituadas Habilidades matem√°ticas: sim Idiomas: flu√™ncia em ingl√™s e mais outro idioma √Ālcool, cigarro, drogas: n√£o, nenhum Personalidade: introvers√£o Cultura: europeia ocidental RELIGI√ÉO: Crist√£ Ortodoxa Gostar de escutar rog√©rio skylab:
Para ser sincero, voc√™ precisa ter um QI muito alto para entender Rog√©rio Skylab Para ser sincero, voc√™ precisa ter um QI muito alto para entender Rog√©rio Skylab. O humor √© extremamente sutil e, sem uma compreens√£o s√≥lida de filosofia moderna, a maioria das piadas vai passar despercebida pelo telespectador m√©dio. H√° tamb√©m a vis√£o niilista de Rog√©rio, que est√° habilmente tecida em sua caracteriza√ß√£o - sua filosofia pessoal se baseia fortemente na literatura de Nododaya Volya, por exemplo. Os f√£s entendem essas coisas; eles t√™m a capacidade intelectual para realmente apreciar a profundidade dessas piadas, para perceber que elas n√£o s√£o apenas engra√ßadas - elas dizem algo profundo sobre a VIDA. Como conseq√ľ√™ncia, as pessoas que n√£o gostam de Rog√©rio Skylab s√£o verdadeiros idiotas - √© claro que eles n√£o apreciariam, por exemplo, o humor no bord√£o existencial de Rog√©rio "Chico Xavier √© viado e Roberto Carlos tem perna de pau", que √© uma refer√™ncia cript√≠ca para o √©pico Pais e Filhos do russo Turgenev. Estou sorrindo agora mesmo imaginando um desses coitados simplistas co√ßando a cabe√ßa em confus√£o enquanto as m√ļsicas se desenrolam na tela de seu computador. Que tolos‚Ķ como eu tenho pena deles. E sim, a prop√≥sito, eu tenho uma tatuagem do Rog√©rio Skylab. E n√£o, voc√™ n√£o pode v√™-la. √Č s√≥ para os olhos das damas. E mesmo elas, precisam demonstrar de antem√£o que possuem um QI com diferen√ßa absoluta de no m√°ximo 5 pontos do meu (de prefer√™ncia para baixo).
Rotina, Habitos e interesses: Nofap + Banho Gelado + comer carne crua + comer virado pra parede + biohack + dormir no ch√£o + Jordan Peterson + mewing + HBD + PUA + jelq + dormir 5 horas por dia + caf√© gelado sem a√ß√ļcar + hipismo + compila√ß√£o mitadas En√©as + alho cru + podcast do Joe Rogan + redpill + Brain Force + Jejum + medita√ß√£o iasd + m√ļsicas para concentra√ß√£o, foco e intelig√™ncia + teste de QI da internet + grupos de linhagem viking do facebook + ficar longe do poste de internet 4G + youtube do varg vikernes + ess√™ncia de morango da turma da m√īnica no narguil√© + jogar vape na cara de todo mundo que tentar entrar no bloco da faculdade + 5 segundos de calistenia no deserto do atacama + darkcel + √≥culos do a√©cio na foto de perfil + ler quotes do nietzsche no brainy quote + criar galinha no quarto sem os pais saberem + Alho cru + uma colher de azeite quando acorda e outra antes de dormir + jejum de 24hrs a cada 72hrs + assistir VT no premiere logo que chega do est√°dio + canal Ultras World + LibreFighting + Operation Werewolf + comprar os artigos do Paul Waggener + Centhurion METHOD + humilliation exposure com a finalidade de criar uma crosta na sua mente capaz de desenvolver uma resili√™ncia que resiste √† humilha√ß√£o como se ela fosse nada + tomar banho descal√ßo em chuveiro de academia com ch√£o mijado + muscula√ß√£o caseira + hackear o sono + Empreender + 10 livros de auto ajuda por m√™s + PUA + Selo super f√£ da f√ļria e tradi√ß√£o + Biokinesis + 432hz music + Mexer o pau sem piscar o c√ļ + medita√ß√£o transcendental + veganismo + minoxidil para cultivar uma barba + filmografia Jason Stataham + assistir vikings + redpill + ir no cinema sozinho + treino saitama + coach qu√Ęntico + enema de caf√© + dieta lair ribeiro + agua alcalina + O M√©todo de Wim Hof + sabedoria hiperb√≥rea + artigos da Nova Resist√™ncia + Biblioteca do D√≠dimo Matos + dormir virado pra patede assoviando no escuro pra espantar o curupira + dar 3 pulinhos toda vez que levantar da cama + dizer am√©m quando um 1113 azul passar por voc√™ na rua + 100 flex√Ķes por dia + 6 meses de jelq + injacula√ß√£o guiada + sociedade thule + energia vril + chap√©u de alum√≠nio para se proteger das armas psicotronicas emitidas pela CIA + caderno de anota√ß√Ķes smiliguido + pedir a b√™n√ß√£o ao carteiro toda segunda de manh√£ + 3 horas de academia + 4 horas de corrida + mascar caf√© + exerc√≠cios penianos do Dr. Rey + maratona saga Rocky + trilha sonora saga Rocky + trilogia Mercen√°rios + filmes do Jason Statham + assoviar o hino do Palmeiras de ponta-cabe√ßa + intro do Canal do Nicola em loop + palestras do Antonio Conte + v√≠deos do Rodrigo Baltar + dicas do Gustavo Gambit + aulas de italiano + dormir ouvindo Ultraje a Rigor + ler Walden pelado na mata atl√Ęntica de madrugada + ouvir m√ļsicas em velocidade aumentada + canto gregoriano √°rabe + ensinar hino do botafogo pra calopsita + fritar comida com banha de porco + assistir videos de situa√ßoes de risco com a finalidade de se preparar para o perigo + Terapia Holistica com formandos da UFPR no Jardim Bot√Ęnico + Radiestesia para harmonizar vibra√ß√£o da casa + Metatron 432HZ no YouTube entoando a ora√ß√£o EU SOU + ler O C√≥digo da Vinci + Jesus Qu√Ęntico + Barra Fixa na pra√ßa de madrugada escutando audiolivro do Jordan Peterson na voz do cara dos Fatos Desconhecidos + grupo POPEYE AFIANDO A PIKA + MyInstants AEEE KASINAO + Memes do Fausto Silva + ler O Evangelho dos Animais + stories do Copini no Instagram + Canal SocialGames7 com Gustavo Gambit e CIA + textos de Raphael Machado (Nova Resist√™ncia) + ser ex-membro do grupo Comunismo Ortodoxo + Monja Coen + Fazer origami com papel do bis + perder dinheiro com maquina de pegar ursinho + fumar palheiro com o av√ī + quebrar palito de dente no meio depois que usar + rezar Pai Nosso em aramaico + tentar se comunicar com o ashtar sheran + virar catequista e passar Pl√≠nio Salgado para as crian√ßas + Limpeza de 21 dias de S√£o Miguel Arcanjo + arrancar a fimose comendo cu apertado de galinha caipira + Regata branca WifeBeater com cal√ßa jeans clara e bota marrom + Ingressar na legiao estrangeira + Comprar toras de eucalipto pra reproduzir o centurion method mas nunca come√ßar o treinamento + vender m√°quina de cart√£o de cr√©dito + ler os escritos do Unabomber + Escutar a discografia do Paul Waggener + ler todos os livros do Pavel Tsatsouline + ouvir rap eslavo de cunho pol√≠tico suspeito + caf√© com um cubo de manteiga dentro precedendo a primeira refei√ß√£o do dia + beber 2L de leite por dia + Stronglifts 5x5 + Dieta Cetog√™nica + Canal Jason PROJETO GIGA + Cd do TRETA + comprar torre de chopp no prensad√£o + 2 c√°psulas de Tadalafellas antes do sexo + s√≥ comprar comida japonesa importada pra dieta + comer arroz sem sal com peixe cru sem tempero enrolado em folha do fundo do mar + memes da p√°gina Dollynho Puritano + Deus Vult na capa do Facebook + acessar o dogolachan pelo computador da escola pra postar fanfic gay do Gilberto Barros + Trollar atendentes do mcdonalds no habbo hotel + ligar para o Motel Ast√ļrias perguntar quando custa a bolacha Bauducco que aparece no site + Mandar entregar pizza na Rua dos Tamoios casa n¬į18 com port√£o vermelho + cosplay de russo no Omegle pedindo pra mostrarem a bunda + Dormir imaginando uma linha pra fazer viagem astral + recitar Homero pra mendigo + tomar antibi√≥tico no caf√© da manh√£ + Meditar imaginando o raio de luz violeta que representa a energia transmutadora + Workshop Reiki do Canal Luz da Serra MULHERES TERRAPLANISTAS RALEM.
Primeiro de tudo! Vai tomar no cu, MULHERES terraplanistas! Junto com todas que me contrariaram nos √ļltimos meses falando "dur hur voc√™ n√£o sabe nada de paleontologia, vai assistir seus desenhos filipinos e n√£o encha o saco". TODOS OS DINOSSAUROS TEM PENAS! LERAM DIREITO? TODOS OS DINOSSAUROS TEM PENAS! A farsa ficou t√£o √≥bvia, que eles n√£o tem mais como esconder que TODOS OS DINOSSAUROS TEM PENAS! Alguns mais penas, outros menos penas, MAS TODOS TEM. E aproveitando no mesmo v√≠deo, N√ÉO TEVE METEORO PORRA NENHUMA! Provavelmente as mudan√ßas clim√°ticas naturais, junto com a separa√ß√£o gradual dos continentes, √© que extinguiu a mega-flora e a mega-fauna. E se teve algum meteoro, apenas acelerou o processo em uma regi√£o muito especifica. Agora s√≥ falta as ((especialistas)) e a (((Academia))) admitir que dinossauros nunca existiram e que foi tudo um erro grotesco de interpreta√ß√£o de pessoas que n√£o sabiam que caralhos eram aqueles esqueletos. S√£o apenas aves e mam√≠feros ancestrais de milh√Ķes de anos atr√°s. E antes que eu me esque√ßa, vai todo mundo que me contrariou tomar no cu!
GOSTAR DE MIM POR QUEM EU SOU E NAO PELA MINHA APARENCIA
Sério, de verdade, ser uma pessoa bonita não é fácil em nossa sociedade atual; não é só os olhares de desejo das mulheres e dos homens que me incomoda, e sim, o fato de ser só isso para as pessoas. Sou muito mais que apenas um cara bonito. Tenho qualidades além dessas, e saber que as pessoas não ligam para elas, pois estão entorpecidas de anseio pela minha formosura, me entristece muito.
Não suporto mais ser bonito. Tudo que eu queria era poder nascer de novo num corpo de uma pessoa feia, pois sério, vocês não sabem como me dói saber que por culpa de algo que nasceu em mim (a incrível beleza), serei rotulado eternamente por isso.
Eu trabalho, estudo, procuro, conheço, aprendo! Sou um ser-humano como qualquer outro e não só mais um rostinho bonito.
Pergunta antes de eu poder te namorar: Você é ocultista?
Essa é a pergunta de um milhão de dólares que raramente vejo sendo feita.
Se você ainda não for, pra se tornar minha namorada precisará ser e aqui está como fazer isso
√Č fato que a maior parte da literatura especializada ocidental acredita em Deus e Cristo, somente olhando-o por uma lente diferente. N√£o h√° um ritual que lhe aproxime de Deus, as coisas raramente s√£o t√£o simples. Entretanto, com estudo e medita√ß√£o o caminho come√ßa a ficar mais claro.
Entenda que não sou nenhum senhor da verdade, e o que te falo hoje posso descobrir ser mentira amanhã. Saiba também que um dos maiores problemas desse meio é a falta de um início claro, sendo as obras tidas como introdutórias porcarias completas. Dito isso, lhe respondo o seguinte:
  1. O caminho mais completo para se aproximar do que voc√™ quer come√ßa com no√ß√Ķes do pensamento Hel√™nico. Entenda que boa parte da vis√£o de mundo crist√£ vem da antiguidade cl√°ssica, principalmente as no√ß√Ķes de harmonia e belo. N√£o te pe√ßo para ler tudo o que j√° foi jogado ao ch√£o pelos gregos, mas saiba um pouco das origens das coisas. Tenha uma ideia b√°sica dos quatro humores gregos, e que essa √© uma das origens para atribuirmos personalidades aos elementos da natureza. Entenda um pouco dos seus deuses e Cosmos, porque eles ser√£o utilizados no futuro de forma metaf√≥rica em textos. Saiba que quando aparecer um hermafrodita em um texto especializado n√£o h√° conex√£o com desvios modernos, mas com um simbolismo mais antigo (Salvo engano, sua origem √© Plat√īnica. Mais especificamente, O Banquete, durante os discursos sobre amor).
  2. Entenda que boa parte da origem da magia ocidental vem da conflu√™ncia da cultura grega com a eg√≠pcia, incluindo a alquimia. A t√°bua esmeralda √© um texto obrigat√≥rio. Leia um pouco sobre o Axioma de Maria, A judia. Aprenda um pouco da simbologia alqu√≠mica, porque ser√° importante para voc√™ no futuro. √Č dentro da alquimia que ir√£o discursar sem final sobre a trindade (pelo menos os da corrente de Paracelso). N√£o se pretenda nenhum mestre dos espag√≠ricos, porque os qu√≠micos far√£o isso melhor do que voc√™. Entenda que n√£o havia essa separa√ß√£o absoluta entre o material e o espiritual, ent√£o os dois conhecimentos andaram juntos ao decorrer da hist√≥ria. Entenda tamb√©m que haviam escritores voltados especificamente para a alquimia espiritual, enquanto outros √† qu√≠mica.
  3. Estude a Cabala. Eu entendo que para alguns seja dif√≠cil dar aten√ß√£o √† Cabala Judaica com o surto conspiracionista chan√≠stico sobre a √≠ndole de todo um povo, mas querendo ou n√£o o juda√≠smo √© o Pai da f√© crist√£, sendo Jesus judeu. Entenda que a √°rvore da vida √© um estudo sobre Deus e suas emana√ß√Ķes, e dela vir√° uma boa parte de seu conhecimento.
  4. Leia as coisas atuais sobre o assunto. Dê atenção aos escritores herméticos, principalmente.
Ocultismo é um saco, pelo menos se você for estudar seriamente. Você pode perder a vida se tiver um projeto ambicioso como se aproximar de Deus.
Você também pode pular algumas etapas no que te falei. Sobre a parte do pensamento grego, saiba que boa parte é "dispensável". Dito isso, recomento que entenda um pouco sobre o funcionamento do Cosmos de Ptolomeu. Entenda também alguns dos símbolos planetários, porque seu entendimento irá lhe ajudar no futuro.
Pra me namorar tambéme tem que gostar dos animes:
Akame ga Kill! Akarui Sekai Keikaku Ana Satsujin Asu no Yoichi! Azumanga Daioh Balance Policy Black Cat BlazBlue: Remix Heart Chichi ga Loli na Mono de Choujigen Game Neptune: The Animation - Dengeki Comic Anthology Come Come Vanilla! Criminale! Dog Style Domina no Do! Eden no Ori Yu-gi-oh
Sobre assistir Yu-gi-oh; quando eu era adolescente, gostava (na época que passou na TV Globinho e era moda), mas hoje em dia não gosto mais; então não assistiria de novo.
Quanto às minhas lembranças marcantes de Yu-gi-oh:
Em 2003, Yu-gi-oh era moda e todo mundo na escola da quinta e da sexta série jogava com cartinhas piratas, já o pessoal da sétima e da oitava não se interessava. A propósito, em 2003 tiveram duas grandes modas de brinquedos baseados em animes, cartinhas de Yu-gi-oh e Beyblade. Outro brinquedo que todo mundo da quinta e da sexta série levava pra escola em 2003 depois que passou a moda de Yu-gi-oh e começou a moda da Beyblade era a Beyblade.
Outra lembrança marcante que tenho de Yu-gi-oh é que em 2003 na escola o pessoal criava suas próprias cartinhas, fazendo desenhos e estatísticas.
Fujimura-kun Mates Gantz Gou-Dere Bishoujo Nagihara Sora‚ô• Higurashi no Naku Koro ni Kai: Matsuribayashi-hen Hitsugi no Chaika Ichigo 100% Ichinensei ni Nacchattara In Bura!: Bishoujo Kyuuketsuki no Hazukashii Himitsu Jigokuren: Love in the Hell Jinzou Shoujo JoJo no Kimyou na Bouken Part 4: Diamond wa Kudakenai JoJo no Kimyou na Bouken Part 5: Ougon no Kaze JoJo no Kimyou na Bouken Part 6: Stone Ocean JoJo no Kimyou na Bouken Part 7: Steel Ball Run Kaibutsu Oujo Lucky‚ėÜStar Mahou no Iroha! Mahou Tsukai Kurohime Monster Hunter Orage Mujaki no Rakuen Needless Zero Nyotai-ka Onihime VS Oretama Perowan!: Hayakushinasai! Goshujinsama‚ô™ Re:Marina Rosario to Vampire Saitama Chainsaw Shoujo Sankarea School Rumble Shingetsutan Tsukihime Shocking Pink! Shurabara! Sora no Otoshimono Sora no Otoshimono Pico Akame ga Kill! Ana Satsujin Asu no Yoichi! Azumanga Daioh Balance Policy Black Cat BlazBlue: Remix Heart Chichi ga Loli na Mono de Choujigen Game Neptune: The Animation - Dengeki Comic Anthology Come Come Vanilla! Dorohedoro Nekopara Pet Toaru Kagaku no Railgun Magia Record: Mahou Shoujo Madoka‚ėÜMagica Gaiden Rikei ga Koi ni Ochita no de Shoumei shitemita.Rikei ga Koi ni Ochita no de Shoumei shitemita. Isekai Quartet 2Isekai Quartet 2 Ishuzoku Reviewers Somali to Mori no Kamisama Eizouken ni wa Te wo Dasu na!Eizouken ni wa Te wo Dasu na! Itai no wa Iya nano de Bougyoryoku ni Kyokufuri Shitai to Omoimasu.Itai no wa Iya nano de Bougyoryoku ni Kyokufuri Shitai to Omoimasu. Jibaku Shounen Hanako-kun Haikyuu!!: To the TopHaikyuu!!: To the Top Darwin's GameDarwin's Game Kyokou SuiriKyokou Suiri Plunderer
PRE REQUISITO: GOSTAR DE FILMES DE FAROESTE.
IMPORTANTE: Se você gosta de filmes de super heroi, pare de ler e va se foder.
Se você é assim, fique longe de mim.
N√ÉO QUERO AS MULHERES QUE: As que falam palavr√Ķes As que fumam As que usam drogas As que postam foto com bebida Que bebem (menos ūüć∑, isso √© coisa de dama) As que v√£o para balada, festa, rave etc As que postam fotos com short curto, decote ou sensuais
Há uma coisa que eu quero que você entenda sobre nós os homens.
Quando voc√™ colocar uma foto sua nua no facebook, fazendo uma pose gostosa, mostrando os seios ou como vemos em v√°rias fotos mostrando o bumbum ou deitada sedutoramente em sua cama, a √ļnica coisa que voc√™ faz √© que as pessoas tenham desejo sexual por voc√™, claro em A maioria dos casos por parte de homens.
Eu sei que voc√™ vai ficar t√£o emocionada com os 500 likes, 120 coment√°rios e as in√ļmeras mensagens privadas! Voc√™ vai querer postar cada vez mais fotos para se sentir cada vez mais no topo.
Mas há algo importante que você precisa saber:
Na verdade nenhum desses caras que gostam, comentam ou enviam mensagens privadas te ama. Tudo o que eles querem é usá-la e depois atirá-la para o lixo, para ser honesto nenhum deles a levaria para sua casa para ser sua esposa, acredite em mim, você para eles não é mais que uma menina de programa em busca de popularidade barata No Facebook.
Os homens ricos os que tem o que você procura "dinheiro" ou os pobres admiram as mulheres que se vestem com decência e se respeitam. Uma vestimenta decente que não revela muito o seu corpo, leva-os a amar e a respeitar-te, isto a simples vista nos diz que és uma mulher virtuosa, alguém a quem se pode levar para casa para ser esposa e mãe.
Isto em muitos casos diz-lhes que você foi criada com princípios morais e lhes dá detalhes do seu bom histórico familiar.
Eles n√£o se preocupam muito com a maquiagem excessiva, uma mulher digna de propor casamento sempre se distingue do monte, n√£o importa como.
Valoriza seu corpo, lembre-se que para encontrar diamantes é preciso cavar, respeita, e um verdadeiro homem vai te respeitar de um modo ou de outro.
Mas você terá muito respeito: Mulher, não mostre seu corpo no facebook, você não sabe que tipo de pessoas, venha suas coisas, você é uma mulher bela, não precisa de fotos, nem mostrar tanto, você pode conquistar com sua simpatia, com seu educacióncon seu sonrrisa,
As que j√° ficaram com amigos seus, ou que ficam com mais de 3 em um √ļnico ano As que n√£o trabalham ou estudam (ou que est√£o em um curso irrelevante de humanas) As que n√£o sabem o b√°sico de uma casa, como lavar, passar roupa, cozinhar, trocar fralda, etc As interesseiras As que est√£o pedindo presentes sempre As que j√° est√£o comprometidas As n√£o gostam de crian√ßas ou dizem que n√£o querem ter filhos (pessoas que n√£o querem ter filhos n√£o s√£o confi√°veis) As que tem piercing de bufalo
submitted by NoiteAmorosa to DiretoDoZapZap [link] [comments]


2020.01.09 15:09 exsoldierakechi Algumas dicas que podem ajudar a conseguir ou manter um emprego.

Aviso post longo! Edit: Obrigado pelos silver ninja!
Colegas do reddit, tinha feito esse post na bolha mas como alguns comentaram pedindo pra trazer pra cá no tópico que fiz sobre a recepção deles lá ( https://www.reddit.com/brasilivre/comments/em3aas/a_bolha_%C3%A9_foda_mesmo_achei_que_era_exagero_mas/ ) Resolvi refazer o post aqui.
Talvez eu troque algumas palavras pois apaguei o post lá de desgosto, mas a idéia é postar aqui e talvez ajudar um ou outro que esteja precisando, as vezes dá uma força extra, vou adicionar alguns pontos que não adicionei antes que podem ajudar.
Lembrando que n√£o sou do RH, trabalho direto na produ√ß√£o e fa√ßo a sele√ß√£o de novos funcion√°rios ou passo direto pra dire√ß√£o quando precisa ter alguma demiss√£o, meu cargo √© o intermedi√°rio entre um gerente e um diretor, a empresa tem cerca de 100 funcion√°rios e n√£o √© nenhuma multinacional. Tamb√©m acompanho contrata√ß√Ķes de pessoal pro administrativo ou dou sugest√Ķes e afins, ent√£o acompanho alguns casos. Boa parte das empresas que n√£o s√£o gigantes n√£o tem um "RH" pra fazer contrata√ß√Ķes, afinal quem sabe a necessidade real da produ√ß√£o e o perfil necess√°rio √© quem t√° todo dia no ch√£o de f√°brica.
Também vou comentar alguns empregos que você pode conseguir com pouco/nenhum investimento que podem dar retorno e tem uma demanda alta no mercado.
Alguns desses pontos pra você pode parecer discriminação, ou reclamação gratuita, mas eu não vim dizer que tá certo ou errado, só como é pela experiência nesse e em outros trabalhos.Bora lá!
Procurando emprego:
-Se voc√™ se formou depois dos 17 anos no ensino m√©dio, √© jovem e est√° procurando emprego, saiba que algumas portas j√° se fecharam pois isso pode ser mal visto por alguns patr√Ķes como pregui√ßa ou falta de interesse, lembra quando os pais mandavam estudar? pois √©. Ent√£o se voc√™ √© jovem ou adolescente, corre atr√°s e v√° estudar! Meu patr√£o mesmo j√° diz "se n√£o quis nem estudar, quanto mais trabalhar pra valer".
-Acorde cedo. Se esforce e mantenha apresent√°vel, v√° em empresas e lugares que ningu√©m foi, mesmo que um pouco mais afastado. descubra onde √© o polo industrial mais pr√≥ximo da sua casa/cidade, v√° at√© l√° e veja quais s√£o as op√ß√Ķes. As vezes voc√™ pode dar sorte. J√° tivemos muitos jovens que nem olhamos o curriculo com remela na cara as 11 da manh√£ e todo desleixado de chinelo entregando curriculo. Sei que t√° dificil e desmotiva alguns, mas n√£o desmotivar √© o que te torna diferente e faz ser visivel a diferen√ßa s√≥ de olhar pra voc√™.
-Tenha boas refer√™ncias. Considerando a era que estamos √© quase certeza que seu facebook vai ser visto. Nenhum empresa quer um funcion√°rio que posta conte√ļdo racista e agressivo, um detalhe particular que minha empresa se encaixa √© que ela corta automaticamente quem posta que bebe demais domingo a noite. Pois j√° tivemos v√°rios problemas com funcion√°rios faltando segunda feira por estar "com dor de cabe√ßa".
-Empregos com insalubridade. Algumas pessoas podem ter receios mas boa parte deles tem uma demanda alta por novos funcionários e seguindo todas normas de segurança, você não vai ter risco algum ou quase nulo. Além do adicional que pode variar de 10 a 40%. Vale lembrar que isso não se aplica a todas as vagas.
-Saiba com quem falar. Observe a empresa, quando for entregar um curr√≠culo abra o site dela no celular, da pra ter no√ß√£o do tamanho s√≥ de ver as fotos ou se a mesma nem tiver um site. Se for uma empresa pequena, tente falar diretamente com algu√©m respons√°vel, seja simp√°tico mas n√£o force a barra, pois as pessoas costumam estar ocupadas, mas com sorte elas tem ali 1~2 minutos pra falar com voc√™. N√£o esque√ßa de agradecer pela pessoa pegar o curr√≠culo ao menos olhando ela nos olhos e n√£o aquele "bigado" j√° saindo andando.Isso √© muito mais f√°cil em coisas do tipo mec√Ęnica, eletricista, borracharias e outros com√©rcios com trabalho mais puxado, pois costumam ter poucos funcion√°rios e geralmente √© s√≥ o dono e mais um ou dois.
-Olhe o crachá das pessoas. Caso entregue um currículo ou qualquer coisa do tipo pra uma recepcionista, porteiro ou afins, olhe o crachá da pessoa se possível e diga "bom dia, fulano", "obrigado fulano" e "conto com você fulano" quando se despedir. Isso cria um vínculo mesmo que leve e a pessoa vai se lembrar melhor. Além do psicológico do "conto com você" dar uma motivação extra involuntária. Tratar as pessoas como pessoas e não como uniformes ajuda bastante.
-Pegue empregos indesejáveis. As vezes você se formou em algo como ciência da computação mas só tem emprego vago no McDonalds? Paciência, emprego é emprego, e as contas não perguntam de onde vem o dinheiro mas tem que ser pagas de qualquer forma. Não é humilhação servir os outros, e é algo que até mesmo diretores de empresa tem que fazer as vezes.
-Está dificil, mas não impossível. Você procurou em todos lugares? tem disponibilidade pra ir pra longe? foi em LITERALMENTE todos os lugares possíveis? Ficou de olho naquele Subway ou Burguer King que acabou de inaugurar? viu algum canteiro de obras mais informal ou alguém construindo uma casa num bairro afastado? Vale a pena dar uma conferida, o que você tem a perder?
-Seja oportunista da forma certa. Pode parecer pesado mas infelizmente se alguém sai, outro precisa entrar. Se alguém perder o emprego existe uma boa chance de a vaga dessa pessoa estar disponível. As vezes não era o perfil dela, ou ela arranjou algo melhor. Vale a pena falar com a pessoa se tiver a abertura pra isso.,meu cunhado arranjou um trabalho de garçom após ir na despedida de um amigo que foi morar no exterior dessa forma.
Dicas pro currículo:
-Adicione o campo de estado civil e idade. As vezes uma empresa pode querer um perfil de funcion√°rio espec√≠fico. Minha empresa contratou um jovem essa semana pois precisavamos de pessoas dispostas a aprender um trabalho do zero que n√£o da pra aprender em cursos por a√≠. Ent√£o n√£o podiamos pegar ningu√©m mais velho pra n√£o trazer v√≠cios de outros empregos. Por outro lado, pra uma fun√ß√£o de maior confian√ßa, a contrata√ß√£o foi de um pai de fam√≠lia pois por ele ter dependentes, ele arriscaria menos tomar decis√Ķes que pudessem causar uma demiss√£o. Se est√° certo ou errado eu n√£o sei, mas eu sei que na hora de desempatar s√£o coisas que contam.
-Se você não tem vícios, escreva "Sem Vícios". Mas não faça isso se você bebe/fuma/usa drogas, pois quando descoberto pode causar vários problemas. Algumas empresas que trabalhei tem isso como um diferencial na hora de desempatar. Minha empresa por exemplo trabalha com produtos inflamáveis então se você fuma, seu "intervalo" pra isso acaba sendo maior por precisar sair das dependências dela pra isso por exemplo.
-N√£o encha lingui√ßa. Aqueles campos que o povo adiciona objetivos, seja direto e claro. N√£o fique com textinho "Garanto desempenhar minhas fun√ß√Ķes com dedica√ß√£o e bla bla bla" Porqu√™ n√£o adiciona em nada e 90% dos casos sabemos que voc√™ nem l√™ aquilo, quanto mais n√≥s.
-Saiba destacar seus pontos fortes. Se voc√™ tem hor√°rios flex√≠vel, consegue trabalhar sob press√£o, pontualidade e afins, adicione em um campo com seus talentos. N√£o force a barra pra n√£o parecer exagerado, apenas 2 ou 3 pontos que voc√™ enxerga em voc√™. Um dos maiores diferenciais em alguns empregos em empresas um pouco maiores que pode colocar √© "facilidade em observar solu√ß√Ķes pra problemas comuns" caso voc√™ de fato consiga fazer isso (e n√£o seja pau no cu com isso caso contratado, saiba falar).
-Muitos empregos curtos em sequência sem crescimento mancham seu currículo. Como vão contratar alguém que ficou 6 meses em cada lugar, 4 lugares diferentes seguidos, em empregos "de entrada/mínimos"? Se você não conseguiu manter um emprego além do período necessário pra coleta de benefícios do governo, em alguns lugares isso pode afetar. Me lembro de ver um currículo uma vez e dizer "caraca, esse cara tem muito experiência" e o dono só comentar "ele tem é pouca estabilidade... olha a data de entrada e saída de cada lugar que trabalhou e o tempo de intervalo entre eles." Cada caso é um caso mas isso pode influenciar.
-Se voc√™ est√° disposto a trabalhar fora da sua √°rea, marque isso no curr√≠culo. E omita algumas qualifica√ß√Ķes que n√£o adicionam muito, dito isso;
-Tenha 2 currículos diferentes. Um pra sua área de formação/pretenção e um pra uso geral. No de uso geral você não vai adicionar "domínio de javascript" por exemplo pois um chefe de padaria não vai nem saber que porra é essa e vai achar que você é um universitário super caro e não alguém desesperado. Saiba quando e onde entregar cada currículo.
-Sempre tenha um currículo quando possível. Nunca se sabe quando você vai dar um rolê no shopping com alguém e vai ver um "procura-se". Não é vergonha aproveitar uma chance, e se estiver com um namorado(a)/marido/esposa/etc , ela deveria dar total apoio pra você aproveitar uma parada rápida. Está com mochila/bolsa? Curriculo dentro.
-Se você tem filhos, adicione "Casado, com filhos". Isso aumenta em alguns casos a questão da confiança de você querer manter o emprego, e em um eventual corte (como já ocorreu em um emprego anterior) o patrão falou "já que vamos cortar, corta quem não tem filhos antes..." Já me disseram que isso é ilegal mas independente disso, PODE acontecer.
-Mantenha o currículo em bom estado, sem amassados, com escrita decente, fonte clara (Arial ou Verdana) e sem firulas demais.
-Se inscreva em agências regionais e sites,mas não se prenda a eles.
-Quanto mais tempo você fica parado, mais dificil é arrumar trabalho, tenha isso em mente e não desista, não é impossível.
Dicas pra entrevista
-Não se atrase. E não adianta reclamar que o entrevistador atrasou ou como isso é injusto. Ele também tá errado mas ele já ta com o dele garantido. E você nunca sabe o motivo pelo atraso. Eu mesmo já atrasei uma entrevista em 40 minutos pra resolver um problema urgente de um cliente que trouxe uma economia de 300 mil pra ele. Você vale 300 mil pra empresa? O candidato perdeu a vaga por surtar com o atraso.
-Se vista adequadamente, fale adequadamente, seja simpático e sincero. Não force ou seja falso só seja você mesmo. Uma dica é falar como se estivesse falando com um professor que está corrigindo sua prova. Ele não tem motivos pra ter raiva de você mas ele espera seu melhor pois ele quer você ali, se tudo começar a sair uma merda, ele não vai ter interesse.
-Não dê respostas prontas pra perguntas prontas, não tente aumentar histórias, ser inconveniente ou enrolar o cara. pra cada entrevista que você vai o entrevistador faz 10x mais e vai te bater por simples experiência. Não diga que sabe algo que não sabe.
-As vezes ele n√£o vai com sua cara, e n√£o vai te contratar, as vezes por bons ou maus motivos. Mantenha a porta aberta e seja educado ainda assim, e "te ligamos" n√£o √© um n√£o disfar√ßado sempre. As vezes a pessoa tem mais de uma boa op√ß√£o e precisa analisar as op√ß√Ķes.
-Se prepare. pesquise a empresa, o site, leia relatos em sites como Glassdoor e LinkedIn, saiba sobre o lugar que vai trabalhar. Você vai passar ao menos 1/3 do seu dia lá dentro.
Dicas após contratado:
-Não se atrase, não falte, não enrole, faça seu trabalho. Não tente ser esperto, não vacila!
-Não é porque existe "atestado médico" que a direção é troxa e não sabe que você está abusando. Use com bom senso pra não ficar queimado.
-As vezes voc√™ vai fazer coisas que n√£o s√£o da sua √°rea. Isso faz parte e muitas vezes n√£o √© ideal, mas 5 minutos a mais no fim do dia quando voc√™ v√™ seu chefe carregando algum material urgente ou precisando imprimir alguma coisa e levar em outro setor urgente n√£o v√£o te custar nada e d√£o destaque. S√≥ n√£o pode ser algo di√°rio, mas em exce√ß√Ķes √© o que faz a diferen√ßa.
-Aprenda sobre o trabalho dos outros. Se você tem flexibilidade pra andar por outros setores, falar com funcionários (falar, não enrolar), observe o trabalho, pergunte como faz, se mostre interessado. Ajude o setor que empacota a fechar caixas, passa durex, da uma força. São esses funcionários que fazem a diferença. Vale lembrar que isso não se aplica a todas vagas ou lugares. Na empresa onde trabalho a moça que entrou com salário de 700 reais como recepcionista 15 anos atrás hoje é a administradora geral que cuida de todo escritório, RH e financeiro, e tem salário de mais de 6000 só com uma graduação de adm, e um dos pontos que ela sempre comentou foi "no final do dia eu anotava tudo que fiz no dia em um caderno e tudo que ia ter pendente no dia seguinte, assim eu sempre sabia o que precisava e um dia tinha uma informação crítica aqui que passou despercebido por uma das vendedoras. Fui promovida na hora".
-Nunca dê 100% de si, dê 90%. Assim quando a empresa passar por uma correria, ou aperto, você pode dar 100% sem se desgastar e pode fazer a diferença.
-Aproveite as oportunidades de horas extras quando puder. Além do dinheiro extra, você se mostra alguém comprometido.
-Não fique pendurado no celular, enrolando no banheiro, ou fazendo coisas que claramente você perde tempo. Ninguém é burro de não perceber a longo prazo. Caso tenha necessidade disso por emergência ou dor de barriga, discretamente comente com um superior ou alguém responsável como "nossa, comi alguma coisa que pesou, seloco" ou algo do tipo. Ou se está esperando o contato de alguém importante.
-Siga as regras. Não roube materiais da empresa pois você vai se queimar nela e em várias oportunidades futuras. Não assedie os/as colegas de trabalho, não importa o quão bonito/a ele/a seja. Mantenha o profissionalismo (E se a empresa autoriza relacionamento entre funcionários E for reciproco, mantenha fora do local de trabalho).Não grite por mais que seu chefe grite ou aja igual babaca, mantenha o nível, saiba respeitar e exija respeito.
Dicas de bons empregos pra se procurar:
-Professor de Ingl√™s : boa parte do reddit ao menos tem um ingl√™s razo√°vel. Se voc√™ consegue falar bem e explicar a um n√≠vel aceit√°vel, Escolas de ingl√™s SEMPRE est√£o procurando professores. E eles v√£o te treinar totalmente sobre como fazer isso. Escolas mais fuleiras (como a DataByte ou Microlins) costumam pagar entre 10 e 15 reais a hora, e em minha entrevista ele estava t√£o desesperado que n√£o tinha ningu√©m pra fazer a entrevista em ingl√™s e s√≥ pediu pra ler 2 paginas de um livro e j√° era. Em escolas intermedi√°rias (PBF, CNA, etc) o sal√°rio pode ser de 12~18 reais por hora (alguns sendo registrado por dias, como empregos convencionais) e a entrevista geralmente √© um teste escrito e uma curta conversa. Em escolas de mais nome (Cultura Inglesa, Wizard-onde trabalhei-) O sal√°rio inicial √© na faixa de 18~19 reais a hora, ap√≥s 6 meses se dedicando √© normal te darem turmas pra cargas de at√© 100~120 horas mensais caso voc√™ tenha interesse. Isso sem experi√™ncia anterior, sem certificado ou requisitos absurdos, s√≥ saber falar e explicar, e eles ainda te d√£o curso/treinamento completo caso precise sobre postura em sala, lideran√ßa e afins. Quando sa√≠ de l√° ap√≥s 4 anos j√° tinha sal√°rio de 26 reais a hora, MUITOS contatos com ex alunos, colegas e pessoas legais e ajudou muito no crescimento profissional. Nada mal pra um emprego que n√£o exigiu experi√™ncia, todo semestre tinha 2~3 contrata√ß√Ķes e um ambiente extremamente aconchegante e animado de trabalho(por√©m puxado). Muitos colegas tiveram seu primeiro emprego l√° e acabaram pegando amor pelo trabalho e hoje s√£o excelentes professores. Fa√ßa um simulado de TOEIC online e se voc√™ acertou 60~70%, muito provavelmente voc√™ j√° tem o n√≠vel necess√°rio pra dar aula, ao menos da l√≠ngua. Al√©m de desenvolver MUITO meu vocabul√°rio com detalhes novos, eu e outros professores n√£o tinhamos problema algum em tirar duvidas bobas ou formas de explicar pra colegas menos experientes.
-Lanchonetes de fast food: Não preciso nem dizer pois é o emprego de entrada, quase sempre tem vagas, mas é um trabalho miserável, porém da pra pagar as contas.
-Aux de Enfermagem: Involve um custo inicial pra estudar, mas tem muita oferta de trabalho em UPAS (eles terceirizam alguns funcion√°rios pela rotatividade alta), √© um trabalho DOENTE de puxado mas rende um sal√°rio bom geralmente em escala 12/36. Al√©m de te dar experi√™ncia invejavel pra area da sa√ļde. Vale a pena se voc√™ n√£o sabe o que quer da vida e tem vontade de entrar nessa √°rea.
Técnico em Química: Isso depende muito da região mas minha empressa é dessa área, e sofremos MUITO, MUITO MESMO com a falta tanto de profissionais qualificados quanto de gente começando na área. Já tivemos funcionarios com seus 19 anos, que oferecemos pra PAGAR os estudos pra ele subir de cargo da expedição pro laboratório e ele não quis por "ser complicado", não é um curso fácil mas não é um bixo de sete cabeças. A técnica mais antiga aqui tem salário de 5000 reais e não tem faculdade. Inclusive vale analisar que alguns cargos da area simplesmente não tem um curso preparatório e precisam ser aprendidos em campo e com o tempo, então tudo nessa area tem uma boa perspectiva de carreira.
Empregos "Trades": Encanador, Eletricista, Mec√Ęnico e afins de qualidade sempre est√£o em falta. E muitos deles est√£o abertos a ter um "aprendiz", se voc√™ as vezes tem seus 15~16 anos, e conhece algum daqueles pequenos de bairro, ofere√ßa pra ficar 2~3 horas depois da aula alguns dias s√≥ pra aprender como √©, s√£o empregos que pagam bem e tem falta de bons profissionais. Al√©m de abrir uma porta pro futuro.
Bom √© isso ai, espero que seja √ļtil pra alguns de voc√™s, qualquer duvida posso tentar responder aqui e desejo boa sorte na ca√ßada de 2020!
submitted by exsoldierakechi to brasilivre [link] [comments]


2019.12.29 03:12 altovaliriano Asha Greyjoy

Asha √© a terceira crian√ßa e √ļnica filha mulher de Balon Greyjoy e Alannys Harlaw. Ela era um crian√ßa que n√£o chamava a aten√ß√£o, mas cresceu para se tornar uma mulher atraente e ousada, que n√£o gostava da id√©ia de se tornar esposa de um Senhor, mas titular do direito √† Cadeira de Pedra do Mar.
Quando Theon deixou as Ilhas de Ferro, a imagem que tinha de Asha era uma garota com ‚Äúum nariz que mais parecia um bico de abutre, uma colheita madura de espinhas, e n√£o tinha mais peito do que um rapaz‚ÄĚ (ACOK, Theon II). Mas nenhum tipo de observa√ß√£o √© feita sobre seu comportamento. N√£o que Theon seja particularmente bom em observar ou julgar car√°ter. Mas ele √© pego de surpresa quando Tio Aeron lhe apresenta a perspectiva de que Asha poderia estar na linha de sucess√£o:
‚Äď Ambos os meus irm√£os est√£o mortos. Sou o √ļnico filho sobrevivente do senhor meu pai.
‚Äď Sua irm√£ est√° viva ‚Äď Aeron nem sequer ofereceu a Theon a cortesia de um relance.
Asha, Theon pensou, confuso. Era três anos mais velha do que ele, mas, mesmo assim…
‚Äď Uma mulher s√≥ pode herdar se n√£o houver nenhum herdeiro var√£o em linha direta ‚Äď ele insistiu em voz alta. ‚Äď N√£o aceitarei que me privem dos meus direitos, aviso.
O tio soltou um grunhido.
‚Äď Avisa um servo do Deus Afogado, rapaz? Voc√™ se esqueceu mais do que pensa. E √© um grande idiota se acredita que o senhor seu pai algum dia entregar√° estas ilhas sagradas a um Stark. E agora cale-se. A viagem j√° √© suficientemente longa mesmo sem a sua tagarelice de pombo.
(ACOK, Theon I)
Olhando em retrospectiva, este é um diálogo que faz pouco sentido. Aeron se recusa a aceitar a pretensão de Asha em razão de seu sexo e não é o tipo de homem que faria joguinhos psicológicos com Theon. Talvez seja uma sinalização que Martin inicialmente pensava em armar menos resistência à sucessão de Asha. Talvez a idéia seria que ela assumisse o trono durante o (abandonado) salto temporal de 5 anos depois de Tormenta de Espadas e que Euron reapareceria para destroná-la.
De toda forma, Asha cresceu sem irm√£os, mas foi criada pela m√£e ‚Äúpara ser ousada‚ÄĚ (AFFC, A Filha da Lula Gigante) e ainda menina era vista ‚Äúatirando machados em uma porta‚ÄĚ (AFFC, O Capit√£o de Ferro). Portanto, Asha desde cedo j√° podia ser contada como parte do seleto grupo de mulheres das Ilhas de Ferro que ‚Äútripulavam os dracares com seus homens, e dizia-se que o sal e o mar as modificavam, dando-lhes os apetites de um homem‚ÄĚ (ACOK, Theon II).
A m√° apar√™ncia, por√©m, √© algo que atormentou Asha durante o crescimento. De fato, durante a adolesc√™ncia, a filha da Lula Gigante teve um curto romance com Tristifer Botley que, segundo Asha, provavelmente foi iniciado porque ambos tinha rostos ‚Äúatormentados por espinhas‚ÄĚ (Botley era um dos cinco protegidos da m√£e de Asha, Alannys Harlaw, trazidos a Pyke para substituir os filhos perdidos com a Rebeli√£o Greyjoy de 287 DC). O affair foi descoberto e Botley foi enviado de volta para Fidalporto. Mas a coincid√™ncia que aconteceu foi que ambos os adolescente complexados pelas acnes se tornaram adultos bonitos.
Quando conhecemos Asha em A F√ļria dos Reis, GRRM demonstra a beleza de Asha fazendo com que Theon, sem saber que estava falando com a irm√£, sinta-se imediatamente atra√≠do por ela. O modo como Asha engana Theon revela como a garota sem predicados que ele conheceu na inf√Ęncia se tornou uma mulher independente e muito mais preparada para liderar com os Homens de Ferro do que ele.
O entrosamento entre Balon e Asha √© tang√≠vel nos livros, de modo que o Rei Greyjoy n√£o faz qualquer ressalva ou reserva sobre sua capacidade e direitos. Obviamente, a perspectiva de ser descartado em prol da irm√£ √© o que acende o fogo do ci√ļme e vaidade de Theon, levando-o a tomar Winterfell.
Por√©m, o que Theon deixa passar despercebido √© que Asha, por debaixo da persona arrogante, se deu ao trabalho de vir a Winterfell para tentar dissuad√≠-lo. Caso a rela√ß√£o de ambos tivesse come√ßado em outro p√©, talvez Theon n√£o teria confundido a defer√™ncia com uma tentativa de ecarnec√™-lo ou separ√°-lo de seu pr√™mio (o castelo dos Stark). √Äquela altura este era at√© um erro desculp√°vel da parte de Theon, pois at√© o leitor n√£o entendia perfeitamente as inten√ß√Ķes da irm√£ de Theon.
Quando Asha se torna POV em O Festim dos Corvos, entretanto, a pessoa que vemos é substancialmente diferente do que pensávamos. Asha é uma pessoa estranhamente sentimental.
Algu√©m que revela ter partido para a guerra com o ‚Äúcora√ß√£o pesado‚ÄĚ em deixar a m√£e para tr√°s porque temia que ela morresse em sua aus√™ncia. Algu√©m que, apesar do discurso b√©lico e entrosamento com o pai, ‚Äúsempre se sentira em casa em Dez Torres, mais do que em Pyke‚ÄĚ. Que dentre tantos modelos masculinos em seus tios paternos, preferia seu tio materno, Rodrik Harlaw, considerado menos viril, mas mais inteligente e melhor administrador. Algu√©m que, apesar de gostar de amores selvagens, importa-se com os sentimentos rom√Ęnticos de Tristifer Botley, a ponto de querer proteg√™-lo dela mesma ao inv√©s de simplesmente enxot√°-lo.
Em verdade, é curioso o efeito que o amor meloso de Tristifer tem sobre Asha. Na juventude, ela chegou a nutrir sentimentos por ele, mas algo mudou. Porém, mais do que simplesmente desapontada pela falta de ousadia de Botley, Asha foi acossada por uma investida diferente do rapaz:
[...] chamara aquilo de amor, at√© Tris come√ßar a falar dos filhos que ela lhe daria; pelo menos uma d√ļzia de filhos, e, oh, algumas filhas tamb√©m.
‚ÄúN√£o quero uma d√ļzia de filhos‚ÄĚ, dissera-lhe, aterrorizada. ‚ÄúQuero ter aventuras.‚ÄĚ
(AFFC, A Filha da Lula Gigante)
Alguém poderia arguir que o terror de Asha era simplesmente o medo do compromisso. Afinal, Asha estava carregando o peso de ser herdeira de Balon e não poderia se ver ligada a um segundo filho delicado como Tristifer. Contudo, o contexto no qual essa afirmação foi é revelador. Asha parece estar aterrorizada com a perspectiva de ter filhos.
A julgar pelo histórico de Asha, ter filhos é provavelmente um empreendimento a ser evitado. Sua mãe teve cinco filhos e a perda de 4/5 deles a transformou em outra pessoa. Uma pessoa fraca:
Alannys Harlaw nunca teve o tipo de beleza que os cantores apreciavam, mas a filha adorava seu rosto feroz e forte e o riso em seus olhos. Naquela √ļltima visita, por√©m, encontrara a Senhora Alannys num banco de janela, aninhada debaixo de uma pilha de peles, de olhos fitos no mar. Isto √© a minha m√£e, ou o seu fantasma?, lembrava-se de ter pensado ao beij√°-la no rosto.
(AFFC, A Filha da Lula Gigante)
Esta constata√ß√£o √© interessante por conta dos √ļltimos acontecimentos em A Dan√ßa dos Drag√Ķes. Asha Greyjoy tem um relacionamento brutal com um rapaz de apar√™ncia delicada, com quem ela transa antes de Stannis invadir e tomar Bosque Profundo. Asha estava √† procura do meistre do castelo para tomar ch√° da lua e evitar engravidar de Qarl, mas a invas√£o faz com que ela se esque√ßa da situa√ß√£o. Portanto, h√° uma possibilidade de que Asha esteja gr√°vida de Qarl, o Donzel.
Caso essas suspeitas tenham algum fundamento, algumas implica√ß√Ķes pr√°ticas e narrativas envolvem:
  1. A pretens√£o deste filho de Asha √† Cadeira de Pedra do Mar pode ser considerada mais qualificada do que a de Euron. ‚ÄúFilhos do sal podiam at√© mesmo ser herdeiros quando um homem n√£o tinha filhos leg√≠timos com sua esposa da rocha‚ÄĚ (TWOIAF, As Ilhas de Ferro);
  2. Asha teria que enfrentar a temida gravidez durante o inverno do Norte;
  3. A lealdade cega de Tristifer Botley pode vir a calhar muito para Asha durante a gestação.
A questão é que Asha, mesmo que Asha decida levar esta gestação adiante, qualquer oposição ao Olho de Corvo, pedindo uma nova Assembléia de Homens Livres levaria necessariamente à guerra. Se esta não era uma perspectiva que agradava Asha em O Festim dos Corvos (ela fica feliz ao saber que Aeron convocou uma Assembléia), será uma perspectiva ainda menos atraente em Os Ventos do Inverno.
Declara√ß√Ķes de GRRM
Perguntas
  1. Por que Aeron citou Asha como pretendente à Cadeira de Pedra do Mar em ACOK, mas a rejeitou em AFFC?
  2. Por que Asha tem mais afinidade com Tio Rodrik Harlaw do que com Balon Greyjoy?
  3. Asha realmente teme a gravidez em raz√£o do que aconteceu com sua m√£e?
  4. Asha deveria ter aceitado a proposta de Rodrik Harlaw e desistido da Cadeira de Pedra do Mar para se tornar herdeira de Dez Torres?
  5. Asha est√° gr√°vida de Qarl o Donzel?
  6. Um filho de Asha poderia ter direito a Cadeira de Pedra do Mar? A pretens√£o seria melhor do que a de Euron?
  7. Você vê paralelos entre Asha Greyjoy e Rhaenyra Targaryen?
submitted by altovaliriano to Valiria [link] [comments]


2019.11.07 03:25 Mustafasustenido Completei 30 anos, virei mago e isso me abalou profundamente

Caros colegas redditors.
Buscarei a melhor forma de contar essa história aqui e farei um TL;DR no fim, mas tentarei não deixá-la massiva.
Então... venho de uma família classe média alta onde o que mais tive foi amor e carinho.
Em minha adolescência viajei bastante pelo mundo com minha família, estudei em uma escola excelente, fiz muitos amigos (alguns hoje são meus irmãos de vida) e posso dizer que foi o melhor período de minha vida.
Por√©m nunca consegui me relacionar com nenhuma mulher. Terminei o ensino m√©dio sem nunca ter dado um beijo. S√≥ tendo encostado na m√£o de uma menina 1x e passando por dezenas de rejei√ß√Ķes (perdi as contas da quantidade de vezes que me apaixonei e n√£o fui correspondido).
Sei que isso, em partes, se explica pelo fato de eu ter sido o ser humano mais magro (com sa√ļde) que j√° conheci. Sem entrar em muitos detalhes meu IMC era por volta 13, eu era literalmente s√≥ o osso. Mais de 1,80m e menos de 50 kg (muito tempo depois descobri que √© simplesmente a gen√©tica, mesmo malhando existe uma barreira pra meu peso e cada segundo de sedentarismo me faz emagrecer), exames perfeitos. No fim da adolesc√™ncia entrei pra academia e consegui um corpo magro normal, por√©m o estrago na minha autoestima j√° estava feito (apesar de eu ter convic√ß√£o que a qualquer momento, naturalmente, as coisas aconteceriam e eu acharia alguma menina pra me relacionar).
Passei em uma das melhores faculdades do pa√≠s, no curso que eu queria, sa√≠ de casa pra morar sozinho e estudar, tinha tudo pra minha vida continuar as mil maravilhas, mas encontrei meu primeiro problema. O local de estudo s√≥ tinha homens e, como eu n√£o era muito de sair, me bateu um grande desespero de continuar BV por muito tempo, j√° que n√£o teria contato com mulheres... Enfim, uma depress√£o apareceu e fiquei quase 2 anos praticamente na rotina casa-faculdade-casa (al√©m de minha fam√≠lia ter colocado quase uma bab√° em minha casa, pra que eu pudesse ficar mais relaxado). Foi com sobras o pior per√≠odo de minha vida, em momentos de crise n√£o conseguia comer praticamente nada, em momentos normais eu tinha que empurrar cada refei√ß√£o. Voltei pra um estado de muita magreza (IMC 14,5), parei de fazer atividades f√≠sicas... minha fam√≠lia percebia pouco porque, al√©m da dist√Ęncia, meu desempenho continuou excelente. Meus amigos de inf√Ęncia estavam em outras cidades e meus amigos da faculdade n√£o pareciam notar nada (at√© porque j√° me conheceram nesse estado).
Consegui come√ßar a superar essa situa√ß√£o depois de um grave problema de sa√ļde na fam√≠lia. Entendi que nada do que eu sentia se justificava com tanto sofrimento que eu estava vendo daquele ente querido pr√≥ximo a partir. Tanto que, depois da sua morte meus pensamentos voltaram a funcionar quase que normalmente (algumas reca√≠das de vez em quando) e voltei a ter aquela certeza adolescente que a qualquer momento naturalmente eu ia encontrar uma parceira.
Resumindo bastante, terminei a faculdade e comecei a trabalhar numa das maiores empresas do país, em uma cidade média do Brasil. Em pouco tempo eu assumi uma função de gestão e hoje estou quase no topo da carreira. Além disso dou palestras periodicamente para centenas de pessoas e ministro um curso noturno na área em que sou referência. Minha remuneração é o equivalente a 1 carro popular a cada 2 meses.
Ah... n√£o possuo redes sociais
O que vou falar agora pode ficar parecendo querer me "gabar", mas é só pra enaltecer a gravidade da situação e o quanto tudo pesa em mim.
Meu modelo de gest√£o virou refer√™ncia na empresa (e no mercado em geral), por criar uma equipe "fam√≠lia" (tenho muita facilidade em analisar perfis de pessoas e criar ambientes de trabalho que funcionam de maneira leve), os funcion√°rios da empresa simplesmente me vangloriam pela forma como eu levo as coisas e resolvo as situa√ß√Ķes. Um dia desses um antigo auxiliar de servi√ßos gerais (o qual sempre incentivei [verbalmente e financeiramente] a terminar o curso que estava fazendo) que conseguiu vaga de assistente administrativo em outra empresa veio pessoalmente me agradecer (at√© uma lembran√ßa me deu, que guardo com bastante carinho) por conta dos ensinamentos que passei pra ele, que, segundo o mesmo, "foram de grande import√Ęncia para o crescimento na carreira dele".
Dou palestra pra centenas de pessoas por m√™s, pra falar sobre a √°rea que domino e est√° em ascens√£o em todo o mundo. As palestras tem sido um sucesso, e a plateia aumenta a cada ciclo. Sempre tive muita facilidade pra falar (e prender a aten√ß√£o das pessoas) em p√ļblico.
Minhas aulas noturnas também correm de maneira bastante positiva. Sempre tive prazer em ensinar e ver o aprendizado de cada estudante (principalmente os que mais tem dificuldades) me dá uma sensação de dever cumprido muito grande.
Al√©m disso tudo sou multi-instrumentista. A m√ļsica √© parte de mim e sempre quis compartilhar com o m√°ximo de pessoas poss√≠vel. Dessa forma, sou um dos fundadores (e professor) de um projeto comunit√°rio com objetivo de transformar a vida das pessoas de uma maneira efetiva.
Dito isso, volto pra o ponto do desabafo do tópico.
Completei 30 anos, sou BV e, obviamente, virgem e isso vem me destruindo a cada dia que passa. Todas as pessoas próximas a mim já tem família, ou pelo menos namoradas sérias/noivas e eu mal encostei na mão de uma mulher.
Analisando friamente (uma das minhas maiores virtudes s√£o as autocr√≠ticas) sou um homem nota 7 de rosto (sei que nos achamos mais bonito do que o que somos, mas j√° descontei uns pontos, risos) e 3 de corpo. (recentemente estava melhor de corpo mas ansiedade que venho sentindo nos √ļltimos meses vem me corroendo, e tenho total consci√™ncia que n√£o posso por a desculpa dos meus insucessos integralmente no meu corpo)
Ninguém sabe que sou BV e meus dois amigos mais próximos sabem que sou virgem.
Mensalmente recebo a sugestão de procurar uma prostituta, mas meu EU me diz que isso seria a maior prova que sou incapaz de conseguir um primeiro beijo com uma moça que gostasse de mim de verdade (e nem sei se é recomendado beijar prostitutas, risos).
Meus amigos j√° tentaram me "armar" com conhecidas em festas, mas nas duas vezes que isso aconteceu notei que as mo√ßas n√£o queriam e nem tentei for√ßar a barra. Acabei saindo das situa√ß√Ķes muito pior do que antes, sentindo a rejei√ß√£o na pele mais uma vez. Sabe aquela facilidade pra falar em p√ļblico? Isso desaparece integralmente em contatos sociais diretos com muitas pessoas do sexo feminino (principalmente em festas, que nunca gostei e hoje em dia mal vou, a n√£o ser as do trabalho ou quando fa√ßo parte da banda). Na verdade ir em festas no geral me cansa MUITO, vou uma vez por ano, depois de muita insist√™ncia dos amigos, porque sei que vou ficar l√° 5-6h com cara de paisagem, sem despertar o interesse de nenhuma mulher random por conta de n√£o conseguir ter a m√≠nima postura e n√£o ter um corpo t√£o legal pra gerar interesse numa numa festa.
Tenho total convic√ß√£o que, se eu fosse uma mulher, jamais pegaria um cara inibido como eu num ambiente de festa, eu simplesmente me reduzo a um pedacinho de nada, sei que isso √© muito por conta da baixa autoestima devido ao meu corpo e √†s rejei√ß√Ķes femininas que sofri na adolesc√™ncia.
Minha rotina hoje em dia se resume basicamente a:
Trabalhar de segunda à sexta o dia todo (e noite), tento ler algo pra relaxar;
Sexta à noite (pelo menos a cada 15 dias) saio com meus amigos (e suas esposas) pra um barzinho;
S√°bado trabalho mais um pouco, assisto futebol e vou dar aula de m√ļsica para o pessoal no projeto;
Domingo passo o dia feliz com minha família, à noite vou à missa pra relaxar um pouco o espírito e me preparar para a semana.
Sinto um pouco de tristeza principalmente ao escrever que passo o "domingo feliz" com minha família, com um toque de desdém. Porque realmente tinha tudo pra ser algo perfeito, mas meu EU interno já passa cada minuto, em cada uma dessas atividades, pensando no quanto de vida eu perdi por chegar aos 30 anos sem ter me relacionado com uma mulher e saber que esse tempo não volta atrás nunca.
Saber que jamais vou ter uma namoradinha aos 15 anos, conhecer aos poucos e sem maiores press√Ķes como um relacionamento funciona. Ir de m√£os dadas ao shopping, assistir um filme, trocar palavras, olhares... Cada vez que penso nisso parece que uma parte de mim fica pra tr√°s, n√£o consigo exprimir com palavras o vazio que isso me faz sentir.
O estopim para que eu resolvesse desabafar e (com fé em Deus) procurar ajuda profissional foi o seguinte:
A empresa √© composta majoritariamente por homens e mulheres de mais idade, mas possui algumas estagi√°rias e o pessoal sempre me fala na resenha (n√£o sei at√© que ponto √© resenha [na verdade eu sei que n√£o √© resenha]) que elas fazem de tudo pra se envolverem comigo (lembra aquela hist√≥ria de que sou bom pra tra√ßar perfis de pessoas e montar equipes? Pois √©, quando o assunto √© relacionamento com mulheres eu n√£o sei interpretar os sinais mais b√°sicos). Obviamente eu jamais me envolveria com uma estagi√°ria (at√© mesmo uma ex-estagi√°ria), por raz√Ķes profissionais, mas j√° recebi muitos "convites" via Whatsapp, que acabo levando na brincadeira pra n√£o queimar minha reputa√ß√£o.
Enfim, recentemente chegou o ponto que resolvi que meu psicológico era mais importante do que meu medo de "me queimar" e comecei a conversar com uma estagiária (10 anos mais nova e de família humilde[claro que não ligo pra isso, só estou dizendo aqui pra que você me ajudem a interpretar a situação depois]) que já estava terminando o contrato e ia ser efetivada em outra cidade. A iniciativa foi minha (e isso me fez ter ainda mais vontade de que desse certo), mas, mesmo sendo um poste, eu sempre notei a forma que ela me olhava, sorria e nas conversas que tivemos nossas ideias se batiam muito, além de ela me atrair fisicamente e ser bastante inteligente.
Começamos a conversar diariamente via Whatsapp (evitávamos contato pessoal por conta do ambiente da empresa). Pouco antes do contrato dela acabar surgiu o momento e falamos mutuamente do que sentíamos, dos problemas que isso podia trazer pra vida profissional, mas acabamos concordando que valeria a pena tentar algo. Um tempo depois resolvi chamá-la pra sair e ela aceitou, mas veio com uma conversa que não era pra eu criar expectativas e que ela "não era fácil" (com outras palavras mas em resumo era isso). Confesso que achei meio estranho, há pouco tempo havíamos nos aberto um para o outro, mas não entendo nada de mulheres mesmo, então vamos seguir a história.
Tive o primeiro encontro da minha vida (sim, aos 30 anos, repito) levei ela pra jantar em um local que n√£o fosse o mais caro da cidade (pensei que ela se sentiria mais confort√°vel caso pudesse pagar o que havia consumido, se desejasse).
Saí de casa bastante nervoso, mas seguindo à risca tudo que os tutoriais on-line tinham me ensinado. Asseado, perfumado, bem vestido (como se eu já não vivesse assim...) e tentando o máximo possível ser simplesmente eu.
Chegamos ao local (um pouco preocupados que algum conhecido nos visse), mas a coisa fluiu t√£o naturalmente que, aos poucos o nervosismo foi passando. Aproveitamos o momento "livres" e conversamos sobre muita coisa ao longo de quase 3 horas (sem nenhuma for√ßa√ß√£o de barra, a coisa realmente acontecia de maneira espont√Ęnea), falamos um pouco sobre nossas vidas, nossos anseios, falamos mal das pessoas das mesas vizinhas... isso tudo com intensas trocas de olhares. Chegou um ponto que tomei coragem, segurei na m√£o dela e, pasmem, ela deixou. Fiquei ali de m√£os dadas com ela (foi uma das melhores sensa√ß√Ķes que j√° tive na vida), trocando car√≠cias e conversando por mais alguns minutos, quando decidi que era hora de sair e tentar algo.
Como j√° disse, antes do encontro eu estava muito nervoso, mas depois de todo aquele tempo com ela eu percebi que as coisas realmente iam acontecer de forma bastante natural.
Saí do restaurante abraçado com ela, fomos em direção ao carro (estava num local isolado), fiquei de frente com ela, falei 2 palavras e fui em direção ao meu primeiro beijo.
Ela simplesmente se virou e disse "na-não" (foi mais em forma de ruído de negação, mas achei melhor escrever assim), nesse momento não entendi mais nada (teria interpretado algum sinal de forma errada? Deveria insistir?).
Dei um abraço nela falei algumas palavras, tentei novamente e recebi mais uma rejeição.
Não soube o motivo (até agora não sei), mas preferi não insistir, demos um abraço demorado e levei ela pra casa, conversando sobre outras coisas.
Faz pouco tempo que isso aconteceu e ainda trocamos algumas palavras via Whatsapp. O que me deixa tranquilo é que eu pelo menos tirei a bunda da cadeira e tentei. Mas a frustração de mais uma rejeição é algo incomensurável pra mim. Não sei quando terei contato com outra mulher a esse ponto (estatisticamente eu tenho contato, com chances de dar algo, com uma mulher a cada 2 anos, e, é claro, nunca deu certo)
Com relação a esse encontro (eu queria até a opinião dos colegas redditores) eu trabalho com 3 hipóteses:
1 - Ela quer algo, mas n√£o quis se mostrar f√°cil/interesseira (como as outras estagi√°rias que mandam mensagens diretas pra mim por Whatsapp) e est√° esperando outro convite meu para que possamos sair novamente e finalmente ocorra algo;
2 - Ela n√£o quer mais nada por conta de uma das milhares de coisas que podem estar se passando na mente dela;
3 - Isso foi a prova de que meu corpo possui alguma subst√Ęncia n√£o identificada, incolor, inodora e ins√≠pida, que cria uma barreira contra mulheres.
Não sei se vale a pena insistir, estou tão frustrado que não consigo ter forças pra um contato mais direto (apesar de sentir muita falta das conversas com ela);
Pra finalizar, meu desespero hoje é tão grande que penso até em fazer uma rede social (coisa que nunca tive) só pra me "amostrar" (algo que é totalmente contra meu perfil). Mostrar meus carros, minha casa na praia, minhas viagens semanais, meus momentos com os amigos, sei lá, qualquer coisa que pudesse gerar alguma curiosidade sobre mim para as mulheres.Mas aí me olho no espelho e percebo que quando chegar a esse ponto eu realmente não estarei mais sendo eu e algo de muito errado (além do que já está se passando) estará acontecendo.
TL;DR: Homem, 30 anos, família perfeita, muitos amigos (alguns verdadeiros irmãos), trabalho dos sonhos, ótima situação financeira, porém BV e virgem.
Fazendo um resumo desde a adolescência:
Comecei a aprender sobre m√ļsica achando que com isso um relacionamento viria naturalmente (ao menos a m√ļsica virou uma paix√£o real em minha vida);
Comecei a fazer academia achando que com isso um relacionamento viria naturalmente;
Comecei a cursar um dos cursos mais concorridos do Brasil achando que com isso um relacionamento viria naturalmente;
Comecei a trabalhar e hoje ganho mais do que 99% da população brasileira achando que com isso um relacionamento viria naturalmente;
E não veio. Hoje não sei mais o que buscar ou a quem recorrer... A ansiedade (ou seria depressão?) está chegando a tal ponto que me vejo totalmente refém de alguns pensamentos que me atrasam bastante. Eu não consigo, por exemplo, passar mais de 15 dias (ou ir pra um lugar distante) longe da minha família/amigos próximos. Começa a bater um desespero (tipo os que eu sentia na depressão quando tinha 20 anos) e começo a pensar que eu poderia estar ali com uma companheira, aproveitando cada segundo. Já desisti de diversas viagens para fora do Brasil por conta disso. Coisa que fazia naturalmente na adolescência.
Sinto que a cada dia a bolha vai aumentando, a ponto de come√ßar a atrapalhar nos meus trabalhos e vida pessoal, viagens a trabalho para fora do estado est√£o se tornando um sofrimento (as consequ√™ncias de todos meus medos recaem sobre meu sistema digestivo), acordo √† noite desesperado com medo do dia de amanh√£, comecei a procrastinar algumas coisas e perder o tes√£o em diversas situa√ß√Ķes de prazer do dia a dia (n√£o consigo mais jogar videogame por achar que isso me torna ainda mais virgem e in√ļtil. A pr√≥pria masturba√ß√£o se tornou um momento de tristeza. Tocar piano, violino, viol√£o, etc sozinho muitas vezes s√≥ me traz dor).
Cada elogio que recebo na empresa, palestras, aulas, crian√ßas no projeto de m√ļsica, fam√≠lia, amigos, parece aumentar o vazio que sinto.
Gostaria de simplesmente arrumar uma companheira e viver a vida a dois, viajar, compartilhar momentos, beijar, quem sabe, caso a coisa desse certo, ter filhos, criar uma família...

De qualquer forma, me sinto um pouco mais leve por ter passado 2 horas escrevendo e tendo exprimido todos esses sentimentos pela primeira vez (pra o lado de fora de minha cabeça).
Estou pensando em procurar um psicólogo (creio que já devia ter feito isso desde a minha primeira depressão lá nos 20 anos). Como garantir que eu, sendo uma figura conhecida na cidade não terei todas as minhas histórias íntimas divulgadas (sei que psicólogo é uma profissão muito séria, peço até desculpas de antemão caso essa pergunta ofenda alguém, mas uma pessoa má intencionada poderia destruir toda minha reputação externalizando minha intimidade). Na verdade a pergunta é "como escolher um psicólogo?". Caso não dê certo é normal trocar de psicólogo?
Obrigado a todos pela atenção.
submitted by Mustafasustenido to desabafos [link] [comments]


2019.08.10 09:46 birddiefly Escorpianos: Eles odeiam sagitarianos?

Primeiramente acho v√°lido dizer que nunca acreditei em astrologia, nem tinha conhecimento algum sobre o assunto, tudo o que eu sabia √© que meu signo √© representado por um centauro. Resolvi abrir minha mente devido a certos fatos que ocorreram do ano passado pra c√°. Leiam atentamente as tr√™s situa√ß√Ķes envolvendo tr√™s pessoas de escorpi√£o:
1 - No ano de 2011 fiz uma amizade com uma menina em um jogo da internet. A afininidade foi tanta que chegamos a nos encontrar pessoalmente (ela morava cerca de 2 horas da minha cidade) e daí a amizade só cresceu (Até planejamos pequenos crimes, mas éramos adolescentes idiotas kkkkkk mas isso serve como exemplo de como nossa relação era forte) Nunca tivemos grandes conflitos, apenas eventuais brigas por motivos bem idiotas, honestamente. Não era nada grave, mas o fato de ela ser uma pessoa muito desconfiada deixava nossa relação um pouco turbulenta ocasionalmente. Há alguns meses ela me bloqueou do nada sem dar satisfação, quando consegui alcança-la ela se justificou dizendo que simplesmente não estava mais feliz com a nossa amizade e desapareceu novamente... depois de 8 anos de intensa amizade.
2 - Conheci um rapaz por um aplicativo em 2016, e embora nunca tenha encontrado pessoalmente nos falamos e fizemos coisas no virtual (rs) durante quase 3 anos. Confesso que já cheguei a sentir algo mais, porèm era muito difícil se aproximar dele. De qualquer forma, me conformei só com o sexo, até porque esse era o motivo principal da interação. Durante 3 anos ele sumia por tempos mas sempre voltava, até recentemente sumir de vez (descobri que excluiu meu contato) Vocês podem fazer pouco disso por ter sido um contato virtual, mas acredite, foi mais que isso, a conexão era grande. Nunca mantive contato com alguém de app por mais de 1 semana.
3 - Novamente um pequeno caso de app totalmente virtual, mas que durou apenas 2 semanas no ano passado. Comecei a conversar com um rapaz muito bonito (um viking real de cabelo longo e tudo, sim ele era de um pa√≠s n√≥rdico e nosso contato era todo em ingl√™s) Posso dizer que foi uma das melhores experi√™ncias que j√° vivenciei: "Sexo" ardente, match perfeito, afinidade instant√Ęnea, reciprocidade imediata de ideias, sentimentos e aten√ß√£o a cada mensagem. Eu estava apaixonado! Come√ßamos at√© a cogitar um futuro juntos, construir uma casa nas florestas n√≥rdicas, adotar pets, viajar juntos, crescer na vida apoiando um ao outro quando... do nada ele parou de responder, tentei descobrir a raz√£o, chamei e chamei e nada, at√© eu desistir com medo de tomar um block (tenho trauma de block). Curiosamente uns 5 meses atr√°s recebi uma notifica√ß√£o no app e vi que ele tinha "liberado" as fotos pra mim. Eu fiquei todo feliz e desesperamente empolgado mas... ele n√£o respondeu nada. Algo que acho interessante destacar √© que os europeus s√£o muito, muito fechados, demoram anos para firmar uma amizade e se abrir para falar coisas pessoais, e quando falamos dos pa√≠ses n√≥rdicos isso chega ao extremo. At√© os alem√£es, franceses, holandeses que j√° s√£o frios conseguem perceber isso. Agora pra voc√™s verem que louca a situa√ß√£o: o cara compartilhou nudes, fez planos pro futuro, tagarelava toda hora querendo conversar, fazer amor (aqui de tarde/noitinha era madrugada l√° sendo que ele tinha que acordar cedo pra trabalhar) Onde que um europeu do norte iria perder tempo na internet com um estrangeiro desconhecido √° toa? Era √≥bvio que eu o fiz sentir alguma coisa, talvez n√£o na mesma intensidade que eu, mas ainda sim, alguma coisa.
Conclus√£o: Todas as minhas rela√ß√Ķes com escorpianos seja com ficante, seja com amigo s√£o sempre muito intensas, empolgantes, e incrivelmente energ√©ticas. Eu sinto que escorpianos me completam em diversos aspectos e a sensa√ß√£o quando estou pr√≥ximo de um √© que somos selvagens, podemos dominar o mundo pois nossa uni√£o gera uma for√ßa indestrut√≠vel... mas infelizmente em algum ponto da hist√≥ria eles sempre acabam se afastando por raz√Ķes desconhecidas. Sim, eu j√° achei que fosse culpa minha, mas sinceramente eu sou uma pessoa muito transparente, amig√°vel e c√ļmplice, nunca traio a confian√ßa de ningu√©m. Se voc√™ entende de signos por favor me ajude a decifrar essa "tend√™ncia". S√£o muitas ideias: escorpianos s√£o todos psicopatas? Todo escorpiano odeia sagiatarianos secretamente? (obs: j√° vi um falar "aff novembro, m√™s dessa droga de sagit√°rio"), Ser√° que a energia sagitariana √© t√≥xica para escorpianos?
Pergunta final: H√° como mudar isso ou devo fugir de todos os escorpianos?
Um grande abraço, aguardo sua resposta
submitted by birddiefly to brasil [link] [comments]


2019.08.05 05:45 altovaliriano Haters a espera de "A Dan√ßa dos Drag√Ķes"

Link: https://bit.ly/2YJSOhS
Autora: Laura Miller
Título original: Just Write It!

[...] N√£o houve acr√©scimo √† s√©rie ‚ÄúAs cr√īnicas de Gelo e Fogo‚ÄĚ desde 2005, quando surgiu o quarto volume. E aquele livro, intitulado ‚ÄúO Festim dos Corvos‚ÄĚ, era apenas metade de um romance: ele havia sido removido cirurgicamente de um manuscrito que, com mil e duzentas p√°ginas, ainda n√£o estava completo quase cinco anos ap√≥s a publica√ß√£o do terceiro volume. Como ‚ÄúO Festim dos Corvos‚ÄĚ seguiu com as aventuras de v√°rios novos personagens - e deixou o destino de v√°rios personagens populares n√£o resolvidos desde o final do livro anterior - alguns f√£s ficaram desapontados. Martin incluiu um post-scriptum em ‚ÄúO Festim dos Corvos‚ÄĚ explicando o que ele havia feito - e ent√£o, como ele me disse, ‚Äúcometi o erro fatal de dizer: 'mas o outro livro est√° parcialmente escrito e eu devo poder termin√°-lo dentro de um ano‚Äô.‚ÄĚ
Passados seis anos, alguns dos f√£s de Martin ficaram extremamente inquietos. A mesma cultura de blogs que permite que um escritor de fantasia como Neil Gaiman promova um senso de intimidade com seus leitores tamb√©m pode expor um autor a cr√≠tica permanente quando eles ficam descontentes. Os f√£s desesperados para descobrir o que aconteceu a personagens como Tyrion Lannister - um an√£o inteligente e c√≠nico nascido em uma das fam√≠lias mais poderosas dos Sete Reinos - acharam cansativo ir verificar o site de Martin em busca de atualiza√ß√Ķes sobre o quinto livro da s√©rie ‚ÄúA Dan√ßa dos Drag√Ķes‚ÄĚ e encontrar, ao inv√©s disso, postagens sobre esportes ou pol√≠tica. Eles come√ßaram a reclamar na se√ß√£o de coment√°rios do blog de Martin e em Westeros.org.
Como moderador-chefe da Westeros.org, Garc√≠a excluiu as postagens do f√≥rum que considerava ‚Äún√£o construtivas‚ÄĚ, incluindo as especula√ß√Ķes cada vez mais violentas sobre a causa do atraso e o destino final da saga. O blog de Martin foi monitorado de forma semelhante. O descontentamento logo se espalhou para outras plataformas - de f√≥runs de fic√ß√£o cient√≠fica e fantasia a f√≥runs de discuss√£o na Amazon.com. Um usu√°rio escreveu: ‚ÄúGeorge R. R. Martin, voc√™ √© um saco... tire a porra da m√°quina de escrever da sua bunda e comece a digitar‚ÄĚ.
Outro brincou dizendo que Martin havia escrito um livro chamado ‚ÄúComo lucrar muito depois de escrever meia saga‚ÄĚ. Essa invectiva floresceu mesmo depois de, no come√ßo de mar√ßo, Martin ter anunciado que ‚ÄúA Dan√ßa dos Drag√Ķes‚ÄĚ ser√° finalmente publicado em 12 de julho. Um leitor c√©tico na Amazon.com disse: "N√£o espere segure o f√īlego, a menos que voc√™ goste de desmaiar".
Toda uma comunidade de apóstatas - um fandom das trevas - agora se dedica a provocar Martin, seus associados e leitores que insistem que ele tem trabalhado duro na saga e que tem o direito de levar o tempo que precisar. Até mesmo [Neil] Gaiman foi arrastado para a contenda quando ele respondeu, em seu próprio blog, a uma pergunta sobre o atraso de Martin, com a seguinte repreensão: "George R. R. Martin não é a sua vadia."
Os ataques on-line a Martin sugerem que alguns leitores têm uma nova ideia sobre o que um autor lhes deve. Eles se veem como clientes, não como devotos, e esperam um serviço rápido e consistente. Martin, que tem sessenta e dois anos, me disse que [seu assistente, Ty] Franck chama os leitores descontentes de a Geração de Direitos: “Ele acha que todos são jovens; adolescentes ou na casa dos vinte. E que a geração deles só quer o que querem, e eles querem agora. Se você não der a eles, eles ficarão putos".
[...]
Um professor escolar noruegu√™s chamado Remy Verhoeve √© um desses leitores hiper-dedicados. At√© um amigo ter lhe persuadido a ler ‚ÄúA Guerra dos Tronos‚ÄĚ, ele nunca tivera um gosto especial por fic√ß√£o de fantasia, com exce√ß√£o de ‚ÄúO Senhor dos An√©is‚ÄĚ. Em sua opini√£o, os tr√™s primeiros volumes de ‚ÄúAs Cr√īnicas de Gelo e Fogo‚ÄĚ s√£o "os melhores romances que eu j√° li". Depois de descobrir a s√©rie, ele leu esses tr√™s livros dez vezes cada um. ‚Äú√Äs vezes, uma obra de arte aparece e muda tudo‚ÄĚ, ele me disse. No entanto, Verhoeve, operando sob o nome de guerra Slynt, agora administra um f√≥rum na web dedicado a denegrir Martin e seus partid√°rios. O site chama-se "Is Winter Coming?" - um joguete malicioso com "Winter is Coming", o lema dos Starks, uma das fam√≠lias centrais da s√©rie.
Como toda guerra prolongada da Internet, o cisma no fandom de Martin é difícil de compreender se visto de fora. Cada lado nutre queixas contra o outro, e qualquer conversa entre os dois degenera em ataques ad hominem. (Na verdade, a briga pode nunca ter consistido em nada além de ataques ad hominem). Encastelados em seus respectivos fortes, cada lado amplia sua própria indignação. No entanto, se você conversar com participantes individuais, ele ou ela afirmará ser desapaixonado. "Pessoalmente, me sinto um pouco triste por eles", disse García sobre seus inimigos.
Na opini√£o de Verhoeve, os f√£s descontentes - que √†s vezes chamam a si mesmos de GRRuMblers - formaram um movimento de renegados em 2009, depois que Martin fez um post no blog intitulado ‚ÄúAos Meus Detratores‚ÄĚ [‚ÄúTo My Detractors‚ÄĚ]. Foi a tentativa de Martin de dar uma resposta definitiva √† ‚Äúonda crescente de veneno acerca do atraso de 'A Dan√ßa dos Drag√Ķes'.‚ÄĚ Ele continuou: ‚Äúalguns de voc√™s est√£o zangados por eu assistir futebol durante o outono‚ÄĚ. Outros usu√°rios, como ele observou, se opuseram a ele ‚Äúestar visitando lugares como Espanha e Portugal (no ano passado) ou Finl√Ęndia (este ano)‚ÄĚ. O post terminava: ‚ÄúComo alguns de voc√™s gostam de apontar em seus e-mails, eu tenho 60 anos e sou gordo, e voc√™s n√£o querem que eu 'd√™ uma de Robert Jordan' pra cima de voc√™s e acabe por lhes negar o seu livro. Ok, eu entendi a mensagem. Voc√™s n√£o me querem fazendo nada que n√£o "As Cr√īnicas de Gelo e Fogo"(E tudo bem se eu talvez precisar mijar de vez em quando?)‚ÄĚ.
Verhoeve (que havia sido banido do Westeros.org) ficou irritado com a postagem de Martin, e alguns dias depois ele montou o ‚ÄúIs Winter Coming?‚ÄĚ. O tom do f√≥rum foi inspirado em ‚ÄúFinish the Book, George‚ÄĚ, um blog iniciado em 2008 por dois irm√£os que usavam os apelidos Pesci e Liotta - uma refer√™ncia a dois atores do filme de g√Ęngsteres ‚ÄúOs Bons Companheiros‚ÄĚ. Os donos dos pseud√īnimos pegaram a ideia de outro post no blog de Martin, em que o autor admoestava os visitantes a comentar sobre o assunto da postagem ou ca√≠rem fora. (‚ÄúSe voc√™s quiserem comentar sobre outros assuntos, incluindo, mas n√£o limitado a, o atraso de 'A Dan√ßa dos Drag√Ķes‚Äô, tudo bem, basta faz√™-lo em seus pr√≥prios blogs‚ÄĚ). Em resposta, Pesci e Liotta come√ßaram a publicar posts irritantes, um ap√≥s o outro, tornando-se uma esp√©cie de her√≥is entre os detratores. Em um post se l√™: ‚ÄúComo todos n√≥s sabemos que GRRM n√£o consegue escrever a menos que ele esteja em seu lugar especial, vestindo suas botas especiais, com a temperatura em exatamente 69 graus e o sol alinhado com Aqu√°rio, eu assumo que isto √© outro sinal de que o grande cara n√£o digitou nenhuma palavra de ADWD hoje.‚ÄĚ
Os irm√£os t√™m sido menos ativos ultimamente, mas ‚ÄúIs Winter Coming?‚ÄĚ est√° zumbindo com criatividade hostil. At√© agora, o f√≥rum produziu um ‚Äúguia de campo‚ÄĚ listando os v√°rios tipos de defensores de Martin e como eles podem ser refutados; um breve texto pseudo-legal intitulado "O povo vs. George R. R. Martin"; alguns gr√°ficos detalhados que tentam demonstrar qu√£o poucas horas Martin dedicou a escrever ‚ÄúA Dan√ßa dos Drag√Ķes‚ÄĚ por ano, com base nas postagens em seu blog; e a ‚ÄúEnciclopedia GRRuMbliana‚ÄĚ, de 300 p√°ginas, que inclui uma hist√≥ria espirituosa do f√≥rum. Membros tamb√©m escreveram ‚ÄúO Festim dos Trolls‚ÄĚ e ‚ÄúA Dan√ßa dos Detratores‚ÄĚ, longas par√≥dias narrativas, no estilo de ‚ÄúAs Cr√īnicas de Gelo e Fogo‚ÄĚ, que apresentam caricaturas grosseiras de Martin e seus principais defensores, incluindo Gaiman. Uma pequena editora fez um acordo com Verhoeve para compilar algumas das postagens de seu blog em um livro, intitulado "Waiting for Dragons".
[...]
Martin sabe o que √© ser provocado por uma s√©rie de entretenimento. Ele mesmo experimentou isso sendo um espectador fiel de "Lost", a s√©rie de aventura da ABC sobre um grupo de n√°ufragos presos em uma ilha misteriosa. ‚ÄúContinuei assistindo e estava fascinado‚ÄĚ, lembra ele. ‚ÄúEles apresentavam um monte de coisas e achei que eu tinha no√ß√£o de para onde estava indo. Ent√£o eles apresentaram mais coisas e eu tive que pensar melhor.‚ÄĚ
Como muitos f√£s de ‚ÄúLost‚ÄĚ, Martin se ressentiu do final m√≠stico da s√©rie, que deixou dezenas de t√≥picos narrativos em suspens√£o. ‚ÄúAssist√≠amos todas as semanas tentando descobrir, e √† medida que a coisa se aprofundava, eu ficava dizendo: '√Č melhor que tenham algo bom em mente para o fim. √Č bom que valha a pena isso aqui‚Äô. E ent√£o me senti t√£o enganado quando chegamos √† conclus√£o.‚ÄĚ
Martin se considera ligado a um contrato informal com seus leitores; sente que lhes deve seu melhor trabalho. No entanto, ele não acredita que isso lhes dá o direito de ditar os detalhes de seu processo criativo ou de reclamar sobre como ele gerencia o próprio tempo.
Embora alguns detratores, como Verhoeve, atribuam sua repugn√Ęncia a Martin √† sua suposta inabilidade com Rela√ß√Ķes P√ļblicas e ‚Äúfalta de comunica√ß√£o adequada‚ÄĚ, a ess√™ncia de sua queixa √© transacional. Em uma postagem, Liotta se queixou de que ele e ‚Äúliteralmente centenas de milhares de outras pessoas gastaram incont√°veis horas e d√≥lares em fiel dedica√ß√£o‚ÄĚ ao trabalho de Martin. N√£o faz muita diferen√ßa para esses f√£s que eles j√° sabiam que a s√©rie n√£o estava terminada quando come√ßaram a l√™-la, ou que os livros nos quais gastaram todo esse tempo e dinheiro j√° est√£o com eles. Para os detratores, o contrato de Martin com eles era para uma hist√≥ria completa, e o compromisso deles com a saga era oferecido com a presun√ß√£o de que Martin lhes entregaria uma conclus√£o satisfat√≥ria.
Ao contr√°rio do que seus cr√≠ticos mais extravagantes alegam, Martin insiste que tem trabalhado continuamente em ‚ÄúA Dan√ßa dos Drag√Ķes‚ÄĚ. ‚ÄúEles t√™m todas essas teorias insanas de que o livro est√° conclu√≠do h√° anos, mas que eu estou sentado sobre ele at√© que a s√©rie da HBO seja lan√ßada, para ganhar mais dinheiro‚ÄĚ, diz ele. "Ou que eu passei o livro para outro escritor, ou que perdi todo o interesse pela saga e agora s√≥ quero fazer outras coisas."
[...]
Martin explicou que ele est√° ajustando algumas partes de ‚ÄúA Dan√ßa dos Drag√Ķes‚ÄĚ h√° dez anos. Ele tem um "verdadeiro relacionamento de amor e √≥dio" com um cap√≠tulo de Tyrion Lannister, o an√£o: "Eu arranquei e pus de volta, eu arranquei e pus de volta. Ent√£o eu o pus como uma sequ√™ncia de sonhos, e ent√£o eu arranquei novamente. Essas s√£o as coisas que eu tenho feito‚ÄĚ.
Tal indecis√£o, Martin suspeita, pode estar sendo alimentada pelas expectativas crescentes sobre "As Cr√īnicas de Gelo e Fogo". As resenhas para a saga foram "melhores em ordem de magnitude" do que as que ele recebeu para qualquer outra coisa. Depois que o quarto volume saiu, a Time o sacramentou como ‚Äúo Tolkien americano‚ÄĚ. Muitos leitores j√° disseram a Martin que sua hist√≥ria √© a maior hist√≥ria de fantasia de todos os tempos. Com o show da HBO chegando e seus cr√≠ticos online respirando em seu pesco√ßo, a press√£o se tornou ainda mais intensa.
"Eu n√£o quero parecer um chor√£o ou algu√©m que est√° reclamando", disse Martin, enquanto a luz do sol da tarde entrava colorida pelos vitrais. "N√£o! Eu estou vivendo o sonho aqui. Eu tenho todos esses leitores que est√£o esperando pelo livro. Quero lhes dar algo fant√°stico. Ele fez uma pausa. ‚ÄúE se eu estragar tudo no final? E se eu fizer um ‚ÄėLost‚Äô? Ent√£o eles vir√£o atr√°s de mim com ancinhos e tochas‚ÄĚ.
Martin espera que, depois de superar os problemas particularmente espinhosos de ‚ÄúA Dan√ßa dos Drag√Ķes‚ÄĚ, os dois √ļltimos livros saiam muito mais r√°pidos. Alguns detratores insistem que ele nunca completar√° a s√©rie, e eles gostam de matraquear sobre quem deve substitu√≠-lo se ele der uma de Jordan. Martin, no entanto, indicou que ele n√£o permitir√° que outro escritor termine "As Cr√īnicas de Gelo e Fogo". A hist√≥ria come√ßou e terminar√° por suas m√£os.
Em determinado ponto, fiz uma pergunta para Remy Verhoeve. Suponha que ‚ÄúAs Cr√īnicas de Gelo e Fogo‚ÄĚ nunca tenham um final adequado. Ele ainda teria aqueles tr√™s livros, aqueles que ele considera os melhores que ele j√° leu. Isso n√£o seria um consolo? Ele ficou quieto por um tempo antes de responder: ‚ÄúSim. Eu acho que sim. Embora √†s vezes eu preferisse nunca ter lido esses livros‚ÄĚ.
submitted by altovaliriano to Valiria [link] [comments]


2019.07.18 19:18 altovaliriano O Clube das Senhoras Mortas

Link: https://bit.ly/2JFSJ6B
Autor: Lauren (autodescrita como "dona de pre-gameofthrones e asoiafuniversity")

‚ÄúSenhoras morrem ao dar √† luz. Ningu√©m canta can√ß√Ķes sobre elas.‚ÄĚ
O Clube das Senhoras Mortas é um termo que eu inventei por volta de 2012 para descrever o Panteão de personagens femininas subdesenvolvidas em ASOIAF a partir da geração anterior ao início da história.
√Č um termo que carrega cr√≠ticas inerentes a ASOIAF, que esta postagem ir√° abordar, em um ensaio dividido em nove partes. A primeira, segunda e a terceira parte deste ensaio definem o termo em detalhes. As se√ß√Ķes subsequentes examinam como essas mulheres foram descritas e por que este aspecto de ASOIAF merece cr√≠ticas, explorando a permeabilidade da trope das m√£es mortas na fic√ß√£o, o uso excessivo de viol√™ncia sexual ao descrever estas mulheres e as diferen√ßas da representa√ß√£o do sacrif√≠cio masculino versus o sacrif√≠cio feminino na narrativa de GRRM.
Para concluir, eu afirmo que a maneira como estas mulheres foram descritas mina a tese de GRRM, e ASOIAF ‚Äď uma s√©rie que eu considero como sendo uma das maiores obras de fantasia moderna ‚Äď fica mais pobre por causa disso.
*~*~*~*~
PARTE I: O QUE √Č O CLUBE DAS SENHORAS MORTAS [the Dead Ladies Club]?
Abaixo está uma lista das mulheres que eu pessoalmente incluo no Clube das Senhoras Mortas [ou simplesmente CSM]. Esta lista é flexível, mas é geralmente sobre quem as pessoas estão falando quando falam sobre o CSM [DLC, no original]:
  1. Lyanna Stark
  2. Elia Martell
  3. Ashara Dayne
  4. Rhaella Targaryen
  5. Joanna Lannister
  6. Cassana Estermont
  7. Tysha
  8. Lyarra Stark
  9. A Princesa Sem Nome de Dorne (m√£e de Doran, Elia, e Oberyn)
  10. M√£e sem Nome de Brienne
  11. Minisa Whent-Tully
  12. Bethany Ryswell-Bolton
  13. EDIT ‚Äď A Esposa do Moleiro - GRRM nunca deu nome a ela, por√©m ela foi estuprada por Roose Bolton e deu √† luz a Ramsay
  14. Eu posso estar esquecendo alguém.
A maioria do CSM é composta de mães, mortas antes de a série começar. Deliberadamente, eu uso a palavra "panteão" quando estou descrevendo o CSM, porque, como os deuses da mitologia antiga, estas mulheres normalmente exercem grande influência ao longo da vida de nossos atuais POVs e sua deificação é em grande parte o problema. As mulheres do CSM tendem a ser fortemente romantizadas ou fortemente vilanizadas pelo texto; ou em um pedestal ou de joelhos, para parafrasear Margaret Attwood. As mulheres do CSM são descritas por GRRM como pouco mais do que fantasias masculinas e tropes batidos, definidas quase que exclusivamente por sua beleza e magnetismo (ou falta disso). Elas não têm qualquer voz própria. Muitas vezes elas sequer têm nome. Elas são frequentemente vítimas de violência sexual. Elas são apresentadas com pouca ou nenhuma escolha em suas histórias, algo que eu considero como sendo um lapso particularmente notório quando GRRM diz que são nossas escolhas que nos definem.
O espa√ßo da narrativa que √© dado a sua humanidade e sua interioridade (sua vida interior, seus pensamentos e sentimentos, √† sua exist√™ncia como indiv√≠duos) √© m√≠nimo ou inexistente, que √© uma grande vergonha em uma s√©rie que foi feita para celebrar a nossa humanidade comum. Como posso ter f√© na tese de ASOIAF, que as vidas das pessoas "tem significado, n√£o sua morte", quando GRRM criou um c√≠rculo de mulheres cujo principal, se n√£o √ļnico prop√≥sito, era morrer?
Eu restringi o Clube das Senhoras Mortas √†s mulheres de at√© duas gera√ß√Ķes atr√°s porque a Senhora em quest√£o deve ter alguma conex√£o imediata com um personagem POV ou um personagem de segundo escal√£o. Essas mulheres tendem a ser de import√Ęncia imediata para um personagem POV (m√£es, av√≥s, etc.), ou no m√°ximo elas est√£o a um personagem de dist√Ęncia de um personagem POV na hist√≥ria principal (AGOT - ADWD +).
Exemplo #1: Dany (POV) ‚Äď > Rhaella Targaryen
Exemplo #2: Davos (POV) ‚Äď > Stannis ‚Äď > Cassana Estermont
*~*~*~*~
PARTE II: "E AGORA, DIGA O NOME DELA."
Lyanna Stark, "linda e voluntariosa, e morta antes do tempo". Sabemos pouco sobre Lyanna além de quantos homens a desejaram. Uma figura tipo Helena de Troia, um continente inteiro de homens lutou e morreu porque "Rhaegar amou sua Senhora Lyanna". Ele a amava o suficiente para trancá-la em uma torre, onde ela deu à luz e morreu. Mas quem era ela? Como ela se sentiu sobre qualquer um desses eventos? O que ela queria? Quais eram suas esperanças, seus sonhos? Sobre isto, GRRM permanece em silêncio.
Elia Martell, "gentil e inteligente, com um cora√ß√£o manso e uma sagacidade doce." Apresentada na narrativa como uma m√£e e uma irm√£ morta, uma esposa deficiente que n√£o poderia dar √† luz a mais filhos, ela √© definida unicamente por suas rela√ß√Ķes com v√°rios homens, com nenhuma hist√≥ria pr√≥pria al√©m de seu estupro e assassinato.
Ashara Dayne, a donzela na torre, a m√£e de uma filha natimorta, a bela suicida, n√£o temos quaisquer detalhes de sua personalidade, somente que ela foi desejada por Barristan o Ousado e Brandon ou Ned Stark (ou talvez ambos).
Rhaella Targaryen, Rainha dos Sete Reinos por mais de 20 anos. Sabemos que Aerys abusou e estuprou para conceber Daenerys. Sabemos que ela sofreu muitos abortos. Mas o que sabemos sobre ela? O que ela achou do desejo de Aerys de fazer florescer os desertos dorneses? O que ela passou fazendo durante 20 anos quando n√£o estava sendo abusada? Como ela se sentiu quando Aerys mudou a corte de Rochedo Casterly por quase um ano? N√£o temos respostas para qualquer uma dessas perguntas. Yandel escreveu todo um livro de hist√≥ria de ASOIAF fornecendo muitas informa√ß√Ķes sobre as personalidades e peculiaridades e medos e desejos de homens como Aerys e Tywin e Rhaegar, ent√£o eu conhe√ßo quem s√£o esses homens de uma forma que n√£o conhe√ßo as mulheres no c√Ęnone. N√£o acho que seja razo√°vel que GRRM deixe a humanidade de Rhaella praticamente em branco quando ele teve todo O Mundo de Gelo e Fogo para detalhar sobre personagens anteriores a saga, e ele poderia facilmente ter escrito uma pequena nota lateral sobre a Rainha Rhaella. Temos uma por√ß√£o de di√°rios e cartas e coisas sobre os pensamentos e sentimentos de rainhas medievais do mundo real, ent√£o por que Yandel (e GRRM) n√£o nos informaram um pouco mais sobre a √ļltima rainha Targaryen nos Sete Reinos? Por que n√≥s n√£o temos uma ilustra√ß√£o de Rhaella em TWOIAF?
Joanna Lannister, desejada por ambos um Rei e um Mão do Rei e feita sofrer por isso, ela morreu dando à luz Tyrion. Sabemos do "amor que havia entre" Tywin e Joanna, mas detalhes sobre ela são raros e distantes. Em relação a muitas destas mulheres, as escassas linhas no texto sobre elas deixam frequentemente o leitor a perguntar, "bem, o que exatamente isso que dizer?". O que exatamente significa que Lyanna fosse voluntariosa? O que exatamente significa que Rhaella fosse consciente de seu dever? Joanna não é exceção, com a provocativa (ainda que frustrantemente vaga) observação de GRRM de que Joanna "governava" Tywin em casa. Joanna é meramente um esboço grosseiro no texto, como um reflexo obscuro.
Cassana Estermont. Honestamente eu tentei recordar uma citação sobre Cassana e percebi que não houve qualquer uma. Ela é um amor afogado, a esposa morta, a mãe morta, e não sabemos de mais nada.
Tysha, uma adolescente que foi salva de estupradores, apenas para sofrer estupro coletivo por ordem de Tywin Lannister. O paradeiro dela tornou-se algo como um talismã para Tyrion em ADWD, como se encontrá-la fosse libertá-lo da longa e negra sombra de seu pai morto, mas fora a violência sexual que ela sofreu, não sabemos mais nada sobre essa garota humilde exceto que ela amava um menino considerado pela sociedade westerosi como indigno de ser amado.
Quanto a Lyarra, Minisa, Bethany e as demais, sabemos pouco mais que seus nomes, suas gravidezes e suas mortes, e de algumas n√£o temos sequer nomes.
Eu por vezes incluo Lynesse Hightower e Alannys Greyjoy como membras honor√°rias, apesar de que, obviamente, elas n√£o estejam mortas.
Eu disse acima que as mulheres do CSM ou s√£o postas em um pedestal ou colocadas de joelhos. Lynesse Hightower se encaixa em ambos os casos: foi-nos apresentada por Jorah como uma hist√≥ria de amor sa√≠da direto das can√ß√Ķes, e vilanizada como a mulher que deixou Jorah para ser uma concubina em Lys. Nas palavras de Jorah, ele odeia Lynesse, quase tanto quanto a ama. A hist√≥ria de Lynesse √© definida por uma por√ß√£o de tropes batidas; ela √© a ‚ÄúStunningly Beautiful‚ÄĚ ‚ÄúUptown Girl‚ÄĚ / ‚ÄúRich Bitch‚ÄĚ ‚ÄúDistracted by the Luxury‚ÄĚ at√© ela perceber que Jorah √© ‚ÄúUnable to support a wife‚ÄĚ. (Todos estes s√£o explicados no tv tropes se voc√™ quiser ler mais.) Lynesse √© basicamente uma encarna√ß√£o da trope gold digger sem qualquer profundidade, sem qualquer subvers√£o, sem aprofundar muito em Lynesse como pessoa. Mesmo que ela ainda esteja viva, mesmo que muitas pessoas ainda vivas conhe√ßam-na e sejam capazes de nos dizer sobre ela como pessoa, elas n√£o o fazem.
Alannys Greyjoy eu inclui pessoalmente no Clube das Senhoras Mortas porque sua personagem se resume a uma ‚ÄúMother‚Äôs Madness‚ÄĚ com pouco mais sobre ela, mesmo que, novamente, n√£o esteja morta.
Quando eu incluo Lynesse e Alannys, cada regi√£o nos Sete Reinos de GRRM fica com pelo menos uma do CSM. Foi uma coisa que se sobressaiu para mim quando eu estava lendo pela primeira vez ‚Äď qu√£o distribu√≠das est√£o as m√£es mortas e mulheres descartadas de GRRM, n√£o √© s√≥ em uma Casa, est√° em todos os lugares da obra de GRRM.
E quando digo "em toda a obra do GRRM," eu quero dizer em todos os lugares. Mães mortas em segundo plano (normalmente no parto) antes de a história começar é um trope que GRRM usa ao longo de sua carreira, em Sonho Febril, Dreamsongs e Armageddon Rag e em seus roteiros para TV. Demonstra falta de imaginação e preguiça, para dizer o mínimo.
*~*~*~*~
PARTE III: QUEM NÃO SÃO ELAS?
Mulheres históricas e mortas há muito tempo, como Visenya Targaryen, não estão incluídas no Clube das Senhoras Mortas. Por que, você pergunta?
Se voc√™ for at√© o americano comum na rua, provavelmente ser√° capaz de lhe dizer algo sobre a m√£e, a av√≥, a tia ou alguma outra mulher em suas vidas que seja importante para eles, e voc√™ pode ter uma ideia sobre quem eram essas mulheres como pessoas. Mas o americano m√©dio provavelmente n√£o poder√° contar muito sobre Martha Washington, que viveu s√©culos atr√°s. (Se voc√™ n√£o √© americano, substitua ‚ÄúMartha Washington‚ÄĚ pelo nome da m√£e de uma figura pol√≠tica importante que viveu h√° 300 anos. Sou americana, ent√£o este √© o exemplo que estou usando. Al√©m disso, eu j√° posso ouvir os nerds da hist√≥ria protestando - sente-se, voc√™ est√° nitidamente acima da m√©dia.).
Da mesma forma, o westerosi m√©dio deve (misoginia √† parte) geralmente ser capaz de lhe dizer algo sobre as mulheres importantes em suas vidas. Na hist√≥ria da vida de nosso mundo, reis, senhores e outros nobres compartilharam ou preservaram informa√ß√Ķes sobre suas esposas, m√£es, irm√£s e outras mulheres, apesar de terem vivido em sociedades medievais extremamente mis√≥ginas.
Ent√£o, n√£o estou falando ‚ÄúAh, meus deus, uma mulher morreu, fiquem revoltados‚ÄĚ. N√£o √© isso.
Eu geralmente limito o CSM √†s mulheres que morreram recentemente na hist√≥ria westerosi e que tiveram suas humanidades negadas de uma maneira que seus contempor√Ęneos do sexo masculino n√£o tiveram.
*~*~*~*~
PARTE IV: POR QUE ISSO IMPORTA?
O Clube da Senhoras Mortas √© formado por mulheres de at√© duas gera√ß√Ķes passadas, sobre as quais devemos saber mais, mas n√£o sabemos. N√≥s sabemos pouco mais al√©m de que elas tiveram filhos e morreram. Eu n√£o conhe√ßo essas mulheres, exceto atrav√©s do fandom transformativo. Eu conheci muito sobre os personagens masculinos pr√©-s√©rie no texto, mas c√Ęnone n√£o me d√° quase nada sobre essas mulheres.
Para copiar de outra postagem minha sobre essa questão, é como se as Senhoras Mortas existissem na narrativa do GRRM apenas para serem abusadas, estupradas, parir e morrer para mais tarde terem seus semblantes imutáveis moldados em pedra e serem colocadas em pedestais para serem idealizadas. As mulheres do Clube das Senhoras Mortas não têm a mesma caracterização e evolução dos personagens masculinos pré-série.
Pense em Jaime, que, embora não seja um personagem pré-série, é um ótimo exemplo de como o GRRM pode usar a caracterização para brincar com seus leitores. Começamos vendo Jaime como um babaca que empurra crianças de janelas (e não me entenda mal, ele ainda é um babaca que empurra crianças para fora das janelas), mas ele também é muito mais do que isso. Nossa percepção como leitores muda e entendemos que Jaime é bastante complexo, multicamadas e cinza.
Quanto a personagens masculinos mortos pr√©-s√©rie, GRRM ainda consegue fazer coisas interessantes com suas hist√≥rias, e transmitir seus desejos, e brincar com as percep√ß√Ķes dos leitores. Rhaegar √© um excelente exemplo. Os leitores v√£o da vers√£o de Robert da hist√≥ria, de que Rhaegar era um supervil√£o s√°dico, √† ideia de que o que quer que tenha acontecido entre Rhaegar e Lyanna n√£o foi t√£o simples como Robert acreditava, e alguns f√£s progrediam ainda mais para essa ideia de que Rhaegar era fortemente motivado por profecias.
Mas nós não temos esse tipo de desenvolvimento de personagens com as Senhoras Mortas. Por exemplo, Elia existe na narrativa para ser estuprada e morrer, e para motivar os desejos de Doran por justiça e vingança, um símbolo da causa dornesa, um lembrete da narrativa de que são os inocentes que mais sofrem no jogo dos tronos. . Mas nós não sabemos quem ela era como pessoa. Nós não sabemos o que ela queria na vida, como ela se sentia, com o que ela sonhava.
N√≥s n√£o temos caracteriza√ß√£o do CSM, n√≥s n√£o temos mudan√ßas na percep√ß√£o, mal conseguimos qualquer coisa quando se trata dessas mulheres. GRRM n√£o escreve personagens femininas pr√©-s√©rie da mesma maneira que ele escreve personagens masculinos pr√©-s√©rie. Essas mulheres n√£o recebem espa√ßo na narrativa da mesma forma que seus contempor√Ęneos masculinos.
Pensa na Princesa Sem Nome de Dorne, m√£e de Doran, Elia e Oberyn. Ela era a √ļnica governante feminina de um reino enquanto a gera√ß√£o Rebeli√£o de Robert estava surgindo, e ela tamb√©m √© a √ļnica l√≠der de uma grande Casa durante esse per√≠odo cujo nome n√£o temos.
O Norte? Governado por Rickard Stark. As Terras Fluviais? Governadas por Hoster Tully. As Ilhas de Ferro? Governadas por Quellon Greyjoy. O Vale? Governado por Jon Arryn. As Terras Ocidentais? Governadas por Tywin Lannister. As Terras da Tempestade? Steffon, e depois Robert Baratheon. A Campina? Mace Tyrell. Mas e Dorne? Apenas uma mulher sem nome, ops, quem diabos liga, quem liga, por se importar com um nome, quem precisa de um, não é como se nomes importassem em ASOIAF, né? *sarcasmo*
N√£o nos deram o nome dela nem em O Mundo de Gelo e Fogo, ainda que a Princesa Sem Nome tenha sido mencionada l√°. E essa falta de um nome √© muito limitante - √© t√£o dif√≠cil discutir a pol√≠tica de um governante e avaliar suas decis√Ķes quando o governante nem sequer tem um nome.
Para falar mais sobre o anonimato das mulheres... Tysha n√£o conseguiu um nome at√© o A F√ļria dos Reis. Apesar de terem sido mencionadas nos ap√™ndices do livro 1, nem Joanna nem Rhaella foram nomeadas dentro da hist√≥ria at√© o A Tormenta de Espadas. A m√£e de Ned Stark n√£o tinha um nome at√© surgir a √°rvore geneal√≥gica no ap√™ndice da TWOIAF. E quando a Princesa Sem Nome de Dorne conseguir√° um nome? Quando?
Quando penso nisso, não posso deixar de pensar nesta citação: "Ela odiava o anonimato das mulheres nas histórias, como se elas vivessem e morressem só para que os homens pudessem ter sacadas metafísicas." Muitas vezes essas mulheres existem para promover os personagens masculinos, de uma forma que não se aplica a homens como Rhaegar ou Aerys.
Eu não acho que GRRM esteja deixando de fora ou atrasando esses nomes de propósito. Eu não acho que GRRM está fazendo nada disso deliberadamente. O Clube das Mulheres Mortas, em minha opinião, é o resultado da indiferença, não de maldade.
Mas esses tipos de descuidos, como a princesa de Dorne, que n√£o t√™m nome, s√£o, em minha opini√£o, indicativos de uma tend√™ncia muito maior - GRRM recusa dar espa√ßo a essas mulheres mortas na narrativa, ao mesmo tempo em que proporciona espa√ßo significativo aos personagens masculinos mortos ou anteriores √† s√©rie. Esta quest√£o, em minha opini√£o, √© importante para a teoria espacial feminista - ou as maneiras pelas quais as mulheres habitam ou ocupam o espa√ßo (ou s√£o impedidas de faz√™-lo). Algumas acad√™micas feministas argumentam que mesmo os ‚Äúlugares‚ÄĚ ou ‚Äúespa√ßos‚ÄĚ conceituais (como uma narrativa ou uma hist√≥ria) influenciam o poder pol√≠tico, a cultura e a experi√™ncia social das pessoas. Essa discuss√£o provavelmente est√° al√©m do escopo desta postagem, mas basicamente argumenta-se que as mulheres e meninas s√£o socializadas para ocupar menos espa√ßo do que os homens em seus arredores. Assim, quando o GRRM recusa o espa√ßo narrativo para as mulheres pr√©-s√©rie de uma forma que ele n√£o faz para os homens pr√©-s√©rie, sinto que ele est√° jogando a favor de tropes mis√≥ginas ao inv√©s de subvert√™-las.
*~*~*~*~
PARTE V: A MORTE DA MÃE
Dado que muitas dos CSM (embora n√£o todas) eram m√£es, e que muitas morreram no parto, eu quero examinar este fen√īmeno com mais detalhes, e discutir o que significa para o Clube das Senhoras Mortas.
A cultura popular tende a priorizar a paternidade, marginalizando a maternidade. (Veja a longa hist√≥ria de m√£es mortas ou ausentes da Disney, storytelling que √© meramente uma continua√ß√£o de uma tradi√ß√£o de conto de fadas muito mais antiga da ‚Äúaniquila√ß√£o simb√≥lica‚ÄĚ da figura materna.) As plateias s√£o socializadas para ver as m√£es como ‚Äúdispens√°veis‚ÄĚ, enquanto pais s√£o ‚Äúinsubstitu√≠veis‚ÄĚ:
Isto √© alcan√ßado n√£o apenas removendo a m√£e da narrativa e minando sua atividade materna, mas tamb√©m mostrando obsessivamente sua morte, repetidas vezes. [‚Ķ] A morte da m√£e √© invocada repetidamente como uma necessidade rom√Ęntica [...] assim parece ser um reflexo na cultura visual popular matar a m√£e. [x]
Para mim, a existência do Clube das Senhoras Mortas está perpetuando a tendência de desvalorizar a maternidade, e ao contrário de tantas outras coisas sobre o ASOIAF, não é original, não é subversivo e não é boa escrita.
Pense em Lyarra Stark. Nas pr√≥prias palavras de GRRM, quando perguntado sobre quem era a m√£e de Ned Stark e como ela morreu, ele nos diz laconicamente: ‚ÄúSenhora Stark. Ela morreu‚ÄĚ. N√£o sabemos nada sobre Lyarra Stark, al√©m de que ela se casou com seu primo Rickard, deu √† luz quatro filhos e morreu durante ou ap√≥s o nascimento de Benjen. √Č outro exemplo de indiferen√ßa casual e desconsidera√ß√£o do GRRM para com essas mulheres, e isso √© muito decepcionante vindo de um autor que √©, em diversos aspectos, t√£o incr√≠vel. Se GRRM pode imaginar um mundo t√£o rico e variado como Westeros, por que √© t√£o comum que quando se trata de parentes femininos de seus personagens, tudo o que GRRM pode imaginar √© que eles sofrem e morrem?
Agora, voc√™ pode estar dizendo, ‚Äúmorrer no parto √© apenas algo que acontece com as mulheres, ent√£o qual √© o grande problema?‚ÄĚ. Claro, as mulheres morriam no parto na Idade M√©dia em percentuais alarmantes. Suponhamos que a medicina westerosi se aproxime da medicina medieval - mesmo se fizermos essa suposi√ß√£o, a taxa em que essas mulheres est√£o morrendo no parto em Westeros √© excessivamente alta em compara√ß√£o com a verdadeira Idade M√©dia, estatisticamente falando. Mas aqui vai a rasteira: a medicina de Westerosi n√£o √© medieval. A medicina de Westerosi √© melhor do que a medicina medieval. Parafraseando meu amigo @alamutjones, Westeros tem uma medicina melhor do que a medieval, mas pior do que os resultados medievais quando se trata de mulheres. GRRM est√° colocando interferindo na balan√ßa aqui. E isso demonstra pregui√ßa.
Morte no parto √©, por defini√ß√£o, um √≥bito muito pertencente a um g√™nero. E √© assim que GRRM define essas mulheres - elas deram √† luz e elas morreram, e nada mais sobre elas √© importante para ele. ("Senhora Stark. Ela morreu.") Claro, h√° algumas pequenas min√ļcias que podemos reunir sobre essas mulheres se apertarmos os olhos. Lyanna foi chamada de voluntariosa, e ela teve algum tipo de relacionamento com Rhaegar Targaryen que o j√ļri ainda est√° na expectativa de conhecer, mas seu consentimento foi duvidoso na melhor das hip√≥teses. Joanna estava felizmente casada, e ela foi desejada por Aerys Targaryen, e ela pode ou n√£o ter sido estuprada. Rhaella foi definitivamente estuprada para conceber Daenerys, que ela morreu dando √† luz.
Por que essas mulheres têm um tratamento de gênero? Por que tantas mães morreram no parto em ASOIAF? Os pais não tendem a ter mortes motivadas por seu gênero em Westeros, então por que a causa da morte não é mais variada para as mulheres?
E por que tantas mulheres em ASOIAF são definidas por sua ausência, como buracos negros, como um espaço negativo na narrativa?
O mesmo não pode ser dito de tantos pais em ASOIAF. Considere Cersei, Jaime e Tyrion, mas cujo pai é uma figura divina em suas vidas, tanto antes como depois de sua morte. Mesmo morto, Tywin ainda governa a vida de seus filhos.
√Č a rela√ß√£o entre pai e filho (Randyll Tarly, Selwyn Tarth, Rickard Stark, Hoster Tully, etc.) que GRR d√° tanto peso em rela√ß√£o ao relacionamento da m√£e, com not√°veis exce√ß√Ķes encontradas em Catelyn Stark e Cersei Lannister. (Embora com Cersei, acho que poderia ser arguir que GRRM n√£o est√° subvertendo nada - ele est√° jogando no lado negro da maternidade, e a ideia de que as m√£es prejudicam seus filhos com sua presen√ßa - que √© basicamente o outro lado da trope da m√£e morta - mas esta postagem j√° est√° com um tamanho absurdo e eu n√£o vou entrar nisso aqui.)
*~*~*~*~
PARTE VI: O CSM E VIOLÊNCIA SEXUAL
Apesar de suas alega√ß√Ķes de verossimilhan√ßa hist√≥rica, GRRM fez Westeros mais mis√≥gino do que a verdadeira Idade M√©dia. Tendo em conta que detalhes sobre viol√™ncia sexual s√£o as principais informa√ß√Ķes que temos sobre o CSM, por que √© necess√°ria tanta viol√™ncia sexual?
Eu discuto esta quest√£o em profundidade na minha tag #rape culture in Westeros, mas acho que merece ser tocado aqui, pelo menos brevemente.
Garotas como Tysha são definidas pela violência sexual pela qual passaram. Sabemos sobre o estupro coletivo de Tysha no livro 1, mas sequer aprendemos seu nome até o livro 2. Muitas do CSM são vítimas de violência sexual, com pouca ou nenhuma atenção dada a como essa violência as afetou pessoalmente. Mais atenção é dada a como a violência sexual afetou os homens em suas vidas. Com cada novo assédio sexual que Joanna sofreu em razão de Aerys, sabemos que por meio de O Mundo de Gelo e Fogo que Tywin rachou um pouco mais, mas como Joanna se sentiu? Sabemos que Rhaella havia sido abusada a ponto de parecer que uma fera a atacara, e sabemos que Jaime se sentia extremamente conflituoso por causa de seus juramentos da Guarda Real, mas como Rhaella se sentia quando seu agressor era seu irmão-marido? Sabemos mais sobre o abuso que essas mulheres sofreram do que sobre as próprias mulheres. A narrativa objetifica, ao invés de humanizar, o CSM.
Por que os personagens messi√Ęnicos de GRRM t√™m que ser concebidos por meio de estupro? A figura materna sendo estuprada e sacrificada em prol do messias/her√≥i √© uma trope de fantasia velha e batida, e GRRM faz isso n√£o uma vez, mas duas (ou possivelmente tr√™s) vezes. S√©rio, GRRM? S√©rio? GRRM n√£o precisa depender de m√£es estupradas e mortas como parte de sua hist√≥ria tr√°gica pr√©-fabricada. GRRM pode fazer melhor que isso, e ele deveria. (Mais debates na minha tag #gender in ASOIAF.)
*~*~*~*~
PARTE VII: SACRIF√ćCIO MASCULINO, SACRIF√ćCIO FEMININO E ESCOLHA
Agora, voc√™ pode estar se perguntando: "√Č normal que os personagens masculinos se sacrifiquem, ent√£o por que as mulheres n√£o podem se sacrificar em prol do messias? O sacrif√≠cio feminino n√£o √© subversivo?‚ÄĚ
Sacrifício masculino e sacrifício feminino muitas vezes não são os mesmos na cultura popular. Para resumir - os homens se sacrificam, enquanto as mulheres são sacrificadas.
As mulheres que morrem no parto para dar √† luz o messias n√£o s√£o a mesma coisa que os personagens masculinos fazendo uma √ļltima grande investida com armas em punho para dar ao Her√≥i Messi√Ęnico a chance de Fazer A Coisa. Os personagens masculinos que se v√£o com armas fumegantes em m√£os escolhem esse destino; √© o resultado final da sua caracteriza√ß√£o fazer isso. Pense em Syrio Forel. Ele escolhe se sacrificar para salvar um dos nossos protagonistas.
Mas mulheres como Lyanna, Rhaella e Joanna não tiveram uma escolha, não tiveram nenhum grande momento de vitória existencial que fosse a ápice de seus personagens; eles apenas morreram. Elas sangraram, elas adoeceram, elas foram assassinados - elas-apenas-morreram. Não havia grande escolha para se sacrificar em favor de salvar o mundo, não havia opção de recusar o sacrifício, não havia escolha alguma.
E isso √© fundamental. √Č isso que est√° no cora√ß√£o de todas as hist√≥rias do GRRM: escolha. Como eu disse aqui,
‚ÄúEscolha [‚Ķ]. Esta √© a diferen√ßa entre bem e mal, voc√™ sabe disso. Agora parece que sou eu que tenho que fazer uma escolha‚ÄĚ (Sonho Febril). Nas palavras do pr√≥prio GRRM, ‚ÄúIsso √© algo que se v√™ bem em meus livros: Eu acredito em grandes personagens. Todos n√≥s somente capazes de fazer grandes coisas, e de fazer coisas ruins. N√≥s temos os anjos e os dem√īnios dentro de n√≥s, e nossas vidas s√£o uma sucess√£o de escolhas.‚ÄĚ S√£o as escolhas que machucam, as escolhas em que o bom e o mal s√£o sopesados ‚Äď essas s√£o as escolhas em que ‚Äúo cora√ß√£o humano [est√°] em conflito consigo mesmo‚ÄĚ, o que GRRM considera ‚Äúa √ļnica coisa que vale a pena escrever sobre‚ÄĚ.
Homens como Aerys, Rhaegar e Tywin fazem escolhas em ASOIAF; mulheres como Rhaella não têm nenhuma escolha na narrativa.
GRRM acha que n√£o vale a pena escrever sobre as hist√≥rias do Clube das Senhoras Mortas? N√£o houve nenhum momento na mente do GRRM em que Rhaella, Elia ou Ashara se sentiram em conflito em seus cora√ß√Ķes, em nenhum momento eles sentiram suas lealdades divididas? Como Lynesse se sentiu escolhendo concubinato? E sobre Tysha, que amou um garoto Lannister, mas sofreu estupro coletivo nas m√£os da Casa Lannister? Como ela se sentiu?
Seria muito diferente se soub√©ssemos sobre as escolhas que Lyanna, Rhaella e Elia fizeram. (O Fandom frequentemente especula sobre se, por exemplo, Lyanna escolheu ir com Rhaegar, mas o texto permanece em sil√™ncio sobre este assunto mesmo em A Dan√ßa dos Drag√Ķes. GRRM permanece em sil√™ncio sobre as escolhas dessas mulheres.)
Seria diferente se o GRRM explorasse seus cora√ß√Ķes em conflito, mas n√£o ficamos sabendo de nada sobre isso. Seria subversivo se essas mulheres escolhessem ativamente se sacrificar, mas n√£o o fizeram.
Dany provavelmente está sendo criada como uma mulher que ativamente escolhe se sacrificar para salvar o mundo, e acho isso subversivo, um esforço valoroso e louvável da parte da GRRM lidar com essa dicotomia entre o sacrifício masculino e o sacrifício feminino. Mas eu não acho que isso compensa todas essas mulheres mortas sacrificadas no parto sem escolha.
*~*~*~*~
PARTE VIII: CONCLUS√ēES
Espero que este post sirva como uma definição funcional do Clube das Senhoras Mortas, um termo que, pelo menos para mim, carrega muitas críticas ao modo como a GRRM lida com essas personagens femininas. O termo engloba a falta de voz dessas mulheres, o abuso excessivo e fortemente ligado ao gênero que sofreram e sua falta de caracterização e arbítrio.
GRRM chama seus personagens de seus filhos. Eu me sinto como essas mulheres mortas - as mães, as esposas, as irmãs - eu sinto como se essas mulheres fossem crianças natimortas de GRRM, sem nada a não ser um nome em uma certidão de nascimento, e muito potencial perdido, e um buraco onde já houve um coração na história de outra pessoa. Desde os meus primeiros dias no tumblr, eu queria dar voz a essas mulheres sem voz. Muitas vezes elas foram esquecidas, e eu não queria que elas fossem.
Porque se elas fossem esquecidas - se tudo o que havia para elas era morrer - como eu poderia acreditar em ASOIAF?
Como posso acreditar que ‚Äúa vida dos homens tem significado, n√£o sua morte‚ÄĚ se GRRM criou este grupo de mulheres meramente para ser sacrificado? Sacrificado por profecia, ou pela dor de outra pessoa, ou simplesmente pela trag√©dia em tudo isso?
Como posso acreditar em todas as coisas que a ASOIAF representa? Eu sei que GRRM faz um ótimo trabalho com Sansa, Arya e Dany e todos os outros POVs femininos, e eu o admiro por isso.
Mas quando a ASOIAF pergunta, ‚Äúo que √© a vida de um garoto bastardo perante um reino?‚ÄĚ Qual √© o valor de uma vida, quando comparada a tanta coisa? E Davos responde, suavemente, ‚ÄúTudo‚Ä̂Ķ Quando ASOIAF diz que‚Ķ quando a ASOIAF diz que uma vida vale tudo, como as pessoas podem me dizer que essas mulheres n√£o importam?
Como posso acreditar em ASOIAF como uma celebração à humanidade, quando a GRRM desumaniza e objetifica essas mulheres?
O tratamento dessas mulheres enfraquece a tese central da ASOIAF, e não precisava ser assim. GRRM é melhor do que isso. Ele pode fazer melhor.
Eu quero estar errada sobre tudo isso. Eu quero que GRRM nos conte em Os Ventos do Inverno tudo sobre as escolhas de Lyanna, e eu quero aprender o nome da Princesa Sem Nome, e eu quero saber que três mulheres não foram estupradas para cumprir uma profecia da GRRM. Eu quero que GRRM sopre vida dentro delas, porque eu o considero o melhor escritor de fantasia vivo.
Mas eu não sei se ele fará isso. O melhor que posso dizer é eu quero acreditar.
[...]
submitted by altovaliriano to Valiria [link] [comments]


2019.04.25 16:30 thassae [Cl√°ssicos da Internet Brasileira] Leonam e o Dreamcast

Hey pessoal,
Hoje tive a idéia de trazer clássicos da internet BR que a galera mais nova certamente não conhece e a mais velha certamente já esqueceu.

No mais, fiquem com a saga de Leonam

CAP√ćTULO 1
‚ÄúQuebrei meu dreamcast de bobeira, meu nome √© Leonan tenho 13 anos,parece brincadeira mas √© a pura verdade, tudo come√ßou quando estava jogando Craxy Taxi pirata passou um tempo fui trocar o cd ent√£o desliguei o dreamcast tirei o crazy taxi e deixei a tampa aberta(meu erro) para colocar o cd de boot, mas a√≠ o pessoal de casa resolveu sair ent√£o fiquei sozinho em casa, pintou aquela vontade de tocar sonfona, o meu dreamcast fica na mesma mesa do computador, ent√£o liguei o micro acessei uma p√°gina (que vi neste forum‚Ķ) e to l√°, em frente ao micro vcs sabem n√©‚Ķent√£o chegou aquela press√£o n√£o pude segurar mas como eu tava na frente do computador para n√£o sujar o monitor e o teclado meu reflexo foi de virar para a esquerda justamente onde tava meu dreamcast com a tampa aberta(\*** falta de sorte)‚Ķisso mesmo galera ‚ĶEJACULEI NO MEU DREAMCAST‚Ķ riam deste cara sem sorte,n√£o sei se rio ou choro, a lente sujou toda, limpei o quanto pude mas em cima da lente a gosma secou Agora o que √© que eu fa√ßo? fiz de tudo para ganhar este dreamcast n√£o tem um m√™s direito e j√° estragou minha m√£e vai me matar quando descobrir que ela pagou 750 reias e eu j√° quebrei, t√° na garantia ainda mas o que eu falo pro cara da loja? Como fa√ßo para limpar a lente agora? me ajudem por favor ! Nunca mais me masturbo na minha vida!‚ÄĚ*
CAP√ćTULO 2
‚ÄúCheguei em casa depois da escola hoje de manh√£‚Ķvim correndo quando abri a porta at√© ofegante..adivinhem com quem encontro de cara ‚ÄúMINHA M√ÉE‚ÄĚ(parece um general) com meu dreamcast no colo sentada no sof√° da sala me esperando com cara de querer me matar‚Ķgelei do p√© at√© a cabe√ßa na hora,ent√£o a 1¬™ COISA QUE DISSE FOI: LEONAM‚ĶO QUE FOI QUE VOC DERRAMOU NESTE VIDEOGAME? quase cai pra tr√°s A√≠ eu perguntei‚ĶPOR QUE M√ÉE‚Ķ ELA DISSE GRITANDO: POR QUE EU LEVEI O VIDEOGAME NA LOCADORA ONDE EU COMPREI E O VENDEDOR ABRIU ! TINHA MANCHA DE ALGUMA COISA L√Ā DENTRO‚ĶVAI FALANDO AGORA‚Ķ(SUEI FRIO AT√Č GAGUEJEI), VOC DERRAMOU CAF√Č COM LEITE NESTE VIDEOGAME LEONAM? N√ÉO ACREDITO QUE TE DOU UM BRINQUEDO CARO DESTES E VOC J√Ā QUEBROU! A√≠ eu falei N√ÉO DERRAMEI NADA A√ć N√ÉO, ent√£o ela falou: QUE CHEIRO DE QUEIJO √Č ESSE AQUI DENTRO!ALGUMA COISA VOC DEIXOU CAIR AQUI? A GARANTIA N√ÉO COBRE ISSO SABIA LEONAM‚Ķ(sabem como √© tremer as pernas pois √© t√ī assim at√© agora)
Corri e me tranquei no quarto t√ī aqui at√© agora, com uma \*** fome, peguei o telefone e liguei pra tectoy, antes de falar com o cara prometi que n√£o era um trote at√© jurei, VOCS ACREDITAM QUE O CARA DO ATENDIMENTO RIU DE MIN! PARECE INGRA√áADO MAS EU T√Ē NO SAL! V√Ē LEVAR A MAIOR COSSA! A PROPOSITO ELE DISSE PARA N√ÉO RASPAR A LENTE E LEVAR MEU DREAMCAST NA ASSISTENCIA T√ČCNICA, E FALAR A VERDADE PRO CARA DA ASSITENCIA PRA ELE N√ÉO MEXER ONDE DEVE, MAS COMO EU CONTO AQUILO NO BALC√ÉO(algo como‚Ķ√ī mo√ßo gozei no meu dreamcast!) Acho que minha m√£e j√° sacou,o que eu fa√ßo? Claro que ela sabe que cheiro √© aquele‚Ķtoda ter√ßa e quinta ela e meu pai mandam ver a noite toda! Ela s√≥ quer que eu fale para poder ter um motivo para quebrar minha cara! Eu acho que vou contar pro meu pai‚Ķse eu tivesse irm√£o menor eu colocava a culpa nele mas n√£o tenho‚Ķfazer o que? t√ī ficando maluco! MINHA ULTIMA CHANCE S√ÉO VOCS‚ĶOU EU MESMO LIMPO A LENTE COM ALCOL OU AGUA OU MINHA M√ÉE VAI ACABAR COMIGO! ME AJUDEM AMIGOS COMO TIRAR ESPERMA DA LENTE SEM ESTRAGAR MEU DREMCAST?‚ÄĚ*
CAP√ćTULO 3
‚ÄúOlha Erik e Francisco obrigado por estarem me ajudando isto tudo √© verdade eu juro! Tenho uma coisa a dizer‚Ķ primeiramente j√° que est√£o sendo gente boa comigo, Quebrei minha promessa, √© mais forte que eu, parece vicio, toquei uma hoje enquanto tava trancado dentro do quarto‚Ķdesculpem‚Ķ.desta vez mirei direto e n√£o acertei nada! pelo menos isso! Nando j√° que voc√™ n√£o pode ajudar n√£o piore as coisas tente fazer voc√™ [quanto mais idiota melhor 3] ou [ejaculacao precose o retorno],at√© parece que voc√™ nunca passou aperto por causa da ‚Äúpomba branca‚Ä̂Ķ e Francisco lopez o cara da TECTOY disse para min que para limpar lentes existe um CD LIMPADOR aqui em casa tem, sabe‚Ķaquele que tem uma m√ļsicas em v√°rias linguas com uma micro escovinha‚Ķenquanto se ouve a m√ļsica ele limpa a lente‚Ķ mas o problema √© o seguinte o CD LIMPADOR limpa s√≥ poeira, sujeiras leves, n√£o ‚Äúgosmas‚ÄĚ que j√° secaram! Eu tentei passar mas n√£o deu , o console t√° seguinho n√£o l√™ nada ! Lestat n√£o tentei comer meu dreamcast e tambem n√£o comecei a gozar agora n√£o j√° √© a 5¬™ vez √© o que isso tem a ver? Francisco prefiro n√£o dizer o bairro onde moro por que as coisas podem piorar, tem um cara at√© querendo colocar isto tudo em uma p√°gina imagina se descobrem onde eu moro‚Ķvou sofrer pro resto da vida! (nunca pensei que uma punheta fosse acabar comigo!), contei isso que t√° acontecendo comigo pros meus colegas e na minha classe j√° me colocaram at√© apelido ‚ÄúGONZAGUINHA‚ÄĚ sabem por que n√©!?‚Ķaquele sanfoneiro! Quem poder me ajudar, respondam esta mensagem neste forum, eu agrade√ßo, e quanto a minha m√£e para voc√™s terem id√©ia eu tenho de apagar o hist√≥rico do meu computador por que ela checa tudo, j√° pensou se ela entra neste site e descobre tudo? que vergonha e que cossa que eu vou tomar‚Ķvoc√™s podem at√© me achar infantil mas s√≥ tenho 13 anos t√ī descobrindo as coisas agora! √Č errando que se aprende, voc√™s acham que ia fazer isso logo no meu dreamcast !Ajuda √© s√≥ isso que t√ī precisando.‚ÄĚ
CAP√ćTULO FINAL
‚ÄúGalera finalmente meu terror chegou ao fim‚Ķgra√ßas a Deus‚Ķn√£o apanhei mas foi muito mais pior eu juro!Passei pela situa√ß√£o mais embara√ßante da minha vida Como eu tava vendo que o trem ia ficar pro meu lado‚Ķ abri o jogo com o meu pai‚Ķfoi assim depois que cheguei da escola chamei meu pai no quarto encostei a porta e contei tudo(minha cara rachou de tanta vergonha‚Ķ)falei ‚ÄúPAI PELO AMOR DE DEUS, O SENHOR JURA QUE SE EU TE CONTAR UMA COISA O SENHOR N√ÉO CONTA PRA MAIS NINGUEM‚ÄĚ ele concordou‚Ķ(eu acreditei‚Ķ)ent√£o fechei os olhos e conteiūüď∑AI FOI EU QUE QUEBREI O VIDEOGAME MAS FOI SEM QUERER, EU ESPORREI NELE! Ele riu, riu de chorar, a√≠ eu falei: FOI SEM QUERER T√Ē MORRENDO DE VERGONHA MAS FOI ISSO QUE ACONTECEU, at√© a√≠ tudo bem, ele disse que ia dar um jeito de concertar,me deu uma bronca por ter acessado o site XXX,nunca mais entro em site de sexo eu prometo !, voltamos para mesa almo√ßamos e eu tava j√° at√© um pouco ali\****‚Ķvoc√™s sabem pai sempre da um jeito em tudo,MAS N√ÉO PENSEI QUE ELE FOSSE FAZER DESTE JEITO! SABEM O QUE ELE FEZ‚ĶCONTOU PRA MINHA M√ÉE‚Ķeu tava l√° no quarto deitado na cama jogando meu gameboy(STREET FIGHTER2 ADORO !) quando entra minha m√£e COM UM SORRIZINHO SACANA de m√£o dada com meu pai ent√£o ela disse: LEO EU E SEU PAI PRECISAMOS CONVERSAR COM VOC(acho que minha alma saiu do corpo naquela hora,t√ī sem jeito de olhar para minha m√£e at√© agora!),A√ć COME√áOU A SE√á√ÉO DE EDUCA√á√ÉO SEXUAL‚Ķ (olha que palha√ßada): VOC LEO AGORA T√Ā VIRANDO RAPAZINHO(minhas orelhas ficaram pegando fogo de vergonha) T√Ā DEIXANDO DE SER CRIAN√áA‚ĶSEU CORPO AGORA VAI COME√áAR TER MUDAN√áAS SUA VOZ J√Ā T√Ā COME√áANDO A MUDAR,V√ÉO CRESCER PELOS NO SEU CORPO(eu s√≥ olhei pra cara do meu pai) SABE LEO VOC T√Ā VIRANDO UM ADOLESCENTE(como eu n√£o soubesse na escola j√° passaram aquela fita dos coelhos TICO E TICA sabem aquela baboseira dois coelhos mongoloides que crescem e transam na maior pureza‚Ķ‚ÄĚolha a TICA t√° crescendo seios e menstrua‚ÄĚ ‚Äúolha o TICO t√° ficando com a voz grossa e com p√™los por todo o corpo‚Ķ √ī meu Deus o que √© aquilo que o TICO est√° fazendo professora pergunta TICA ele est√° se MASTURBANDO TINA‚Ķmas o que √© masturba√ß√£o‚Ķe por a√≠ vai‚Ķ‚ÄĚ) Minha m√£e ainda disse: QUANDO DER VONTADE DE FAZER AQUILO‚ĶVAI NO BANHEIRO FILHO ASSIM VOC N√ÉO CORRE O RISCO DE SUJAR COISAS QUE N√ÉO DEVE,(minha vontade era de explodir),DEPOIS QUE VOC FAZER AQUILO LAVE AS M√ÉOS PARA N√ÉO SUJAR AS COISAS DE ESPERMA(voc√™s podem imaginar como estou agora ) o pior ainda est√° por vir‚Ķ Voc√™s n√£o acreditam o que minha m√£e fez: ‚ĶLIGOU PARA TODAS MINHAS TIAS(6) E CONTOU QUE J√Ā ME MASTURBO(meu DEUS o que ela queria com isso?)AT√Č PARA MINHA V√ď QUE MORA NO RIO ELA LIGOU,CONTOU AT√Č PRA MO√áA QUE TRABALHA AQUI EM CASA(que √© gatinha!)‚Ķ.(agora mais ou menos as 16:45 minha v√≥ me ligou para me encher dizendo que isso √© feio pra min parar de fazer isto ESTOU SEM MORAL COM MINHA FAMILIA, minha m√£e me expos ao ridiculo! Minhas tias do jeito que s√£o j√° devem ter contado pros meus primos‚Ķt√ī ferrado, CONCLUS√ÉO DESSE ROLO: MEU PAI DEPOIS DO SERVI√áO PASSOU NA LOCADORA E DEIXOU MEU DREAMCAST PARA CONCERTO,MAS OLHEM QUE ABSURDO, O CARA DISSE QUE A LENTE J√Ā ERA E UMA NOVA ADVINHEM QUANTO CUSTA‚Ķ450 REIAS SEM A M√ÉO DE OBRA DO LADR√ÉO DO T√ČCNICO(mas ele deixou para concertar acho que √© para n√£o me desapontar,vou dar a id√©ia de comprar um console Japon√™s acho que t√° nesse pre√ßo..√© bem melhor n√©?),MAS MESMO ASSIM ME PASSOU UM SAB√ÉO PARA TER MAIS CUIDADO QUANDO FOR FAZER AQUILO(eu t√ī com complexo de masturba√ß√£o‚Ķ toda hora que pinta vontade‚Ķfico na maior paranoia de estragar alguma coisa de sujar alguma coisa‚Ķacho que isso marcou minha vida pra sempre!)‚ÄĚ* PARA TODAS AS PESSOAS DESTE FORUM QUE TENTARAM ME AJUDAR ‚ÄúOBRIGADO‚ÄĚ N√ÉO SE MASTURBEM PERTO DE VIDEOGAME PODE QUEBRAR (isto tinha que vir no manual do aparelho) Valeu amigos!‚ÄĚ
submitted by thassae to brasil [link] [comments]


2019.04.24 02:30 Spookycliquebr Twenty One Pilots para a NME [traduzido]

As filiais da B&Q em Birmingham devem estar fazendo um grande com√©rcio de fita adesiva amarela. Fora do Resort World Arena da cidade, em 27 de fevereiro, os adolescentes est√£o aplicando-o avidamente ao uniforme verde do ex√©rcito. √Ä medida que mais tropas descem - com len√ßos de pesco√ßo amarelos usados ‚Äč‚Äčcomo m√°scaras - √© como um elenco para uma vers√£o j√ļnior de The Purge.
Os espectadores podem ser perdoados por presumir que uma demonstra√ß√£o An√īnima vai acontecer, mas esta √© a Skeleton Clique, superfanbase ferozmente dedicada de Twenty One Pilots, esperando do lado de fora do local seis horas antes do duo de Ohio estar no palco para dar o pontap√© inicial no Reino Unido de sua gigantesca Bandito Tour.
Eles fizeram meticulosamente cosplay dos uniformes do vocalista Tyler Joseph e do baterista Josh Dun na arte e v√≠deos apocal√≠pticos de seu √ļltimo √°lbum, "Trench". Alguns se sentam esbo√ßando fotos de seus √≠dolos. Um aperta um banner estampado com as palavras "VOC√ä SALVOU MINHA VIDA".
√Č apropriado, porque Twenty One Pilots - com seus principais temas de inseguran√ßa, sa√ļde mental e f√© - √© uma banda perfeita para salvar a vida, uma refer√™ncia para aqueles que acham que ningu√©m os entende.
No papel, no entanto, eles são desafiadoramente estranhos. Com "Trench", eles criaram um mundo mítico de alto conceito - que pode confundir até mesmo os roteiristas de Lost. Vagamente, sua trama diz respeito a uma cidade alegórica chamada Dema e os nove bispos ditatoriais que impedem seus habitantes de escapar - e a força rebelde de bandidos que buscam libertá-los. Mas há muito mais do que isso.
Longos sub-threads Reddit s√£o dedicados a decodificar significados ocultos em m√ļsicas e decifrar pistas em cada pe√ßa de m√≠dia que a banda lan√ßa. H√° muitos ovos de p√°scoa: por exemplo, o nome completo de 'Nico' da m√ļsica 'Nico e os Niners' - um grande inimigo - √© Nicolas Bourbaki, que √© o pseud√īnimo coletivo para os cientistas que inventaram a nota√ß√£o de zero - o √ł usado na marca de twenty one pilots.
Musicalmente, eles s√£o igualmente pouco convencionais: uma gera√ß√£o Spotify p√≥s-g√™nero mistura de estilos que facilmente se exercitam atrav√©s do rap, reggae, R&B, prog, electro-pop, indie - basicamente, eles voltaram a m√£o para tudo ‚ÄúCanto da garganta mongol‚ÄĚ. No entanto, de alguma forma, √© verdade que "Blurryface" - seu quarto √°lbum inovador - enviou o duo estratosf√©rico em 2015, permitindo que o baterista Josh Dun fizesse seus backflips de marca regristrada nos maiores palcos do mundo.
Nos bastidores da arena, os assistentes [de palco] est√£o montando a elaborada e visualmente espetacular produ√ß√£o de Bandito, que envolve um carro em chamas, e dubl√™ [de corpo] que permitem que um Tyler vestido de capuz desapare√ßa e reapare√ßa, como Houdini, no meio da m√ļsica, em diferentes partes da arena.
Vers√Ķes de brinquedos peludos do Ned - o personagem CGI gremlin que eles introduziram recentemente no v√≠deo "Chlorine" - sobre os alto-falantes. Quando n√≥s primeiro pegamos um vislumbre de Josh - conhecido por suas acrobacias - ele est√° tocando bateria de ar e fazendo piruetas no ar para suas pr√≥prias m√ļsicas. Mais tarde, ele e Tyler brigam com os aspiradores de p√≥ que est√£o sendo usados ‚Äč‚Äčpara aspirar o palco.
Mas eles t√™m foco de laser. Na m√ļsica de "Trench", "Bandito", Tyler canta: "Eu criei este mundo para poder sentir algum controle", e voc√™ acha que isso se estende a todos os aspectos da banda. Sua pequena equipe de prote√ß√£o vem de sua cidade natal, Columbus, e tudo o que a NME faz com a banda acontece sob o olhar atento de seu c√≠rculo √≠ntimo.
Durante nosso bate-papo de 70 minutos, o gerente da turnê está parado na porta do camarim, aumentando a sensação de que você pode ser transportado para um bunker, emergindo meses depois, reprogramado e enrolado em uma fita adesiva amarela.
Felizmente, a banda é charmosa e solícita. O principal compositor, Tyler, vacila de ser intenso a imbecil ("Nós passamos tanto tempo juntos, eu sinto que sei tudo sobre John", ele brinca com Josh).
Quando ele est√° dizendo algo revelador, evita o contato visual. Josh √© seu lastro l√ļdico, tendendo a sentar em sil√™ncio e participar apenas quando h√° uma piada. Nem xinga - nem sequer uma vez. Tendo vindo direto de uma sess√£o de aut√≥grafos do HMV, Tyler est√° preocupado com sua voz. "Eu tentei n√£o falar com nenhum deles, mas n√£o posso evitar", diz ele. "Eu fico tipo: 'Muito obrigado por ter vindo, de onde voc√™ veio?'"
Eles parecem ser tocados pelos extremos aos quais seus apoiadores foram. Do lado de fora, os f√£s at√© se agitaram vestidas como "bispos" em roupas vermelhas enquanto na R√ļssia, roupas de banana apareceram na multid√£o - uma piada sobre como Tyler e Josh, ambos com 30 anos, t√™m avers√£o √† fruta.
"N√≥s fornecemos apenas alguns peda√ßos da inspira√ß√£o, mas eles s√£o os √ļnicos que se tornaram o motor da coisa toda", diz Tyler. Al√©m de Tyler uma vez "ficar na fila por oito horas, quando The Killers tocou minha cidade natal", nenhum deles foi a extremos extraordin√°rios para seus grupos favoritos. ‚ÄúN√≥s desejamos que o n√≠vel de cultura dos f√£s estivesse por perto quando √©ramos mais jovens‚ÄĚ, observa Josh. "Porque muitas dessas hist√≥rias sobre como essas pessoas se conheceram e como elas se tornaram melhores amigas quando est√£o esperando na fila por horas e dias s√£o inspiradoras e legais."
"Blurryface" tornou-se o primeiro disco da hist√≥ria a ter cada uma das m√ļsicas certificadas pelo menos em ouro. Quando eles colecionaram o Grammy em 2017 para Melhor Performance de Pop Duo / Grupo para o single "Stressed Out" (batendo Rhianna e Drake, e Sean Paul - um homem que os descreveu como "o novo Nirvana"), eles tiraram seus boxers em o caminho para o palco, lembrando-se de como uma vez eles assistiram ao show de premia√ß√£o em suas cal√ßas em Columbus e disseram: 'Se algum dia ganharmos um Grammy, dever√≠amos receb√™-lo assim'.
√Č indicativo de sua ambi√ß√£o. Tendo formado Twenty One Pilots como um trio na universidade em 2009, Tyler recrutou Josh e perdeu dois membros em 2011. ‚ÄúDesde o in√≠cio, t√≠nhamos grandes vis√Ķes e sonhos de onde quer√≠amos estar, ent√£o nada nos pegou de surpresa‚ÄĚ, diz Josh , imperturb√°vel. "O que seria mais surpreendente para as pessoas √© quantas vezes nos olhamos e dissemos: 'Sim, √© exatamente isso que imaginamos e o que vimos'.
Durante o ciclo "Blurryface", eles se lembram de vender pequenos clubes, teatros e arenas no mesmo ano. "Quando voc√™ diminui o zoom, voc√™ pode pensar: 'Ah, isso foi muito louco'", diz Josh. "Mas n√≥s est√°vamos em turn√™ desde 2011 tocando em shows todas as noites, ent√£o voc√™ est√° perto demais para perceber isso. √Č como quando seu tio, que n√£o o viu por um ano, chega e diz: "Voc√™ ficou muito alto".
As coisas mudaram, no entanto. Questionado sobre quem √© o contato mais famoso em seu telefone, Tyler passa pela sua lista de contatos antes de parar em Chris Martin ("Isso √© incr√≠vel de dizer em voz alta", ele ri) - o vocalista do Coldplay certa vez deixou uma mensagem de voz sobre a banda. Josh responde: Eu cresci ouvindo uma tonelada de Blink [182], ent√£o pensar que nos √ļltimos anos eu me tornei amigo de Mark [Hoppus], √© surreal. Quando eu era adolescente, eu nunca teria imaginado que iria trocar mensagens com ele.
Em outubro, quando lan√ßaram 'Trench' - ap√≥s um apag√£o de um ano sem envolvimento de m√≠dias sociais ou shows, e uma trilha secreta para os f√£s seguirem levando ao seu an√ļncio - ele s√≥ foi derrotado nas paradas por Lady Gaga e Bradley Cooper, com ‚ÄėNasce Uma Estrela'.
Voc√™ pode argumentar que √© igualmente cinematogr√°fico: as pessoas sugeriram a Tyler que eles deveriam expandir suas promessas dist√≥picas em um longa-metragem. "A inten√ß√£o nunca foi, 'vamos escrever um disco que tenha for√ßa suficiente para se transformar em uma s√©rie da Netflix', mas √© legal saber que criamos algo com subst√Ęncia suficiente para sabermos que essa pergunta est√° sendo feita", ele nega.
Al√©m disso, embora camuflada na fantasia, e a mitologia Dema, com suas refer√™ncias a religi√Ķes antigas como o zoroastrismo, "Trench" √©, na verdade, uma disserta√ß√£o sobre sa√ļde mental do final de vinte anos. Nas composi√ß√Ķes, como nas conversas, Tyler diz suas coisas mais interessantes quando ele n√£o olha nos seus olhos.
Tendo a narrativa preparada ‚Äúdurante anos‚ÄĚ, ele tentou introduzi-la em ‚ÄúBlurryface‚ÄĚ, cujo personagem principal √© uma personifica√ß√£o de sua ansiedade e inseguran√ßa. Durante esse tempo, ele at√© se apresentou com as m√£os e o pesco√ßo revestidos de tinta preta - para representar o aperto t√≥xico de sua ansiedade. A maneira como ele descreve "Trench" √© semelhante a um mapa psicanal√≠tico do Google.
"√Č sobre usar a arte de contar hist√≥rias para entender melhor um problema muito menos fant√°stico que est√° navegando em sua pr√≥pria psique e dando a ela um destino e lugares que voc√™ deve e n√£o deve ir e os personagens que deve evitar. E isso pode ser encontrado dentro da luta de cada pessoa ‚ÄĚ, diz Tyler.
"√Č interessante que 'Blurryface' - onde criei um personagem que representa tudo o que eu n√£o gostei de mim mesmo e tudo o que estou tentando superar coincidentemente foi o √°lbum que realmente aconteceu para n√≥s", continua ele. ‚ÄúO fato de sermos for√ßados a revisit√°-lo todas as noites √© uma li√ß√£o valiosa em suas pr√≥prias inseguran√ßas pessoais: voc√™ trabalha com isso, tenta super√°-lo, mas nunca √© algo que voc√™ pode simplesmente deixar de lado e se separar‚ÄĚ.
Um trio de m√ļsicas em "Trench", Tyler se v√™ totalmente demitido e existe "fora da mitologia da s√©rie Netflix", como ele diz. 'Smithereens' √© uma can√ß√£o de amor bonitinha, dirigida por ukulele para sua esposa, Jenna Black, com quem ele se casou em 2015. 'Legend', entretanto, √© uma homenagem ao seu av√ī, Bobby, que apareceu na capa do √°lbum de 2013 'Vessel 'ao lado do av√ī de Josh. Ele come√ßou a escrever a faixa quando a dem√™ncia de Bobby come√ßou, mas seu av√ī faleceu em Mar√ßo do ano passado, antes que pudesse ouvi-la.
Tyler: ‚ÄúEu menciono nas letras: 'Eu gostaria que ela tivesse te conhecido.‚Äô E eu estou falando da minha esposa, porque quando ela come√ßou a aparecer, ele ficou pior. Ele costumava ser t√£o espirituoso e iluminava um quarto e mudava a din√Ęmica social de qualquer situa√ß√£o, e h√° centenas e centenas de hist√≥rias cl√°ssicas, mas quando ela chegou, ele estava indo depressa. Ele era imprevis√≠vel, n√£o lembrava os nomes das pessoas, o que era um novo tipo de dor.‚ÄĚ
Seus olhos parecem lacrimejar. ‚ÄúMeu pai me contou um momento no final - onde ele se lembrava do meu nome - e perguntou: 'O que o Tyler est√° fazendo?'. Ele sempre perguntava e meu pai tentava explicar: "Ele est√° em uma banda, toca m√ļsica". E ele disse: "Bem, eu quero ouvir uma m√ļsica".
E isso foi antes de eu escrever qualquer coisa para "Trench". Meu pai est√° dirigindo o carro e ele continua insistindo: "Bem, eu quero ouvir uma m√ļsica!". E meu pai n√£o tinha nenhuma m√ļsica no carro. Por puro desespero, ele liga o r√°dio e agita o dial algumas vezes e uma de nossas m√ļsicas est√° ligada e ele pode dizer: "L√° - a√≠ est√° ele e esta √© a sua m√ļsica".
‚ÄúE assim, de uma maneira estranha, voc√™ pode pensar em todo o sucesso e reconhecimento que tivemos, foi apenas para preencher uma pequena hist√≥ria onde meu pai foi capaz de mostrar ao meu av√ī a m√ļsica que eu escrevi naquele momento no r√°dio."
Em ‚ÄėNeon Gravestones‚Äô, tipo Post Malone, Tyler corre contra a alegoria de algu√©m tirando a pr√≥pria vida de alguma forma "glamourosa" em vez de uma trag√©dia, cantando: "Na minha opini√£o, / Nossa cultura pode tratar uma derrota / Como se fosse uma vit√≥ria‚ÄĚ, E a fetichiza√ß√£o irrespons√°vel do Clube 27 (‚Äú Eu poderia desistir e aumentar minha reputa√ß√£o / eu poderia sair com um estrondo / Eles saberiam o meu nome‚ÄĚ).
"Eu estava com medo dessa m√ļsica", diz Tyler. ‚ÄúEnt√£o, essa m√ļsica √© muito preta e branca. Eu trabalhei duro em cada pronome. Porque eu sabia que era um assunto delicado, a √ļltima coisa que eu precisava era que algu√©m entendesse mal o que eu estava tentando dizer. Eu estava com medo de n√£o me esconder atr√°s da met√°fora. Eu entendo que h√° riscos em ser mal interpretado ou deturpado. H√° uma chance absoluta de ofender as pessoas ou parecer desonra, mas eu realmente queria focar nas pessoas que est√£o aqui para ouvir. Eu queria apontar algo que gostaria de ouvir quando estiver passando por esses pensamentos.‚ÄĚ
Tyler aplaude a nova gera√ß√£o de artistas falando abertamente sobre sua sa√ļde mental e desabilitando o estigma. "Eu acho que nossa cultura, quando se trata de suic√≠dio e depress√£o, deu um grande salto", diz ele. ‚ÄúEstou t√£o orgulhoso de que a m√ļsica tenha liderado a capacidade de falar sobre isso t√£o abertamente, e falar sobre isso √© muito importante. Ent√£o, de certa forma, eu realmente sinto que h√° um grande lado disso que tem sido coberto com "vamos falar sobre isso, tipo, voc√™ n√£o √© louco, n√£o h√° nada de errado em apenas olhar quantas pessoas passam por isso".
"Trench" culmina com a abrangente "Leave The City", que Tyler descreveu como uma "crise de f√©". Tanto ele como Josh foram criados em lares religiosos. O pai de Tyler era o diretor da escola crist√£ que ele freq√ľentava; quando Josh era mais jovem, a maioria da m√ļsica secular foi banida, deixando-o para esconder contrabando de √°lbuns do Green Day debaixo da cama.
"Um dos equívocos é por causa de onde estamos e do que conquistamos - e porque as pessoas acham que temos um estilo de vida de rock louco - que aprendemos que não precisamos mais de Deus", explica Tyler. "E não é isso."
‚ÄúEu sou o tipo de pessoa que precisa desafiar tudo e minha f√© √© algo que eu sempre passei por temporadas fortemente desafiadoras e uma vez que eu coloquei em teste e vi o que √©, eu sou capaz de aceitar isto. Durante 'Trench', houve momentos espec√≠ficos em que voc√™ conseguiu ver onde eu estava em minhas temporadas de desafio e re-aceita√ß√£o - e eu definitivamente estava passando por um momento desafiador. ‚ÄĚ
‚ÄúA quest√£o √©: preciso de Deus? A verdade √© que n√£o tenho resposta para isso alguns dias. Alguns dias eu tenho, e porque eu escrevo m√ļsicas, eu escrevo letras - voc√™ vai me ver entender. N√£o posso deixar de abordar esses tipos de perguntas porque √© por isso que comecei a escrever m√ļsicas em primeiro lugar. ‚ÄĚ
Essas grandes quest√Ķes est√£o √† espreita sob o cap√ī de um carro muito brilhante. A raz√£o pela qual twenty one pilots provaram ser t√£o bem sucedidos comercialmente √© porque as pr√≥prias can√ß√Ķes transbordam de ganchos. Voc√™ n√£o precisa saber que "Leave The City" envolve uma crise existencial - ou exige um guia tur√≠stico para Dema - para aproveitar o fato de soar como M83 produzindo My Chemical Romance em sua pompa da Black Parade.
O que n√£o pode ser exagerado √© o qu√£o divertido √© o espet√°culo ao vivo de Twenty One Pilots. Hoje √† noite, eles se abrem com Josh segurando uma tocha acesa, incendiando um carro, e assistindo a fusileantes de shows de m√°gica de Vegas, kits de bateria de multid√Ķes, homens vestidos de Hazmat borrifando n√©voa na plat√©ia, confetes e uma competi√ß√£o para encontrar o melhor pai dan√ßarino.
Não é surpresa que Tyler diga que ele é competitivo: como alguém que já foi oferecido uma bolsa de basquete, pode ser. Coloque-o com outra banda e é como hamsters compartilhando uma jaula.
Quando eles assinaram com o emo-citadel Fueled by Ramen - lar dos amigos Paramore e Panic! At The Disco - Pete Wentz do Fall Out Boy levou-os sob sua asa para martelar isso fora deles. "Ele nos mostrou como ser bons irmãos", diz Tyler. "Quando começamos a tocar localmente, você estaria na lista com outras nove bandas. Você queria que eles explodissem, então você viria e roubaria o show. Quando saímos em turnê como o ato de abertura do Panic! e Fall Out Boy, nós tínhamos a mesma mentalidade, mas Pete disse: "Veja todas aquelas pessoas lá fora - vá e faça fãs".
"E eu nunca percebi...", diz ele com total sinceridade e sem nenhum tra√ßo de hip√©rbole em sua voz - "as pessoas poderiam ser f√£s de mais de uma banda. Mas estar√≠amos mentindo se diss√©ssemos que a vantagem competitiva desapareceu completamente. Queremos ser os melhores - e manter todos os outros afastados‚ÄĚ.
Enquanto "Trench" foi escrito principalmente por Tyler em seu est√ļdio no por√£o em Columbus e enviado para Josh (que agora vive em Los Angeles), seu acompanhamento est√° sendo escrito na estrada. Ele ir√° aprofundar ainda mais no folclore de twenty one pilots. "H√° um personagem sobre o qual n√£o se fala que desempenha um grande papel e √© prov√°vel que este seja o pr√≥ximo passo", diz Tyler.
Josh, por sua vez, tem um casamento para se preparar, tendo se comprometido com a ex-aluna do Disney Channel, Debby Ryan, em Dezembro. Ele brinca que entrará na igreja com solos de bateria. Mas o que há em ambas as mentes é o final da turnê no Reino Unido - estrelando no Reading e Leeds em Agosto.
‚ÄúReading & Leeds √© um dos primeiros festivais que assist√≠amos quando nos conhec√≠amos‚ÄĚ, diz Tyler. ‚ÄúN√≥s assist√≠amos a v√≠deos na internet. Nos concentramos nesse programa h√° meses, no que a produ√ß√£o vai ser.‚ÄĚ
Tyler olha para os sapatos, frustrado consigo mesmo. "N√£o consigo expressar exatamente como isso √© importante, mas estamos muito animados em poder provar que esse √© o lugar onde pertencemos. Nem todo mundo est√° l√° na plat√©ia para ver voc√™ e voc√™ tem que conquist√°-los, voc√™ tem que trabalhar duro para eles. H√° outras bandas tentando se destacar e estamos prontos para tirar a cabe√ßa deles.‚ÄĚ
Resist√™ncia - liderada por bandidos ou n√£o - √© f√ļtil.
submitted by Spookycliquebr to u/Spookycliquebr [link] [comments]


2019.01.22 03:55 pedrothegrey Afrodite com mau gosto

São uma da manhã, e Borges ainda não redigira nenhuma palavra. Havia apagado a luz do quarto, desligado os computadores, deixado o celular carregando bem longe. Sua prosa é a linguagem de um rapaz que se quer fazer impressionar, contorce palavras grandes e faz caber pequenos conceitos noturnos nas manchas do papel. O autor, no entanto, é o que é, o que só poderia ser, e sua escrita acompanha essa mesma sina.
Enquanto procurava inspiração, uma barata entrava pela janela de seu quarto. Como se ouvisse as patinhas em seu rápido movimento, sua escama levemente pegajosa, lembrou-se de Kafka. "Inspiração, afinal!", pensou. Tão logo segurou na caneta e se lembrou de que não havia entendido "A Metamorfose", havia achado enfadonho e sem ritmo. Talvez essa fosse sua grande inspiração, a fonte da qual sugava suas obras. Mas elas não eram suficientemente enfadonhas, nem tão sem ritmo que o leitor pudesse dormir. Era apenas o que era.
Em seu copo de café, eternamente cheio, pousa uma mosca. Que se contorce no liquido denso, engolida pela ambição. "Sartre, ora essa!", pensou. Mas ao pegar a caneta se lembrara de que também não havia entendido "A Náusea", de que havia achado o livro estranho e que no fundo, para Borges, existencialismo era questão estética.
A lua vertia sua luz pela janela, estava cheia e linda. "Pois bem, Cummings era o que precisava!", pensou. Mais uma vez se lan√ßou √† caneta, mas ele havia esquecido o poema que o incitou a escrever. Borges havia lido Cummings uma vez, e se perguntou, desde ent√£o, o que a lua de fato significava, sabendo que a resposta n√£o era importante. A pergunta o era, mas Borges ainda n√£o havia compreendido esse fato. √Č preciso que o escritor conhe√ßa isso antes que se preste a escrever qualquer coisa, mas Borges n√£o era escritor.
‚ÄúSer√° poss√≠vel que a escrita possa ser natural, leve?", se perguntou. Pois, para Borges, nada havia no escrever que n√£o fosse diferente de um di√°rio de uma adolescente. Os temas que o suscitavam a escrever eram os mesmos que incomodam a todos os homens, no entanto, quando a vida n√£o o humilhava levemente, quando n√£o havia sido consumido por ci√ļmes, quando a raiva n√£o o fazia arrancar os cabelos, quando n√£o chorava em sil√™ncio, ele n√£o podia escrever. Seu grande pecado foi depender da melancolia como sua parceira, foi trocar o caf√© pelo vinho.
Sua alma, no entanto, tinha muito o que dizer. Borges se frustava, muitas vezes, ao olhar nos olhos da mulher que ama, e n√£o conseguir dizer (e dizer tudo). Se punha a escrever, repleto do amor que sentia, mas nada dizia que valesse ser ouvido. Havia ‚ÄĒ e, na verdade, h√° ‚ÄĒ em seu cora√ß√£o um desejo de sensibilidade e beleza, que nenhum grego jamais desejou. No entanto, caso Nietzsche o olhasse de soslaio, sem reparar muito, n√£o o iria condenar tamb√©m √† cicuta. Mas tampouco os gregos o entenderiam, seus ideais eram perfeitamente limitados em sua vasta consci√™ncia ondulante. O teriam considerado alma de ferro, um fazendeiro, comerciante, jamais um fil√≥sofo. Jamais.
A Gr√©cia, no entanto, se desfaleceu, e Nietzsche morreu aos bra√ßos do cavalo a√ßoitado ‚ÄĒ o √ļnico que entendeu suas obras ‚ÄĒ e Borges n√£o tinha que se preocupar com nenhuma dessas coisas. N√£o h√° nele nenhum compromisso com escola alguma de pensamento, o que por si s√≥, deve ser comprometimento com alguma delas. H√° nele apenas o desejo de se fazer entender por sua Helena, a Afrodite que escolhera o Narciso que viu seu reflexo, mas n√£o se apaixonou.
submitted by pedrothegrey to EscritoresBrasil [link] [comments]


2019.01.22 03:50 pedrothegrey Afrodite com mau gosto

São uma da manhã, e Borges ainda não redigira nenhuma palavra. Havia apagado a luz do quarto, desligado os computadores, deixado o celular carregando bem longe. Sua prosa é a linguagem de um rapaz que se quer fazer impressionar, contorce palavras grandes e faz caber pequenos conceitos noturnos nas manchas do papel. O autor, no entanto, é o que é, o que só poderia ser, e sua escrita acompanha essa mesma sina.
Enquanto procurava inspiração, uma barata entrava pela janela de seu quarto. Como se ouvisse as patinhas em seu rápido movimento, sua escama levemente pegajosa, lembrou-se de Kafka. "Inspiração, afinal!", pensou. Tão logo segurou na caneta e se lembrou de que não havia entendido "A Metamorfose", havia achado enfadonho e sem ritmo. Talvez essa fosse sua grande inspiração, a fonte da qual sugava suas obras. Mas elas não eram suficientemente enfadonhas, nem tão sem ritmo que o leitor pudesse dormir. Era apenas o que era.
Em seu copo de café, eternamente cheio, pousa uma mosca. Que se contorce no liquido denso, engolida pela ambição. "Sartre, ora essa!", pensou. Mas ao pegar a caneta se lembrara de que também não havia entendido "A Náusea", de que havia achado o livro estranho e que no fundo, para Borges, existencialismo era questão estética.
A lua vertia sua luz pela janela, estava cheia e linda. "Pois bem, Cummings era o que precisava!", pensou. Mais uma vez se lan√ßou √† caneta, mas ele havia esquecido o poema que o incitou a escrever. Borges havia lido Cummings uma vez, e se perguntou, desde ent√£o, o que a lua de fato significava, sabendo que a resposta n√£o era importante. A pergunta o era, mas Borges ainda n√£o havia compreendido esse fato. √Č preciso que o escritor conhe√ßa isso antes que se preste a escrever qualquer coisa, mas Borges n√£o era escritor.
‚ÄúSer√° poss√≠vel que a escrita possa ser natural, leve?", se perguntou. Pois, para Borges, nada havia no escrever que n√£o fosse diferente de um di√°rio de uma adolescente. Os temas que o suscitavam a escrever eram os mesmos que incomodam a todos os homens, no entanto, quando a vida n√£o o humilhava levemente, quando n√£o havia sido consumido por ci√ļmes, quando a raiva n√£o o fazia arrancar os cabelos, quando n√£o chorava em sil√™ncio, ele n√£o podia escrever. Seu grande pecado foi depender da melancolia como sua parceira, foi trocar o caf√© pelo vinho.
Sua alma, no entanto, tinha muito o que dizer. Borges se frustava, muitas vezes, ao olhar nos olhos da mulher que ama, e n√£o conseguir dizer (e dizer tudo). Se punha a escrever, repleto do amor que sentia, mas nada dizia que valesse ser ouvido. Havia ‚ÄĒ e, na verdade, h√° ‚ÄĒ em seu cora√ß√£o um desejo de sensibilidade e beleza, que nenhum grego jamais desejou. No entanto, caso Nietzsche o olhasse de soslaio, sem reparar muito, n√£o o iria condenar tamb√©m √† cicuta. Mas tampouco os gregos o entenderiam, seus ideais eram perfeitamente limitados em sua vasta consci√™ncia ondulante. O teriam considerado alma de ferro, um fazendeiro, comerciante, jamais um fil√≥sofo. Jamais.
A Gr√©cia, no entanto, se desfaleceu, e Nietzsche morreu aos bra√ßos do cavalo a√ßoitado ‚ÄĒ o √ļnico que entendeu suas obras ‚ÄĒ e Borges n√£o tinha que se preocupar com nenhuma dessas coisas. N√£o h√° nele nenhum compromisso com escola alguma de pensamento, o que por si s√≥, deve ser comprometimento com alguma delas. H√° nele apenas o desejo de se fazer entender por sua Helena, a Afrodite que escolhera o Narciso que viu seu reflexo, mas n√£o se apaixonou.
submitted by pedrothegrey to rapidinhapoetica [link] [comments]


2019.01.06 09:31 franciscagiselle Ensinando seus filhos sobre os Santos.

Quando meu marido e eu nos tornamos ortodoxos orientais sete anos atr√°s, eu sabia que tinha chegado em casa. No entanto, eu n√£o sabia como fazer minha pr√≥pria casa refletir minha nova f√© . Esta s√©rie - "Ent√£o eu sou ortodoxo, agora o que?" - √© baseada nas perguntas que fiz a mim mesmo nos primeiros anos ap√≥s a nossa crisma: Como eu poderia tornar a nossa casa uma "pequena igreja"? Como eu poderia instruir meus filhos em uma f√© que eu estava apenas come√ßando a explorar? Depois de algumas experi√™ncias, conversas com m√£es ortodoxas mais velhas e mais s√°bias, leituras e instru√ß√Ķes de pais espirituais, encontrei maneiras de criar um lar ortodoxo. Espero que esta s√©rie possa fornecer incentivo e id√©ias pr√°ticas para novos convertidos e um f√≥rum para que fam√≠lias ortodoxas mais experientes possam compartilhar suas pr√°ticas.
Minha m√£e √© muito mais criativa do que eu. Alguns anos atr√°s, quando o Big Brother tinha cerca de um ano de idade, ela fez dele um belo livro. Este livro foi uma introdu√ß√£o √† sua fam√≠lia - seus nomes, uma foto deles e uma foto deles com meu filho. Ele adorava ver fotos de sua av√≥ e vov√ī, tias e tios, mam√£e e papai.
Ele adorava ver sua família.
Quando nos tornamos cristãos ortodoxos sete anos atrás, eu estava um pouco incerto sobre como lidar com os santos. Quero dizer, eles pareciam tão estranhos à minha educação protestante. Quem eram essas pessoas cujos ícones enchiam as paredes da nossa igreja? Por que eu deveria me importar com eles? O que eles têm a ver com a minha vida?
E então percebi que eles eram minha família.
Na Igreja Ortodoxa, percebemos que nenhum cristão pode viver uma vida de fé sozinho. Somos parte de uma comunidade - e não apenas de uma comunidade local (embora isso seja extremamente importante). Nossa comunidade, nossa família, está em todo o mundo e ao longo do tempo.
Assim como herdei o temperamento mal-humorado da minha bisav√≥, aprendi com o amor do meu av√ī pela terra e tentei emular o dom de ensinar da minha m√£e, e tamb√©m estou ligado √† minha fam√≠lia espiritual. Esses santos que vieram antes de mim me fornecem exemplos da f√©. Eles oram por mim enquanto eu passo por prova√ß√Ķes. Eles me animam na minha jornada em dire√ß√£o √† salva√ß√£o.
Depois que percebi o quanto essa comunidade dos santos é realmente importante, precisei descobrir como apresentar meus filhos a essa família.
Ensinando seus filhos sobre os santos.
Na minha experi√™ncia, as crian√ßas tendem a ser fascinadas pelos santos. Beb√™s e crian√ßas adoram beijar √≠cones, crian√ßas pequenas gostam de livros ilustrados que descrevem suas vidas, e crian√ßas mais velhas e adolescentes encontram inspira√ß√£o em sua f√©. Aqui est√£o algumas coisas que eu, como m√£e e professora da escola da Igreja, achei √ļteis:
  1. Leve os filhos à Igreja.
Quando estiver na igreja, aponte os ícones dos santos nas paredes e o iconóstase. Explique que os ícones de Cristo e Theotokos estão sempre na frente, assim como os de São João Batista e o santo padroeiro da igreja. Ajude-os a escolher ícones que mostrem festas que eles conhecem. Veja se eles podem encontrar um ícone do santo que eles receberam o nome.
Apontar o hino para o santo que está sendo lembrado naquele dia. Se a sua igreja imprimir uma descrição da vida desse santo no boletim, leve-a para casa e leia-a no jantar. Cante, cante ou leia o hino do santo novamente.
  1. Ouça o recurso "Saint of the Day", Santo do dia.
A Ancient Faith Radio tem um √≥timo podcast chamado Saint of the Day . Este breve (geralmente 2-5 minutos) mostra a vida do santo do dia. Eu aprendi muito ouvindo diariamente! Sua fam√≠lia pode ouvir juntos em um hor√°rio definido todos os dias - talvez as ora√ß√Ķes da manh√£ ou da tarde ou no jantar. Tente fazer perguntas e ter uma discuss√£o depois.
  1. Leia livros infantis.
Há tantos grandes livros ilustrados sobre a vida dos santos. Considere a compra de alguns para adicionar à biblioteca da sua família. Ou talvez outras famílias em sua igreja possam iniciar um programa de troca de livros. Alguns de nossos livros favoritos são:
‚ÄĘ S√£o Jorge e o Drag√£o. ‚ÄĘ Os corvos de Farne: Um conto de "Saint Cuthbert", S√£o Cuthbert. ‚ÄĘ A vida de Santa Brigida: abadessa de Kildare. ‚ÄĘ A hist√≥ria de Maria, a m√£e de Deus.
  1. Celebre os Dias dos Nomes.
Faça um grande negócio sobre o dia do nome do seu filho. (Na Igreja Ortodoxa, a cada criança é dado o nome de um santo com quem eles têm uma conexão especial durante toda a sua vida.) Eu escrevi mais extensivamente sobre idéias para celebrar um dia de nome aqui . Ajude seu filho a aprender mais sobre o santo e desenvolver esse relacionamento.
  1. Preencha a casa com ícones.
Cada lar ortodoxo deve ser uma ‚Äúpequena igreja‚ÄĚ. Uma maneira simples e profunda de fazer isso √© ter muitos √≠cones ao redor da casa e no canto do √≠cone . Deixe seus filhos verem e venerarem os √≠cones, contar-lhes as hist√≥rias daqueles santos, pedir suas ora√ß√Ķes. Se nossas casas est√£o cheias de imagens de nossas fam√≠lias terrenas, elas n√£o deveriam estar cheias de imagens de nossa fam√≠lia espiritual?
Outros recursos √ļteis:
-Sylvia em Adventures of a Orthodox Mom tem muitos posts sobre v√°rios santos
Ao nos esforçarmos para criar nossos filhos na fé, vamos apresentá-los aos santos que vieram antes. Então, uma vez que estamos cercados por tão grande nuvem de testemunhas, vamos nos apressar em direção ao prêmio - Cristo Jesus.
Como você ensina seus filhos sobre os santos?
Fonte: http://www.orthodoxmotherhood.com/teaching-your-children-about-the-saints/
submitted by franciscagiselle to u/franciscagiselle [link] [comments]


2018.07.13 00:27 Guilherme_marquess Literatura - Contos

Boa noite comunidade do reddit Brasil, já faz algum tempo que venho pensando em publicar um livro de contos, a minha ideia é produzir uma série de contos que envolvam temas que estão em pauta na sociedade atual e assuntos que são pouco abordados, temas como estupro, assassinato, machismo, racismo, incesto, suicídio, temas que acontecem no cotidiano, aparecem nos dados, mas as pessoas em sua maioria mesmo conhecendo algum caso, deixam de lado. Ainda preciso evoluir muito na questão da escrita, mas trago para vocês uma pequena amostra do que tenho escrito. Quem possuir alguma dica construtiva, indicação de alguma forma de conhecimento que possa ajudar-me, ficarei grato.
Nunca teve muitos desejos desde de pequeno e adolescente, conformava-se com qualquer situa√ß√£o onde se encontrava. N√£o sentiu interesse em entrar em uma faculdade, tamb√©m n√£o em conseguir um trabalho que lhe pagassem bem, afinal nunca foi de gastar muito com qualquer coisa. Trabalhava em uma empresa de √īnibus local, conseguiu o emprego depois de concluir seu ensino m√©dio, permaneceu anos na mesma linha e no mesmo hor√°rio, nunca cogitando trocar de emprego e se quer alterar a linha que fazia, gostava daquele, era perto de sua casa e tinha uma carga hor√°ria menor que as demais linhas.
Todos os dias passava pelos mesmos locais, conhecendo cada pessoa que entrava nas paradas durante o percurso, sentia falta quando algu√©m n√£o entrava, conseguiu at√© fazer umas amizades que puxavam assunto de vez enquanto. Conhecia cada local, cada casa, cada loja, conhecia tudo o que existia e que havia sido constru√≠do depois que come√ßou a trabalhar naquela linha. Era uma pessoa extremamente pontual, sempre acordava, arrumava-se, andava alguns metros at√© chegar na garagem dos √īnibus, cumprimentava todos os funcion√°rios do local, fazia sua ora√ß√£o e saia exatamente 7:30, n√£o saia um minuto antes e se quer um minuto depois, sempre pontual e chegando nas paradas no hor√°rio previsto, quando possu√≠a afinidade com algum passageiro e sabia que ele estava chegando, encontrava um modo de atrasar um √īnibus e rever a pessoa entrando em seu √īnibus, era um dos seus pequenos motivos de felicidade.
Trabalhava anos naquela profiss√£o, uma das √ļnicas mudan√ßas durante 50 anos de trabalha foi troca de cobrador, pois ele que conseguiu passar em um concurso p√ļblico para trabalhar na capital e uma mudan√ßa de √īnibus porque com o p√©ssimo estado de algumas partes da cidade, √īnibus acabou sendo afetado. Durante os anos de profiss√£o, ocorreu algumas greves por um sal√°rio melhor, greves para melhorar as pistas e seguran√ßa para os motoristas que frequentemente passavam por p√©ssimas experi√™ncias por causa de pessoas que entravam mostrando ser passageiros e depois disso, anunciavam um assalto e levava os pertences dos passageiros e dinheiro guardado no caixa, mesmo com todos esses acontecimentos, n√£o concordava com as manifesta√ß√Ķes, afinal, nunca tinha acontecido com ele, sendo assim, algo que n√£o lhe afetava, assim como o valor do sal√°rio e a qualidade das estradas, estava perfeitamente satisfeito com as p√©ssimas condi√ß√Ķes e gostava de ficar observando o que acontecia durante o percurso e olhar a express√£o dos passageiros pelo retrovisor que de vez enquanto, sorriam para ele.
Sua fam√≠lia era muito simples, filho √ļnico, seu pai era policial e ganhava um sal√°rio suficiente para manter as coisas em casa e sua m√£e por ter sofrido um acidente, tinha sido invalidada e passado o resto de sua vida em casa. Perdeu ambos muito cedo, seu pai acabou sendo baleado enquanto estava sem servi√ßo e sua m√£e por uma p√©ssima alimenta√ß√£o e poucos exerc√≠cios, desenvolvido uma doen√ßa nos m√ļsculos e falecendo alguns meses depois. Ele nunca foi muito pr√≥ximo de ambos e ficou mal por algumas semanas mas depois disso, tornando-se e continuando em sua profiss√£o focado como desde o come√ßo. Algumas vezes chegou a conversar com algumas mo√ßas, mas nunca tendo amado de verdade, muito menos se apaixonado, n√£o sentia interesse em qualquer forma de rela√ß√£o e algo do g√™nero nunca fez falta, acabou passando a vida s√≥ e mesmo assim, sem esposa, namorada, sem amigos, apenas mantinha contato com seus colegas de trabalho mas nenhum dessas intera√ß√Ķes, jamais saindo do √Ęmbito de seu trabalho, era apenas por necessidade.
Naquela mesma cidade, morava um garoto que sempre mostrou ser uma pessoa bastante curiosa, perguntava para seus pais sobre o que causava cada coisa, sobre o mundo, sobre o universo, sobre as pessoas, sempre lia livros de fantasias e cada vez mais interessava-se por cada coisa aparecia para seus olhos. Estudava em uma escola p√ļblica da regi√£o mas frequentemente faltava por causa da falta de professores, mas sempre que conseguia, fazia de tudo para conseguir chegar em sua aula. O √īnibus que pegava era o mesmo da linha do motorista, sempre fica observando aquele senhor, por vezes escutou os passageiros comentarem que ele era sozinho, tamb√©m que a sua rotina se baseava no trabalho e sua casa. Sempre se perguntava se ele era feliz daquele modo, porque a vida dele era assim e se algo tinha levado ele a viver daquele modo, era realmente um mist√©rio para ele e todos os dias se pegava pensando nisso. Muitas pessoas parecem possuir um passado interessante e tamb√©m uma vida mas quando conhecemos sua verdadeira face, n√£o existe muitas coisas que realmente podem nos impressionar como esper√°vamos. Era esse o caso mas a imagina√ß√£o do jovem lhe proporcionava imaginar milhares de coisas sobre o senhor que mal conhecia e todos falavam mal.
Um dia o garoto ficou at√© tarde acordado escrevendo um trabalho, precisava da nota para passar na mat√©ria e ent√£o mesmo lutando contra o sono, permaneceu acordado. Seus pais lhe acordaram e mesmo com sono, fez suas atividades matinais, tomou seu banho e despediu-se dos pais, logo depois caminhou at√© a parada pr√≥xima e esperou o √īnibus. O √īnibus estava com poucas pessoas, algo que raramente acontecia mesmo sendo uma cidade com poucas pessoas, ent√£o pensou que poderia tirar um cochilo antes que o √īnibus chegasse em sua parada. Encostou pr√≥ximo ao vidro colocando o seu casaco como uma esp√©cie de travesseiro e fechou os olhos, depois de alguns minutos caindo no sono e por estar cansado, passando direto da sua parada, acordando apenas no terminal. Ficou extremamente preocupado por n√£o conhecer aquele local da cidade e tamb√©m por perder os pontos que precisava para passar no bimestre. O motorista que sempre pensava sobre a vida, estava no √īnibus, ent√£o saiu pela porta de tr√°s e entrou novamente no √īnibus, sentando-se nos bancos atr√°s do banco do motorista e aproveitando a falta de movimento e a oportunidade de matar parte de sua curiosidade, olhou para o senhor e ent√£o disse:
- √Č verdade o que dizem sobre o senhor? - O que dizem sobre mim? - Que o senhor n√£o tem fam√≠lia, que tem muitos anos que sua vida √© apenas dirigir esse √īnibus e descansar at√© o outro dia em sua casa.
O senhor ficou sem express√£o por alguns segundos, olhou nos retrovisores e ent√£o calmamente respondeu o garoto:
- Desconheço porque dizem essas coisas sobre mim, não importa o que faço fora daqui e também, o que faço da vida, mesmo assim, é verdade, perdi meus pais muito cedo e trabalho nessa profissão tem um bom tempo, mas isso não é algo que você ou alguma outra pessoa precise se preocupar.
O garoto achou grossa a resposta do senhor que sempre era tão calmo, esperava que ele respondesse que era uma mentira, possuía expectativas que fosse apenas um boato de pessoas que não conseguem conversar sobre algo mais interessante. Mesmo assim, não estava decepcionado com a cruel verdade sobre o senhor que idealizou uma vida fantástica, não desistiu de continuar com suas perguntas, na verdade, ficou empolgado e perguntou:
- Mas por qual motivo sua vida é assim? Digo, porque nunca pensou em fazer outra coisa? Porque continua fazendo as mesmas coisas? Isso não lhe torna infeliz?
- Pelo contr√°rio, eu gosto de todas as coisas que fa√ßo, tudo isso que vivo, foram minhas escolhas, continuo bem fazendo isso, nunca parei para pensar em fazer outra coisa. Sou bem feliz com a minha vida, espero que consiga ser feliz do mesmo jeito que eu sendo sincero, ainda possui muito para viver, √© jovem, cheio de pensamentos, cheio de vontades, espero que fa√ßa bom uso disso tudo. Tenho que continuar prestando aten√ß√£o no tr√Ęnsito, n√£o seria bom caso eu batesse em algum carro por descuido.
O garoto ficou frustrado, n√£o era o que esperava, n√£o conseguiu encontrar nada demais, sem grandes feitos, sem grande aventuras, n√£o era o que ele imaginava. Ent√£o, apenas dirigiu-se para os bancos traseiros, sentou-se e ficou l√° at√© sua parada. Apenas uma das primeiras decep√ß√Ķes que al√ßamos esperar demais de coisas que n√£o possuem muito para nos apresentar, mesmo assim, valendo a pena conhecer .
Depois de passar boa parte do tempo pensando nos questionamentos do jovem, o senhor terminou a sua linha e caminhou até sua casa. Trocou de roupa e esquentou a comida que tinha guardado do dia anterior, sentou-se no sofá e ligou sua pequena televisão. Depois de jantar, parou para pensar sobre o seu dia, mesmo com poucas coisas interessantes, sempre cultivava esse hábito. Pensando sobre porque as pessoas falavam mal dele mesmo ele sempre esforçando-se para agradar as pessoas. Não compreendiam porque esperavam mais coisas sobre a vida dele, também as críticas por trás do seu estilo de vida. Ficou minutos pensando nisso até que caiu no sono, depois disso, nunca mais pensou nessa questão. Continuou mantendo sua rotina, seu estilo de vida, por mais alguns anos seguidos sem mudar absolutamente nada além dos pratos preferidos por ter desenvolvido diabetes por sempre mascar balas enquanto dirigia.
Anos mais tarde, teve sua aposentadoria for√ßada por causa de pol√≠ticas dentro da empresa referente ao tempo de perman√™ncia no emprego. Mesmo contra sua vontade, teve que abandonar seu emprego e deixar tudo aquilo que ocupava todo o seu cotidiano. Com uma express√£o triste, pegou algumas coisas que guardava em seu arm√°rio, seu escapul√°rio que estava no retrovisor do √īnibus e seus ex-colegas de trabalhos. Voltou para sua casa, sentou-se e pensou sobre o que poderia fazer agora que encontrava-se sem emprego e o que poderia fazer com o sal√°rio da aposentadoria e as econ√īmicas que conseguiu durante todos os anos trabalhando como motorista. Como j√° estava tarde, decidiu dormir e pensar sobre o que faria de sua vida, deitou-se e em um sono tranquilo, adormeceu sem muita preocupa√ß√£o, o que viria depois ainda n√£o estava claro para o velho senhor toda a complica√ß√£o.
Depois que acordou involuntariamente continuou sua rotina, at√© perceber que depois dos h√°bitos que cultivava em sua casa nada mais teria para fazer. Quando a nova realidade apareceu mais clara em sua mente, mais fresca e todo o vazio que restava depois disso, lhe abalou como um terremoto abala um pr√©dio e tudo o que resta √© esperan√ßa de que continue em p√© mesmo com todos os danos que deixam marcam em sua estrutura. Se manteve parado em frente a sua porta, pensando para onde iria, o que faria, se perguntando o que poderia fazer em sua casa, mas n√£o chegava em nada demais, nunca se preocupou com alguma esp√©cie de entretenimento, nunca ficou muito tempo al√©m da noite descansando dentro da sua casa. Dentro de todo aquele vazio sem pessoas, sem cor, encarava a porta, pensando em tudo o que poderia existir l√° fora, mas uma d√ļvida enorme apresentava-se para ele, mesmo tendo andando por anos naquela cidade, conhecia apenas os locais por onde sua linha passava, conhecia apenas as pessoas que entravam em seus √īnibus e os seus colegas de trabalho. Percebeu que aqueles pequenos locais, era o seu mundo, que as pessoas, n√£o passavam de um mero cen√°rio, passou anos dentro de uma realidade que se quer conhecia, toda a perspectiva de conhecer, uma ilus√£o. Todo o entretenimento que poderia ter, perdeu-se com o tempo em seu pr√≥prio mundo sem se quer ele perceber, sem conhecer nada, mesmo vivendo anos, sem ter feito nada mesmo com muitas coisas para fazer e com tanto dinheiro acumulado que n√£o foram gastos com absolutamente nada. Andou pelos c√īmodos de sua casa, n√£o tinha nada que tinha produzido, n√£o tinha nada que comprou e muito menos que recebeu de presente de algu√©m, nenhum feito, nenhuma mem√≥ria feliz, nada que ele poderia observar e reconhecer como algo que fez sua vida valer a pena.
Saiu da sua casa e andou pela rua, n√£o reconhecia o que as pessoas estavam dizendo, n√£o reconhecia o que as pessoas estavam vestindo, com tantos anos estando na dire√ß√£o de um √īnibus, n√£o sabia onde cada uma das outras linhas levavam e pensava se os motoristas tinham uma vida como a sua, se as pessoas sentadas no banco do passageiro, pensavam o mesmo que o jovem anos atr√°s que atualmente deveria estar adulto comentou sobre o que falavam sobre ele e ele t√£o preso em sua rotina n√£o foi capaz de perceber. Sentia-se uma pessoa de outro mundo, outra realidade, sentia-se distante de todo aquele mundo onde permaneceu anos inserido que agora, depois de tudo, parecia algo totalmente novo. Pensava sobre o que poderia ter feito, como tudo poderia ter sido diferente, se agora estaria mais feliz, se agora poderia sentar-se em uma mesa e contar para a juventude tudo o que aprendeu, tudo o que viveu, tudo o que absorveu do mundo. Agora n√£o tinha a mesma sa√ļde, n√£o tinha o mesmo tempo, sua conta dinheiro para viajar para qualquer lugar, comprar o que quisesse, visitar algum local que gostasse, mas n√£o conhecia nada, se quer tinha escutado falar, tamb√©m, n√£o poderia convidar algu√©m para uma conversa, n√£o conhecia ningu√©m, n√£o poderia compartilhar algo que sentia, n√£o tinha vivido nada que lhe despertasse amor, felicidade, prazer, muito menos uma pessoa que pudesse escutar tudo o que depois de ter percebido o enorme vazio que tinha criado, era como aquelas pessoas e locais que apareciam durante o seu percurso, encontravam-se l√°, mas eram desconhecidas, n√£o conhecia sentimentos, memorias, olhares, gestos, o que amavam, suas comidas e m√ļsicas favoritas, seus momentos felizes, seus pensamentos, sua hist√≥ria, estavam l√°, mas ao mesmo tempo, n√£o eram nada, depois de sumirem da vis√£o, nada restaria daquelas pessoas, assim como depois que partisse, n√£o teria feito, nada teria criado, nada teria conhecido, se encontraria no mesmo estado dos primeiros anos da sua vida de imaturidade, indecis√Ķes, inoc√™ncia, anos de vida e nada vivendo. O senhor apenas pensava se poderia ainda viver o que n√£o viveu, fazer algo que compensasse todo o tempo que perdeu, se ainda restaria algo para sentir, viver, conhecer, se o mundo que todos os dias se apresentava poderia lhe fazer sentir tudo o que n√£o tinha sentido.
submitted by Guilherme_marquess to u/Guilherme_marquess [link] [comments]


2017.11.29 20:20 tombombadil_uk Today I fucked up: a estranha sensação de reencontrar um amor do passado 12 anos depois / Parte 3

Galera, finalmente postando a √ļltima parte da saga. Depois de pensar para caralho, resolvi falar com ela pelo Facebook e marcamos de nos encontrar num caf√© pertinho da pra√ßa onde nos esbarramos. Para quem n√£o conhece a hist√≥ria desde o come√ßo:
Parte 1 - TL/DR: sou casado, reencontrei uma garota por quem eu era apaixonado há 12 anos e só nesse reencontro eu percebi como eu fui um imbecil com ela. Em resumo, nós éramos grandes amigos, eu fiquei com medo de me declarar, meti o pé do curso de inglês que fazíamos sem dar nenhuma explicação e desapareci completamente da vida dela.
Parte 2 - TL/DR: comecei a me perguntar se aquela garota que eu reencontrei realmente era ela, já que ela parecia tão mais velha. Depois de dezenas de tentativas, achei ela no Facebook e sim, realmente era ela. Descobri que um amigo meu já tinha saído com uma prima dela há muito tempo e soube que ela teve uma vida bem escrota, foi abandonada por um marido meio babaca e agora basicamente vivia só pelo filho na casa dos pais.
Parte 3 - Taí. Nos reencontramos. Foi uma experiência que eu não sei classificar. Foi feliz, foi triste. Foi amargo, foi doce. Foi impressionante. A gente chorou um pouco junto. Escrevi um pouco ontem à noite e terminei hoje de manhã.
Só queria agradecer a todos os conselhos e dicas que recebi aqui. Reencontrar alguém do passado é uma coisa que mexe muito com a gente, faz com que nosso coração se sinta naquela época novamente. Essas quase três semanas foram muito estranhas. Foi quase uma viagem no tempo por coisas que eu achava já ter esquecido completamente. Infelizmente não posso dividir muito disso com amigos próximos, então fica aqui o desabafo.
Esse √ļltimo ficou mais longo do que eu esperava. Honestamente, a gente conversou tanto que acho que resumi at√© demais. Como da primeira vez, fiz em formato de conto. Novamente, obrigado a todo mundo que deu um help nessa hist√≥ria, que finalmente se fechou.
Era um caf√© bonito. Novo da regi√£o, era um daqueles neg√≥cios em que voc√™ v√™ o cora√ß√£o de um sonho do dono. As mesas r√ļsticas de madeira, as l√Ęmpadas suspensas que desciam do teto em fios de prata, como teias de aranha tecidas por vagalumes. O quadro negro cuidadosamente preenchido com os pre√ßos e at√© desenhos estilizados de alguns pratos. No fundo, um jazz instrumental marcava presen√ßa de forma t√™nue. Tamb√©m era um daqueles neg√≥cios que voc√™ sabe que n√£o vai durar muito. Que voc√™ bate o olho e pensa: ‚Äúcom essa crise, √© melhor eu dar um pulo l√° antes que feche‚ÄĚ.
Eu presto atenção a cada detalhe ao meu redor. À roupa preta das atendentes, ao supermercado do outro lado da rua que vejo pela vitrine. Aos clientes que entram e saem de uma loja das Casas Pedro. Eu não quero esquecer de absolutamente nada. Era um ritual meu que fiz pela primeira vez aos 14 anos. Sempre tive boa memória, mas naquela época eu me esforcei para colocá-la inteiramente em ação. Era um verão e eu estava prestes a reencontrar uma prima que, anos atrás, fora minha primeira paixão. Ela nos visitava de anos em anos e, três anos após trocarmos beijos juvenis debaixo do cobertor, ela havia acabado de chegar à casa dos meus avós, onde se hospedaria.
Naquela noite, eu n√£o consegui dormir. Por volta das 4h da manh√£, peguei meu cachorro e caminhei 15 minutos em meio √† madrugada at√© a casa da minha av√≥. N√£o, n√£o fui fazer nenhuma surpresa matinal ou pular a janela em segredo. Eu apenas fiquei do outro lado da rua e observei tudo ao meu redor. ‚ÄúEu vou lembrar desse reencontro para o resto da minha vida‚ÄĚ, pensei, do alto dos meus 14 anos. ‚ÄúEu quero lembrar de cada detalhe‚ÄĚ.
E até hoje eu lembro. Da rua cujo chão estava sendo asfaltado, mas onde metade da pista ainda exibia os bons e velhos paralelepípedos. Das plantas da minha avó balançando ao vento, o som singelo dos sinos que ela mantinha na varanda e davam àquilo tudo um clima quase de sonho. Do meu cachorro, fiel companheiro que viria a morrer dois anos depois, sentado ao meu lado com metade da língua para fora. Do frescor da madrugada que precedia o calor inclemente das manhãs do verão carioca.
Mas n√£o √© dessa mem√≥ria - e nem dessa paix√£o - que eu falo no momento. Eu falo dela. Dela, que eu reencontrei depois de tanto tempo. Que eu julgava j√° ter esquecido. Que, apenas mais de dez anos depois, eu percebi que tinha sido um babaca ao desaparecer sem qualquer despedida. Mesmo que ela jamais tivesse segundas inten√ß√Ķes comigo, mesmo que fosse apenas uma boa amiga, eu havia errado. E aquela era o dia de colocar aquilo, e talvez mais, a limpo.
Foram tr√™s semanas de tortura comigo mesmo. Desde que achara seu perfil no Facebook e ouvira de um amigo em comum not√≠cias de uma vida triste, seu rosto n√£o me sa√≠a da cabe√ßa. Ao menos uma vez por dia, eu pagava uma visita ao seu perfil e mirava aqueles olhos. As fotos, quase todas ao lado da m√£e e do filho pequeno, tinham um sorriso fugaz encimado por olhos d√ļbios, tristes. Eles lembravam-me de mim mesmo. ‚ÄúVoc√™ tem um olhar de filhote de cachorro triste, por isso consegue tudo que quer‚ÄĚ. ‚ÄúVoc√™ parece feliz, mas sempre que para de falar por um tempo, parece ter uns olhos t√£o tristes‚ÄĚ. ‚ÄúEssa cara de pobre-coitado-menino-sofredor √© foda de resistir, d√° vontade de levar para casa e dar um banho‚ÄĚ. Eu j√° havia perdido a conta de quantas vezes ouvira aquilo das minhas ex-namoradas e ficantes da faculdade. Os dela n√£o eram muito diferentes. Quando ela finalmente apareceu, com sete minutos de atraso, eu pude perceber.
Meu cora√ß√£o parou por uma fra√ß√£o de segundo e depois disparou, como se os sineiros de todas as catedrais que haviam dentro de mim tivessem enlouquecido. Era engra√ßado como algumas pessoas passavam vidas inteiras sem mudar o jeito de se vestir. Ela ainda parecia com aqueles s√°bados em que n√≥s nos encontr√°vamos no curso de ingl√™s: os t√™nis All-Star, a cal√ßa jeans clara, uma camiseta simples - de alcinha, branca e com cora√ß√Ķes negros estampados - e o cabelo com rigorosamente o mesmo corte. ‚ÄúTalvez por isso que foi t√£o f√°cil reconhec√™-la, mesmo depois de todo esse tempo‚ÄĚ, pensei. Ou talvez eu reconhecesse aquele rosto e aqueles olhos - antes t√£o vivos e alegres - em qualquer lugar. Eu jamais saberia.
Como qualquer par de amigos que n√£o se v√™ h√° mil√™nios, falamos de amenidades no come√ßo. Casei, separei. Sou funcion√°ria p√ļblica, ela dizia. O relato do meu amigo, eu descobria agora, n√£o estava perfeitamente certo. Ela n√£o havia se demitido do trabalho, apenas se licenciado por algum tempo. ‚ÄúFui diagnosticada com depress√£o‚ÄĚ, ela admite, sem muitas delongas ou o constrangimento que tanta gente tem sobre o tema. ‚ÄúMeu casamento estava indo muito mal e eu desabei. Mas agora t√° tudo bem‚ÄĚ. N√£o estava, n√£o era necess√°rio ser um especialista para notar aquela tristeza escondida no canto do olhar.
Falei da minha vida para ela tamb√©m. Contei que a minha ex-namorada que ela conheceu n√£o deu certo e que, naquela √©poca de fim da adolesc√™ncia e in√≠cio da vida adulta, eu tinha muita vergonha de falar sobre o que eu passava. Ela praticava gaslighting comigo, tinha crises de ci√ļme incontrol√°veis, me fazia sentir um cr√°pula por coisas que eu sequer havia feito. ‚ÄúVoc√™ parecia t√£o feliz com ela‚ÄĚ. ‚ÄúEu finjo bem‚ÄĚ, admiti. ‚ÄúE eu tinha vergonha de mostrar para os outros o que passava. Homem dizendo que a mulher √© abusiva? Eu n√£o queria que ningu√©m soubesse‚ÄĚ.
Ap√≥s quase meia hora de amenidades, eu exponho o elefante na sala de estar. Na verdade, quem come√ßa √© ela. Quando a adicionei no Facebook, falei que tinha esbarrado com ela na rua e que ficara com vergonha de cumpriment√°-la na hora. Mas que queria muito rev√™-la depois de tanto tempo, tomar um caf√©, falar sobre a vida. ‚ÄúPor que voc√™ sumiu?‚ÄĚ, ela pergunta, no meio de um daqueles sil√™ncios que duram mais do que deveriam. Eu tremi por dentro, mas n√£o havia como continuar escondendo.
No come√ßo, falei o b√°sico. Que era de fam√≠lia humilde, como ela bem lembrava, e que o parente que pagava meu curso havia descoberto um c√Ęncer. Poucos meses depois, eu perdi meu emprego. Tudo isso num intervalo curto, de tr√™s ou quatro meses e perto da virada do ano. ‚ÄúMe ligaram do curso e ofereceram um desconto. Eu era pobre, mas sempre fui orgulhoso. Naquela √©poca, era mais ainda. Burrice minha. Se bobear, eles iam acabar me oferecendo uma bolsa‚ÄĚ. ‚ÄúEles iam‚ÄĚ, ela responde. ‚ÄúO Francisco - dono do curso - era maluco por voc√™. Voc√™ era um √≥timo aluno‚ÄĚ. Ela d√° um gole no mate que pediu. Meu caf√© esfria ao meu lado. ‚ÄúMas por qu√™ voc√™ n√£o falou nada comigo?‚ÄĚ, ela continua.
Eu sabia que estava num daqueles momentos em que poderia mudar radicalmente o dia. Porque eu poderia ter mentido. ‚ÄúEu n√£o falei porque fiquei com vergonha de ter perdido o emprego‚ÄĚ. ‚ÄúEu n√£o falei porque eu estava muito triste: parente pr√≥ximo com c√Ęncer, desempregado, meu relacionamento com uma pessoa abusiva‚ÄĚ. Eram mentiras com um pouco de verdade, mas n√£o revelavam o grande problema. Naquele fim de tarde, eu escolhi n√£o mentir. Nem me esconder. E eu j√° tinha ensaiado essas palavras dezenas de vezes nas √ļltimas semanas.
‚ÄúOlha, eu n√£o sei se dava para reparar na √©poca ou n√£o. N√£o sei era muito √≥bvio, sinceramente. Mas eu era completamente apaixonado por voc√™ naquele tempo. Eu passava a semana inteira pensando no dia em que a gente ia se encontrar, trocar uma ideia no curso, caminhar junto at√© a sua casa. E eu tinha uma vergonha absurda disso. Eu tinha namorada, voc√™ tinha namorado e estava para se casar. Ent√£o eu achava errado expor aquilo, ser claro. E eu achava que voc√™ n√£o gostava de mim. Eu tinha auto-estima muito baixa e esse relacionamento com essa ex-namorada abusiva s√≥ piorou as coisas. Eu me sentia um lixo, ent√£o achava que voc√™ n√£o ia ligar se eu sumisse. Que ningu√©m ia ligar se eu sumisse. E foi o que eu fiz. Mas, se voc√™ quer uma vers√£o curta da resposta, √© essa: eu era completamente apaixonado por voc√™ naquela √©poca e quis sumir, sair correndo‚ÄĚ.
Enquanto eu falava aquilo tudo, a boca dela se abriu em alguns momentos. Às vezes parecia surpresa, às vezes parecia que ela tentaria falar alguma coisa que se perdia no caminho. Eu fazia esforço para olhá-la nos olhos, mas era difícil. Mesmo depois de todos esses anos. Tentei dar a entender com o tom de cada palavra que aquilo era uma coisa do passado, que não me incomodava mais, que agora eu queria apenas revê-la e saber como andava a vida.
O desabafo foi seguido de um sil√™ncio que tornava-se mais pesado a cada segundo. Havia alguma coisa fervendo dentro dela, dava para ver. Foi a√≠ que os olhos dela brilharam mais do deveriam, lacrimejando. Quando vejo aquilo, sinto que o mesmo vai acontecer comigo, mas me seguro. Ela vira o rosto e olha para al√©m da vitrine, onde um ponto de √īnibus est√° lotado com os clientes do supermercado e estudantes rec√©m-sa√≠dos de suas escolas, o tr√Ęnsito lento e infernal. A ac√ļstica √© t√£o boa no bar que o caos de fim de tarde do outro lado do vidro parece uma televis√£o ligada no mudo. Quando ela me olha de volta, vejo que ela n√£o faz qualquer esfor√ßo para esconder os olhos marejados.
‚ÄúE voc√™ nunca me contou nada? Nem pensou em me contar?‚ÄĚ.
Eu n√£o sei quantos de voc√™s j√° ficaram sem not√≠cias de um parente ou de algu√©m que voc√™ ama por muitos anos. Aconteceu comigo uma vez, com uma tia que desapareceu por quase 10 anos no exterior e reapareceu ap√≥s ser mantida em c√°rcere privado por um namorado obsessivo. A sensa√ß√£o √© estranha. √Č como descobrir que um livro que voc√™ tinha dado como encerrado tinha uma continua√ß√£o secreta. As mem√≥rias de hoje se misturavam com as de 12 anos atr√°s, da √ļltima vez que li esse livro. Ela come√ßou a contar tudo.
Ela, como eu j√° disse antes, era o meu ideal de felicidade. Casara cedo, tivera filho cedo, empregara-se no servi√ßo p√ļblico cedo. Era tudo com o que eu sonhava. Eu sempre quis constituir uma fam√≠lia, ter uma vida simples, ter um filho cedo para poder aproveit√°-lo ao m√°ximo. Mas a falta de dinheiro e a busca por uma parceira ideal sempre ficaram no caminho, assim como a carreira. O problema √© que ela tinha uma vida muito diferente do que eu imaginava, muito mais parecida com a minha √† √©poca.
Acho que já deixei claro o quanto eu era apaixonado por ela no passado. Ela não era bonita nem feia, tinha o tipo de rosto que se perde na multidão sem ser notado. Filha de pai negro e mãe branca, era morena e tinha o cabelo liso levemente ondulado, quase até a cintura. Quando éramos adolescentes, ninguém a elegeria a mais bela da turma, mas dificilmente negariam que tinha seu charme. Eu a achava linda.
Mas ela, como eu, era o tipo de pessoa que tinha a auto-estima no fundo do po√ßo. Como eu, tamb√©m cresceu em um lar bem humilde. Tamb√©m colecionou desilus√Ķes amorosas. E, como todo mundo j√° sabe, isso te transforma em um alvo perfeito para relacionamentos abusivos. O namorado dela, assim como a minha namorada √† √©poca, era muito bonito e manipulador. E ela achava que ele era a √ļnica pessoa que gostava dela, o √ļnico que lhe daria aten√ß√£o. E isso fez com que, por anos, ela suportasse tudo que aconteceu entre eles. Trai√ß√Ķes, brigas, mentiras, chantagens, amea√ßas de abandono, ci√ļmes doentios. A hist√≥ria deles dois era t√£o parecida com a minha hist√≥ria com minha primeira namorada que eu fiquei assustado. S√≥ que, diferente de n√≥s, eles casaram. Eles colocaram um filho no mundo.
Ele só piorou com o nascimento da criança. Ele não era mau com o filho, ela dizia. Era um pai carinhoso, inclusive. Mas o pouco amor e bondade que ele tinha por ela transferiu-se todo para a criança. Vivia para o trabalho, para o filho e para os amigos.
‚ÄúA gente chegou a ficar sem se falar por meses‚ÄĚ.
‚ÄúMorando na mesma casa e sem se falar?‚ÄĚ.
‚ÄúSim. Nem bom dia. Nada. Eu me sentia um fantasma‚ÄĚ.
Na contram√£o dele, ela dobrava-se para dentro de si pr√≥pria. Abandonou a faculdade para cuidar do filho enquanto o marido formou-se com seu apoio fiel. Vivia para o filho e tinha seus problemas conjugais menosprezados pela fam√≠lia. ‚Äú√Č coisa de garoto, ele vai melhorar‚ÄĚ. ‚ÄúHomem quando acaba de ter filho √© sempre assim‚ÄĚ. ‚ÄúVai passar‚ÄĚ. Mas n√£o passou, s√≥ piorou. As trai√ß√Ķes recorrentes evolu√≠ram para uma equa√ß√£o desequilibrada de √°lcool e uma amante fixa no trabalho que ele sequer fazia quest√£o de esconder. Ele anunciou que ia deix√°-la, convenceu-a de que era um bom neg√≥cio vender o apartamento que eles haviam comprado. Racharam o dinheiro e ele foi viver a vida. Ela voltou a morar com a m√£e, agora vi√ļva.
O filho, nitidamente a coisa mais importante daquela mulher, tornou-se a √ļnica raz√£o para viver. A pens√£o que a m√£e recebia era baixa, o sal√°rio dela tamb√©m n√£o era bom. A pens√£o que o marido dava ajudava a manter uma vida extremamente funcional e sem luxos. As roupas eram das lojas mais baratas. Viagens n√£o existiam. O √ļnico gasto relativamente alto era com uma escola particular de qualidade para o filho. O resto era sempre no b√°sico.
Contei para ela sobre o meu sonho de casar cedo, de ter uma vida tranquila e estável. Falei que eu admirava muito a vida que ela escolheu no começo, que era a vida que eu queria ter vivido. A grama realmente é mais verde no jardim do vizinho, ao que parece.
‚ÄúMas a sua vida parecia t√£o tranquila, t√£o perfeita‚ÄĚ.
‚ÄúA minha?‚ÄĚ.
‚ÄúA sua namorada naquela √©poca era uma menina t√£o bonita, eu lembro dela. Loira, bonita de corpo. At√© lembro que ela fazia medicina e ainda era dan√ßarina. Eu achava ela linda, perfeita. E voc√™‚Ķ voc√™ era sempre t√£o fofinho. Carinhoso e atencioso com todo mundo. Inteligente pra caralho, nem estudava e tinha as notas mais altas em tudo. Todo mundo gostava de voc√™, todo mundo queria ser seu amigo e voc√™ nem se esfor√ßava para isso‚ÄĚ.
‚ÄúEu n√£o lembro disso‚Ķ‚ÄĚ.
‚ÄúPorque voc√™ n√£o se achava bom. Voc√™ tinha 16, 17 anos e sentava para conversar de igual para igual sobre cinema e livro com uns professores de 40 e poucos anos. Voc√™ parecia fluente conversando com os professores em ingl√™s e espanhol enquanto a gente tentava chegar perto disso. Passou no vestibular de primeira. Voc√™ n√£o percebia, mas voc√™ era o queridinho de todo mundo. Voc√™ n√£o era o garoto malhado bonit√£o, voc√™ era o garoto charmosinho e inteligente que todo mundo gostava. Eu gostava de voc√™ tamb√©m. Gostava mesmo, de verdade. Eu tinha uma paix√£ozinha por voc√™. Mas eu achava que eu n√£o tinha a menor chance. Eu achava que eu merecia o meu namorado. Que eu era feia, ruim. Que ele estava certo em me falar aquelas coisas‚ÄĚ.
‚ÄúEu era completamente apaixonado por voc√™‚ÄĚ, eu respondo. ‚ÄúEu pensava em voc√™ todo dia‚ÄĚ.
Engra√ßado como as pessoas se veem de maneira t√£o diferente. Eu me definia de tr√™s formas quando a conheci: eu sou gordo, eu sou feio, eu moro num dos bairros mais pobres e violentos da cidade. No dia seguinte, de manh√£, eu olharia minhas fotos de 12, 14 anos atr√°s e me surpreenderia com quem eu via ali. Eu era bonito, s√≥ um pouco acima do peso. Com 16 anos, eu j√° era o barbado da turma antes de barba ser coisa hipster. Na foto do col√©gio, uma das √ļltimas do terceiro ano, eu parecia t√£o dono de mim, t√£o no controle. Eu tinha aquela cara de inteligente e rebelde. Por dentro, eu era completamente diferente. Inseguro, assustado, sem auto-estima alguma e com uma namorada abusiva.
São sete e meia e a noite já começa a cair no horário de verão. Educadamente, uma das atendentes nos indica que a galeria onde o café funciona vai ser fechada em breve. Eu pago a conta e nós ficamos meio perdidos, sem saber o que fazer. Ela ainda tem os olhos inchados, eu também. Os funcionários da loja nos olham de forma surpreendentemente carinhosa, não sei o quanto eles escutaram do desabafo.
Saímos em silêncio do café, ela atendeu a uma ligação da mãe. Minha esposa estava fora do estado e só voltaria dali a alguns dias, então eu estava bem relaxado em relação às horas.
‚ÄúN√£o sei se voc√™ precisa voltar para a casa por causa do Hugo, mas tem um bar aqui perto que √© bem vazio a essa hora. A gente pode sentar pra conversar‚ÄĚ, eu digo.
‚ÄúA gente tem mais coisa para conversar?‚ÄĚ. Ela pergunta sorrindo, n√£o vejo nenhum tra√ßo de m√°goa no seu rosto.
‚ÄúClaro que tem. Doze anos n√£o se resolvem em duas horas‚ÄĚ.
Fomos para um bar pequeno ali perto, um que eu costumava frequentar nos tempos de faculdade. Nos tempos em que eu pensava nela e não me achava capaz de tê-la. Ele pouco havia mudado de 12 anos para cá: a mesma atmosfera que fazia dele aconchegante e levemente depressivo ao mesmo tempo. Era um bar das antigas, com azulejos portugueses azuis e poucos frequentadores. O atendimento era excelente e o preço razoável para a região, mas aquela estética de 40 anos atrás parecia espantar os frequentadores mais jovens. Os poucos que iam lá, no entanto, eram fiéis. Como eu fui no passado.
Nos sentamos no fundo do bar vazio em plena ter√ßa-feira e desnudamos nossas vidas um para o outro. ‚ÄúEu quero saber quem voc√™ √©‚ÄĚ, eu comecei. ‚ÄúA gente falava sobre um monte de coisa, mas eu n√£o sei nada sobre voc√™. Sobre sua fam√≠lia. Sobre sua inf√Ęncia, quem voc√™ √©. E voc√™ n√£o sabe nada sobre mim‚ÄĚ. Ela riu. ‚ÄúVoc√™ √© maluco‚ÄĚ. ‚ÄúN√£o, s√≥ quero te conhecer melhor. Compensar por ter sido um babaca h√° doze anos‚ÄĚ.
A conversa foi agridoce. O que mais me assustava era como t√≠nhamos origens semelhantes, desde a fam√≠lia at√© a cria√ß√£o. Os dois criados no sub√ļrbio do Rio de Janeiro, os dois de fam√≠lias humildes que, por conta da pobreza e da necessidade de contar uns com os outros, permaneciam unidas. Primos de terceiro ou quarto grau criados pr√≥ximos, filhos que casavam e formavam suas fam√≠lias nas casas dos pais. Assim como a minha fam√≠lia, a dela investiu tudo que tinha para que ela estudasse em um col√©gio particular at√© que eventualmente ela passou para uma escola p√ļblica de elite.
Nossas duas famílias tinham essa estranha tradição carioca que mistura catolicismo, umbanda e espiritismo, um sincretismo religioso que eu, como ateu, tenho dificuldade em entender - mesmo tendo crescido nesse meio. Assim como eu, achava-se feia, indesejada na adolescência. Isso fez com que rapidamente trocasse o mundo cor de rosa pelo rock e pelos livros. No meu caso, eu acrescentaria videogames e RPG, mas o resto não mudava muito.
‚ÄúNa minha escola, tinha muita patricinha, muito playboy. Eu n√£o aguentava eles. E eles sabiam que eu era pobre, ent√£o n√£o se misturavam muito comigo‚ÄĚ. Contei a minha vers√£o para ela. ‚ÄúEu gostava de ler, RPG e jogar videogame. Mas eu era muito pobre, fodido mesmo. E isso tudo era coisa de gente com grana na √©poca, n√©? Ent√£o eu acabei ficando amigo dos nerds na √©poca por conta dos gostos comuns. Eu tive sorte, demoraram a perceber que eu era pobre. Eu tenho toda a pinta de gente com grana, essa cara de europeu que engana. Quando perceberam que eu era duro, foi s√≥ no segundo grau. Ali eu j√° era um pouco mais cascudo, tinha bons amigos‚ÄĚ. Ela n√£o.
Era tudo t√£o igual que, em dado momento, eu parei de falar que havia sido igualzinho comigo. Eu esperava ela terminar a parte dela. Falava a minha. E intercal√°vamos nossas hist√≥rias, os dois surpresos com as semelhan√ßas. Provavelmente a grande diferen√ßa era a vida dela ap√≥s ter o filho e abandonar a faculdade. Ela trabalhava em uma reparti√ß√£o p√ļblica onde tinha 20 anos a menos do que a segunda funcion√°ria mais nova, se afastou dos amigos. Era estranho conversar com ela. N√£o usava redes sociais praticamente, apenas para trocar mensagens com parentes distantes e mostrar fotos do filho para eles. N√£o via s√©ries, n√£o tinha Netflix - s√≥ novelas. N√£o conhecia bandas novas, n√£o era muito de ir ao cinema. Era uma sensa√ß√£o estranha, mas parecia que boa parte da vida dela tinha parado em 2006 ou 2005. Os h√°bitos dela e poucos hobbies pareciam os de uma pessoa de 50 e poucos anos.
Me doeu imaginar o que poderia ter sido, o que poder√≠amos ter feito juntos, como poder√≠amos ter sido bons um para o outro. Pensei na minha esposa, que tem um perfil familiar radicalmente diferente do meu. Ela vem de uma fam√≠lia de classe alta, s√≥ com engenheiros e funcion√°rios p√ļblicos de elite. O mundo dela era muito diferente do meu, t√£o diferente que √†s vezes me assustava. Fam√≠lias que n√£o se falavam e que, mesmo endinheiradas, brigavam por heran√ßa e cortavam la√ßos de vida por conta de bens que eles n√£o precisavam. Todos cat√≥licos ou evang√©licos, sem exce√ß√£o. No m√°ximo um ou outro ateu escondido no arm√°rio, como eu.
Essa diferença nos causava estranhezas, pontos de atrito que me surpreendiam. Quando eu elogiava a decoração de uma festa, ela falava do preço e da empresa que a produziu. Ela sentia uma obrigação social em aparecer em eventos familiares ou do círculo social deles, de ser e parecer uma boa esposa. Eu só queria estar onde eu estava afim e quando eu estivesse afim, nunca vi a família como uma obrigação social. Eles discutiam herança entre irmãos com os pais bem vivos, nós nos preocupávamos em fazer companhia à minha mãe quando meu pai morreu. Já era meio subentendido que abriríamos mão de qualquer coisa e deixaríamos tudo para minha mãe, tendo direito ou não.
Havia uma preocupa√ß√£o com patrim√īnio, normais sociais e apar√™ncias que, por muitas vezes, me assustavam. Muitas vezes ela parecia desgastada ou enojada com isso tamb√©m, mas fazia porque algu√©m na fam√≠lia tinha que fazer, porque era tradi√ß√£o, porque sempre foi assim. Eu assistia √†quilo at√īnito, impressionado como uma fam√≠lia t√£o numerosa quanto a minha - com literalmente dezenas de primos e tios at√© de terceiro grau que moravam em um mesmo bairro - era t√£o mais simples e unida do que uma d√ļzia de endinheirados que pareciam brigar por coisas f√ļteis.
Ela, que estava ali do meu lado, n√£o. Tudo que ela me contava soava como uma c√≥pia fiel da minha fam√≠lia, apenas em escala ligeiramente menor. Pensei em como as coisas seriam simples ao lado dela, despreocupadas, tranqulas. Que eu n√£o passaria a vida sendo julgado pela fam√≠lia da minha companheira como o ex-pobre com pinta de hipster que conseguiu ganhar algum dinheiro, mas n√£o tem muita classe nem √© muito crist√£o, como nos √ļltimos anos.
As palavras que sa√≠ram da boca dela depois de uns dois ou tr√™s copos de cerveja poderiam muito bem ter sido lidas do meu pensamento. ‚ÄúVoc√™ acha que a gente teria sido um bom casal? Que a gente ia se dar bem?‚ÄĚ.
‚ÄúN√£o tem como saber‚ÄĚ, eu respondi. ‚ÄúMas a gente pode imaginar‚ÄĚ. E a gente come√ßou a brincadeira mais dolorosa da noite, imaginando como seria se tiv√©ssemos ficado juntos 12 anos atr√°s.
‚ÄúEu jogava videogame para caralho, voc√™ ia se irritar. E eu ia te pentelhar para jogar comigo‚ÄĚ, eu comecei.
‚ÄúEu gostava de videogame, s√≥ n√£o jogava muito. Eu ia te arrastar para show da Avril Lavigne e da Pitty, voc√™ n√£o ia gostar‚ÄĚ.
Eu sorri. ‚ÄúEu n√£o tenho nada contra as duas‚ÄĚ.
‚ÄúBritney e Justin Timberlake tamb√©m‚ÄĚ.
‚ÄúPorra, a√≠ voc√™ j√° t√° for√ßando a barra, amor tem limite‚ÄĚ.
Falamos sobre meus primeiros est√°gios, sobre como eu era maluco e fazia dois est√°gios e faculdade ao mesmo tempo. Sa√≠a de casa √†s cinco da manh√£ e voltava √†s onze da noite. Tudo para conseguir ter uma grana legal, j√° que na minha √°rea os est√°gios eram ridiculamente baixos. Ela falava sobre a rotina de estudos para concurso, sobre como foi dif√≠cil conciliar a faculdade - que ela eventualmente abandonou por causa do filho - com o rec√©m-conquistado emprego p√ļblico. Eu falava do meu in√≠cio de carreira, que foi bem melhor do que eu jamais imaginara, como subi rapidamente. Como eu achava estranho ganhar a grana que eu ganhava - que n√£o era nada extravagante, garanto - mas meus h√°bitos simples faziam com que eu mal gastasse metade do sal√°rio. Ela falava da depress√£o que tomou conta dela ao perceber que estava num emprego extremamente burocr√°tico e ineficaz, deixando-a incapaz de buscar outras alternativas. Falamos sobre a morte dos nossos pais, que parecem ter conspirado para falecer no mesmo ano.
Em algum momento, a cabeça dela repousou no meu ombro. Eu não soube o que fazer. Pensava apenas na minha esposa, em jamais ter traído ela nem nenhuma outra mulher. Foi aí que eu percebi que ela chorava e, novamente, eu chorei também.
‚Äú√Č engra√ßado a gente ter saudade de algo que a gente n√£o teve‚ÄĚ, eu disse, lembrando de um livro que eu li h√° muito tempo.
‚ÄúAcho que a gente seria um casal do caralho‚ÄĚ, ela disse, com um inesperado sorriso entre as l√°grimas.
‚ÄúOu talvez a gente se detestasse e desse tudo errado, a gente nunca vai saber‚ÄĚ.
‚ÄúA gente nunca vai saber‚ÄĚ, eu repeti, mentalmente. Como um v√≠rus, a ideia se espalhou dentro de mim rapidamente. ‚ÄúEu posso fazer uma diferen√ßa na vida dessa mulher, na vida do filho dela, na pr√≥pria fam√≠lia dela. Eu posso ter uma vida mais tranquila ao lado dela, sem essas picuinhas de fam√≠lia rica. Minha esposa pode encontrar um homem muito melhor para ela. Um cara rico, crist√£o e que tenha a classe e pose que a fam√≠lia dela tanto quer. Isso pode acabar bem para todo mundo‚ÄĚ.
Mas não podia. Lá no fundo, eu sabia que não podia. Eu tinha quase uma década de história com minha esposa. Eu tinha um casamento plenamente feliz atrapalhado por alguns poucos problemas familiares e inseguranças minhas. Tínhamos uma química ótima, gostos parecidos para livros e filmes, nos dávamos bem na cama. Valia a pena jogar aquele relacionamento tão bom e funcional - algo que me parece cada vez mais raro hoje em dia - por uma aventura fugaz? Um remorso do passado? Em um relacionamento com uma estranha que eu estava voltando a conhecer havia algumas horas?
‚ÄúVoc√™ nem a conhece‚ÄĚ, dizia a cabe√ßa. ‚ÄúEla √© igual a voc√™‚ÄĚ, dizia o cora√ß√£o.
No fim das contas, eu segui a cabe√ßa. Conversamos at√© quase dez da noite. Pegamos um Uber e fiz quest√£o de deix√°-la em casa, um pr√©dio pequeno em um bairro abandonado do sub√ļrbio. Quando o carro parou, ela se demorou um pouco do meu lado e, por impulso, eu segurei a m√£o dela. Ela me encarou assustada e ansiosa. Eu pensei em beij√°-la, em ligar o foda-se e jogar tudo para o alto ali mesmo. Mas eu s√≥ desci do carro com ela na rua deserta e caminhamos juntos para dentro do pr√©dio, sem saber exatamente o que a gente estava fazendo. Pedi para o motorista me esperar e disse que depois acertava uma compensa√ß√£o com ele.
‚ÄúEu vi o seu Facebook. Voc√™ √© casado com uma mulher linda. E inteligente. Voc√™ n√£o vai me trocar por ela. Nem eu quero acabar com o seu casamento‚ÄĚ.
‚ÄúVoc√™ acha ela linda e inteligente?‚ÄĚ.
‚ÄúVoc√™ sabe que ela √©‚ÄĚ.
E ent√£o eu desabafei. Falei que passei as √ļltimas semanas reavaliando meu casamento e meu futuro, encarando a foto dela no Facebook de tempos em tempos. Que meu cora√ß√£o quase parou quando encontrei-a pela primeira vez. Que eu gostava de tudo nela. Da dedica√ß√£o como m√£e, da simplicidade, dessa aura de pessoa correta que ela exalava sem fazer esfor√ßo, desse esp√≠rito suburbano e familiar que ela tinha. Dos olhos dela, t√£o animados no passado e t√£o tristes agora. De como eu estava me segurando para n√£o beij√°-la naquele dia todo.
‚ÄúVoc√™ √© linda. Eu sei que voc√™ se acha feia, eu sei que voc√™ acha que ningu√©m vai se interessar por voc√™. Mas voc√™ √© uma mulher foda, e nem preciso subir para saber que voc√™ √© uma m√£e foda, uma filha foda. N√£o deixa a vida passar. Eu tenho certeza que tem mais gente que, igual a mim, j√° percebeu isso em voc√™ e n√£o sabe como falar. N√£o faz de novo a mesma coisa que a gente fez l√° atr√°s. Eu s√≥ queria que voc√™ soubesse disso porque eu acho que voc√™ merece ser muito mais feliz do que voc√™ √© agora. E voc√™ n√£o tem ideia de como voc√™ me deixou maluco esses dias todos. Eu sou bem casado com uma mulher linda sim, mas s√≥ de encontrar voc√™ eu tive vontade de jogar tudo para o alto‚ÄĚ.
Foi um monólogo mais longo do que eu esperava. De novo, ela chorou. Dessa vez, eu contive as lágrimas. O abraço que partiu dela foi um dos melhores e mais tristes que já ganhei na minha vida. Havia ali uma história de amor não vivida, saudades de uma história que jamais colocamos no papel, de um mundo que nunca existiu. Ela me apertou forte e eu sentia minhas mãos tremerem.
Encostamos as laterais do rosto um do outro, aquele pren√ļncio de um beijo adiado. E que tive que usar todo auto-controle do mundo para manter adiado. Me afastei, olhei nos olhos dela, sorri e fui embora. Quando o Uber saiu, ela ainda estava parada na portaria e minhas m√£os ainda tremiam.
Eu n√£o sei se essa hist√≥ria acaba aqui ou n√£o. Mas eu tenho quase certeza que sim. Algum dia eu vou contar tudo isso para a minha esposa, mas vou esperar esse sentimento morrer primeiro. Eu conhe√ßo ela o suficiente para saber que, em um bom momento, ela n√£o ficaria triste com essa hist√≥ria. Eu at√© consigo imaginar a rea√ß√£o dela, repetindo a frase que ela me diz desde que a gente casou. ‚ÄúEu te conhe√ßo. Voc√™ n√£o vai me trair com alguma gostosona oferecida por a√≠. Se alguma coisa acontecer, voc√™ vai se apaixonar por algu√©m. Eu te conhe√ßo, voc√™ √© rom√Ęntico. Mas a gente se resolve‚ÄĚ.
Quando cheguei na minha casa vazia, sentei e escrevi quase tudo isso de uma tacada só. Sem revisão, sem pensar muito. Eu acho que eu poderia escrever dezenas de páginas sobre os detalhes da conversa, mas isso aqui já está longo demais. Antes de dormir, eu vejo que tenho uma mensagem no Whatsapp.
‚ÄúFoi muito bom encontrar voc√™‚ÄĚ.
Toda aquela tentação de falar algo mais grita dentro de mim, se debate.
“Foi bom te ver também :) “.
Por via das d√ļvidas, coloquei o celular em modo avi√£o e suspirei. ‚ÄúEu t√ī feliz ou triste?‚ÄĚ, me perguntei. Parece uma pergunta simples e relativamente objetiva, mas eu n√£o soube responder. Eu custei a dormir, com medo de sonhar com ela. Quando eu acordo no dia seguinte e me preparo para ir ao trabalho, a impress√£o que eu tenho √© de que tudo foi um sonho. V√™-la, reencontr√°-la, chorar, abra√ß√°-la.
E, como quando a gente acorda de um sonho triste, eu volto a viver minha vida normal para esquecer. Hoje tem reunião com cliente. À noite, preciso pegar minha esposa no aeroporto.
submitted by tombombadil_uk to brasil [link] [comments]


2017.11.13 21:35 tombombadil_uk Today I fucked up: a estranha sensação de reencontrar um amor do passado 12 anos depois / Parte 2

N√£o esperava que a Parte 2 ia rolar t√£o cedo, mas tem atualiza√ß√Ķes a√≠. Para quem quiser, dessa vez tem um TL/DR no fim.
A parte 1 é essa aqui: https://www.reddit.com/brasil/comments/7c6tsx/today_i_fucked_up_a_estranha_sensa%C3%A7%C3%A3o_de/
PS.: escrevi isso aqui correndo assim que cheguei em casa, ent√£o provavelmente pode estar confuso ou com uns errinhos. Nem de perto foi t√£o trabalhado quanto o conto que eu fiz da primeira parte. Me desculpem de antem√£o.
Tive uns dos finais de semana mais at√≠picos dos √ļltimos anos. Acho que nunca viajei tanto em mem√≥rias e d√ļvidas. Ser√° que realmente rolava alguma coisa? Ali√°s, ser√° que foi ela mesmo que eu vi na rua? Ela aprecia t√£o mais velha que talvez sequer fosse a mesma pessoa. E c√° estava eu viajando porque uma pessoa aleat√≥ria me morou na rua e eu a confundi com algu√©m que n√£o vejo h√° doze anos.
Ainda assim, embarquei na onda da nostalgia. Escutei os CDs do Linkin Park, System of a Down, Evanescence e Radiohead que a gente ouvia na época, baixei alguns jogos que eu jogava na época (Xenosaga, Burnout e alguns outros) e coloquei no PS2 que eu achei por um preço ridículo numa feira de rua. Assisti Anjos da Noite e Oldboy, dois que eu lembro de ver naqueles tempos. Domingo eu estiquei a ida à feira e fui até o curso de inglês que frequentávamos juntos, refiz o caminho de lá até casa onde os pais dela moravam. Antes que perguntem, não, eles não moram mais lá. Sei disso porque a casa apareceu à venda há muito tempo.
Foi um fim de semana agridoce. A esposa me achou meio para baixo, eu revirei horas no travesseiro antes de conseguir dormir. Segunda de manhã, indo para o trabalho, eu já estava mais sossegado. Cheguei à conclusão que havia uma enorme possibilidade daquilo tudo ser um baita mal entendido, que aquela mulher sequer era ela. E que eu provavelmente jamais a encontraria na minha vida. E me preocupar com algo tão inatingível era sem propósito algum. O fato de eu ter tentado encontrá-la no Facebook por horas sem sucesso só reforçava isso.
Eu conhecia apenas um dos seus sobrenomes, mas ela não aparecia de forma alguma. Tentei com sobrenome aleatórios algumas boas 20 vezes, devo ter aberto mais de 200 perfis. Nada. Nem sinal.
Mas eu queria falar com alguém sobre aquela história, então decidi me abrir com um amigo do trabalho que é bem gente fina e em quem confio. Passei o almoço contando a história e depois ficamos uns 40 minutos discutindo o assunto. A conclusão dele foi a mesma da galera daqui: "Caralho, como você não falou com ela? Dava um oi, chamava pra conversar".
Falei para ele também que estava começando a duvidar de mim mesmo. Ela estava com uma aparência tão mais velha e nós temos a mesma idade, eu dizia. "Cara, classe média baixa, dois filhos com 20 e poucos anos, voce nem sabe se ela é casada ainda ou não. Às vezes virou mãe solteira e está numa luta fodida".
Quando voltamos para o trabalho, fiz mais uma rodada de pesquisa no Facebook. Talvez fosse uma memória embasada do passado, talvez fosse só uma coincidência, mas eu cismei com o sobrenome Ferreira. Não era o sobrenome que eu sabia com certeza, só um chute que ficava martelando a minha cabeça. Parte de mim dizia que era confusão. Eu tinha uma amiga com o mesmo nome dela é Ferreira no sobrenome, provavelmente estava só confundido as coisas.
Nesse processo, aprendi que o Facebook te dá resultado diferentes para a mesma pesquisa quando você a faz de tempos em tempos. E logo depois desse desabafo, como se falar em voz alta fizesse ela se materializar, ela apareceu. O mesmo rosto de 12 anos atrás, o mesmo sorriso, os mesmos olhos. Minha mão tremeu no computador, levantei para pegar um café é uma água. Respirei fundo, e voltei para ver o resultado.
No come√ßo, senti um misto de al√≠vio e decep√ß√£o. Ela parecia exatamente como 12 anos atr√°s, ent√£o n√£o era poss√≠vel que aquela mulher que encontrei na semana passada fosse ela. Abri o perfil e comecei a ver as fotos, os filhos, a pouca vida dela que aquela janela mostrava. Quando abri uma foto mais recente da linha do tempo, a verdade voltou com um soco no est√īmago: eu realmente a encontrara. A foto de perfil era antiga, mas as mais recentes n√£o deixavam espa√ßo para d√ļvidas. Eu tinha esbarrado com ela.
Chamei meu colega de trabalho para tomar um café e mostrei as fotos no celular. "Se você não me dissesse que ela tem a mesma idade que a gente, eu nunca ia acreditar em você. Ela parece uns dez anos mais velha, mas era a menina bonita antigamente". E fez a pergunta que eu já estava fazendo mentalmente. "Porra, uma porrada de foto com a família e os filhos, mas e o pai?".
A resposta eu encontrei na lista de amigos dela. Percebi que tinha amigos em comum com outra pessoa da família que tinha o mesmo sobrenome, um amigo farmacêutico que começara a trabalhar em uma farmácia perto do ligar onde trabalho. Era perfeito. Liguei para ele dizendo que queria trocar uma ideia, mas ele tinha acabado de ser transferido para outra unidade da rede para cobrir uma unidade. Com um fogo no cu absurdo, larguei o foda-se no trabalho, peguei um Uber e fui para lá.
No caminho, eu j√° n√£o sabia bem o que estava fazendo. Eu ficava vendo e revendo aquelas fotos no celular no caminho, lembrando mais e mais dela. √Č engra√ßado lembrar de uma pessoa com quem voc√™ teve um relacionamento t√£o profundo e t√£o curto h√° tanto tempo. √Äs vezes eu n√£o sabia bem se eu estava lembrando de alguma coisa ou se eu estava fantasiando, se estava extrapolando algumas mem√≥rias.
Fuçando o Facebook dela - curtidas, comentários, gostos, fotos - eu via que ela era exatamente o que eu imaginava. Uma pessoa extremamente simples, de família de classe média baixa, com um estilo de vida simples, bem família e discreta. Os filhos pareciam ser o primeiro lugar em tudo.
Encontrei meu amigo por volta das 16h e subi para a sobreloja da farmácia. Ele vivia falando que o trabalho dele era um marasmo absurdo e tudo que ele fazia quase o dia inteiro era ficar no segundo andar jogando 3DS e como ele estava prestes a comprar um Switch só por conta disso. "Queria ter esses problemas no meu trabalho", brinquei.
Esse meu amigo não é super próximo, mas nos conhecemos há uns 15 anos e crescemos na mesma vizinhança. Apesar de não ser o tipo de pessoa para quem eu desabafo, é alguém em quem eu confio demais. Contei para ele a história toda. "Porra, mas achei que você e XXXX fossem felizes. Vocês têm uma vida tão tranquila". A gente é, eu expliquei. Na verdade eu sou feliz para caralho com a minha vida conjugal, "mas essa ogiva nuclear me fodeu completamente. Pelo menos nesse fim de semana".
√Č aqui que a hist√≥ria d√° uma guinada um pouco para pior. Meu amigo farmac√™utico √© o tipo de cara que est√° a cada semana com uma mulher diferente. Os namoros nunca duravam muito. Ele √© pintoso e gente fina, ent√£o √© o tipo de cara para quem chove mulher. E uma dessas mulheres era prima dela, uma mulher com quem ele saiu at√© por bastante tempo (quase seis meses) dentro dos par√Ęmetros dele.
Ele n√£o lembrava os detalhes, mas ela ficou "falada" na fam√≠lia por conta da crise no casamento. Casou nova, passou para um concurso p√ļblico que pagava bem mal, mas pelo menos era um emprego garantido, e teve um filho logo no primeiro ano do casamento. No come√ßo, parecia conto de fadas: os dois colegas de escola casam, passam em concursos p√ļblicos diferentes (naquele boom de concursos que rolou entre 2005~2010) e t√™m dois filhos bem r√°pido. Aos 22 anos, eles j√° tinham a vida "feita" para alguns padr√Ķes.
Mas isso n√£o durou muito. Meu amigo farmac√™utico n√£o sabia dos detalhes, obviamente, mas o cara se arrependeu de ter casado t√£o cedo. Ela largou a faculdade para se dedicar aos filhos. Ainda assim, faltava tempo para cuidar dos dois. Ela largou o emprego p√ļblico tamb√©m para se dedicar √†s crian√ßas e virou dona de casa em tempo integral.
"Ela passou em um concurso p√ļblico de primeira, eles achavam que ia ser f√°cil entrar em √≥rg√£o p√ļblico mais tarde, quando as crian√ßas estivessem maiores". Burrice do caralho, pensei. A procura por concurso p√ļblico cresceu vertiginosamente e as vagas minguaram. Agora at√© os concursos mais bundas tinham alt√≠ssima concorr√™ncia.
Aparentemente, boa parte da fam√≠lia foi contra. A gente est√° falando de uma fam√≠lia de classe m√©dia baixa de um sub√ļrbio bem quebrado. Para eles, aquela vaga no emprego p√ļblico era a garantia de que ela teria estabilidade para a vida toda. Ela insistia que o marido tinha um emprego melhor e que eles economizariam tendo ela como dona de casa.
Passaram algum tempo juntos dessa forma, mas o cara ficou de saco cheio. Meu amigo não sabe se chegou a acontecer traição ou não, mas ele enjoou daquela vida. Achava que tinha casado muito cedo, que não tinha aproveitado a vida. Que os dois se precipitaram, que ele não tinha vivido. Que ele não queria ficar preso naquela vida desde tão cedo.
E meteu o pé.
Na fam√≠lia, segundo meu amigo, rolava um misto de pena e revolta com a menina pelas decis√Ķes dela. No final das contas, ela voltou para a casa dos pais, entrou em depress√£o e passou a viver em fun√ß√£o dos filhos. Ela n√£o conseguiu terminar a faculdade e jamais a reatou por causa deles tamb√©m.
Caralho.
No caminho para casa, eu fiquei pensando o quanto aquilo era triste e curioso. Triste por raz√Ķes √≥bvias. Curioso porque ela viveu o meu sonho. Sei que pode parecer besteira, mas meu sonho sempre foi casar e ter filhos cedo. Eu nunca fui um cara muito da pega√ß√£o - at√© porque, como j√° disse a√≠, sempre tive a auto-estima muito baixa - e sempre quis ter uma fam√≠lia, meu sonho sempre foi ter filhos. E eu queria curtir os meus filhos o m√°ximo que pudesse. Imagina voc√™ com 32 e um filho de 10 anos? Quanta coisa gostosa voc√™ n√£o ia poder compartilhar, viver junto? Acho que o passar do tempo torna o abismo entre as gera√ß√Ķes cada vez maior, o que dificulta essa aproxima√ß√£o entre pais e filhos. Em tempo, √© s√≥ uma opini√£o pessoal. N√£o tenho filho, ent√£o n√£o tenho muita voz nisso e posso estar redondamente enganado.
Ela viveu o meu sonho, mas tudo deu radicalmente errado. Hoje eu entendo como deve ser problem√°tico casar cedo. Eu casei com 26, o que muita gente j√° chamaria de cedo hoje em dia. Mas caralho, casar aos 20? Eu precisaria ter certeza absoluta de que estava com uma √≥tima pessoa ao meu lado, mas √© dif√≠cil a gente chegar a essa conclus√£o t√£o cedo. A maioria das garotas com quem sa√≠ entre meus 18~22 anos jamais estariam na minha lista de poss√≠veis esposas hoje em dia. Algumas s√£o minhas amigas at√© hoje, mas a grande maioria ganhou pensamentos e posi√ß√Ķes que v√£o contra quase tudo que eu acredito.
Tentei imaginar a vida dela agora. 32 anos, dois filhos, divorciada, sem faculdade e depois de largar um emprego p√ļblico, morando na casa dos pais. Os posts e fotos dela no Facebook tem um qu√™ de agridoce. Parece haver um amor incondicional pelos filhos e pelo desenvolvimento deles. Mas ao mesmo tempo parece haver uma triste por n√£o ter aproveitado a vida. Encontrei at√© um post antigo em que ela nunca tinha andado de avi√£o e sonhava em conhecer a Europa, postava fotos dos lugares que gostaria de viajar, lia livros sobre eles.
Eu sei que isso pode soar paternalista, mas tudo isso me pesava muito o coração. Me dava vontade de ir lá, de mudar a vida dela, de levá-la para Paris, Roma, Praga, Porto, as poucas cidades que visitei nas vezes em que fui para lá. Me dá vontade de correr para encontrá-la, abraçar, ficar com ela, conversar, qualquer merda.
Mas aí eu caio na realidade. Cá estou eu, casado, relativamente estabelecido, vivendo super de boa até sexta-feira. E se eu puxar uma conversa no Facebook para encontrá-la, chamar para um café pelos velhos tempos e falar que fiquei sem jeito de puxar papo com ela quando a vi na praça sexta-feira? O que eu vou dizer?
Depois de explicar porque saí do curso daquele jeito, 12 anos atrás, vou falar que era completamente apaixonado por era e que estava me sentindo feito um adolescente agora? Será que não vou adicionar mais um arrependimento para a lista dela, partindo do princípio que ela talvez também sentisse algo por mim à época? E se não sentia, de que isso serviria?
E não sei as consequências que vê-la pessoalmente podem ter. Sim, ela parece bem mais velha e o tempo não foi bom com ela. Mas eu ainda a acho linda e sinto um aperto no coração idiota toda vez que olho para as fotos dela no Facebook. Eu tenho medo de aparecer, me mostrar como algum exemplo da felicidade e bom senso (sim, já escutei de amigos meus que tenho a vida "perfeita demais" por conta do meu bom senso em geral, apesar de eu achar que tenho uma vida ok, só pautada pelo "pensar antes de fazer") que apenas acentue as más escolhas dela. Eu tenho medo de não aguentar e fazer merda, de estragar um casamento que vai bem para caralho.
Ela est√° aqui, a um clique de dist√Ęncia, e n√£o sei o que fazer. Nem se devo fazer alguma coisa.
TL/DR: achei a menina no Facebook depois de chutar dezenas de sobrenomes diferentes. Ela est√° divorciada, largou um emprego p√ļblico e parece estar numa fossa fodida. Eu n√£o sei se devo fazer alguma coisa ou deixar esse feeling morrer e continuar vivendo deixando esse fuck up de ter sumido da vida da menina para tr√°s.
submitted by tombombadil_uk to brasil [link] [comments]


2017.08.01 23:57 feedreddit Citado em dela√ß√Ķes, deputado-ministro do voto 342 contra Dilma escancara hipocrisia da pol√≠tica

Citado em dela√ß√Ķes, deputado-ministro do voto 342 contra Dilma escancara hipocrisia da pol√≠tica
by Tom√°s Chiaverini via The Intercept
URL: http://ift.tt/2u1niO2
O Brasil permanece em suspenso enquanto Bruno Ara√ļjo (PSDB-PE) se aproxima do microfone. Ao redor, pol√≠ticos das mais diversas legendas se espremem e se acotovelam, segurando cartazes de apoio. Querem estar o mais perto poss√≠vel daquele pedacinho da hist√≥ria que se desenrola. O discurso, produzido por cordas vocais amplificadas pela energia do momento, √© curto, direto e inflamado:
‚ÄúQuanta honra o destino me reservou de poder, da minha voz, sair o grito de esperan√ßa de milh√Ķes de brasileiros‚ÄĚ, o deputado berra a plenos pulm√Ķes. ‚ÄúCarrego comigo nossas hist√≥rias de luta pela liberdade e pela democracia, por isso eu digo ao Brasil: sim pelo futurooooo!‚ÄĚ
Ele sustenta o final da palavra at√© ficar sem voz, enquanto √© efusivamente aplaudido e abra√ßado. Com o voto, de n√ļmero 342 pelo sim, est√° garantido o prosseguimento do processo que afastou a l√≠der da na√ß√£o. Ao redor, deputados entoam o coro da vit√≥ria: ‚Äúeu, sou brasileiro, com muito orgulho, com muito amor-o-o-ooor‚Ä̂Ķ
O momento apote√≥tico, que ainda hoje ilustra afoto de capada p√°gina de Facebook de Ara√ļjo, ocorreu no dia 17 de abril de 2016, quando ele ocupava a cadeira de deputado federal e se destacava entre seus paresbatendo panela na tribuna do plen√°rio.Menos de um m√™s depois, no dia 12 de maio, o Senado destituiu a presidente do cargo e Michel Temer demorou apenas algumas horas paraanunciar 22 ministros.O homem do voto 342 estava entre eles, incumbido da pasta de Cidades.
Brilha uma estrelaAo ser escolhido como um dostr√™s ministros do PSDBa participar do governo de salva√ß√£o nacional, Bruno Ara√ļjo se consolidava como uma estrela tucana em ascens√£o. O problema √© que os executivos da Odebrecht aparentemente j√° tinham percebido isso havia algum tempo. E, de acordo comdela√ß√Ķes de ex-executivos da empreiteira, trataram de cevar a presa no caixa dois.
‚ÄúConhe√ßo ele desde quando ele era adolescente, tenho rela√ß√Ķes com a fam√≠lia dele, conhe√ßo o pai dele, conhe√ßo irm√£o e portanto foi uma contribui√ß√£o que me foi pedida, e eu consegui aprovar perante a companhia‚ÄĚ, disse Jo√£o Pac√≠fico Ferreira, ex-diretor superintendente nas regi√Ķes Norte, Nordeste e Centro-Oeste da Odebrecht. Segundo ele, foram pagas duas parcelas de R$ 300 mil ‚Äď uma em 2010, outra em 2012. ‚ÄúIsso era em fun√ß√£o tamb√©m da rela√ß√£o e tamb√©m de uma aposta que n√≥s faz√≠amos, que ele viria a ser um pol√≠tico de destaque. E tanto que ele foi. Hoje, ele √© hoje ministro de estado‚ÄĚ, concluiu Ferreira.
Ara√ļjo, o batedor de panela, tinha at√© apelido no sistema da empreiteira: ‚ÄúJujuba‚ÄĚ. E a rela√ß√£o com Pac√≠fico Ferreira n√£o era a √ļnica no mundo das dela√ß√Ķes. O lobista Cl√°udio Melo Filho, nas82 p√°ginasem que detalhou como comprava os homens p√ļblicos da na√ß√£o, dedicou quatro par√°grafos ao pol√≠tico pernambucano:
‚ÄúDesenvolvi uma boa rela√ß√£o profissional e pessoal com ele, especialmente na √©poca em que ele foi l√≠der do PSDB na C√Ęmara. A rela√ß√£o de amizade se desenvolveu a ponto de ele ter me indicado para receber a Medalha do M√©rito Legislativo (‚Ķ)‚ÄĚ.
Por conta das dela√ß√Ķes ligadas √† Odebrecht, Ara√ļjo se tornou um dos oito ministros do Conde a terem abertura de inqu√©rito autorizada pelo ministro Edson Fachin, do Supremo, e est√° sendo investigado porcorrup√ß√£o e lavagem de dinheiro.
De Bras√≠lia a Sanhar√≥As colabora√ß√Ķes premiadas, essas ervas daninhas que minam a seiva da pol√≠tica brasileira, n√£o figuram como as √ļnicas zonas cinzentas no passado de Ara√ļjo. Quando ainda era deputado estadual por Pernambuco, ele foi flagrado em conversas telef√īnicas com o ex-prefeito de Sanhar√≥ Ranieri Aquino de Freitas (PMDB), acusado de desvio de verbas e fraudes em leil√Ķes. Numa das grava√ß√Ķes, o investigado pergunta a Ara√ļjo se o delegado encarregado da investiga√ß√£o j√° havia sido transferido.
‚ÄúA gente vai ter que aguentar esse roj√£o [investiga√ß√Ķes] at√© estar publicado isso, viu? Eles garantiram que at√© sexta-feira, o decreto [de transfer√™ncia] est√° publicado‚ÄĚ, o deputado respondeu. O delegado de fato foi transferido alguns dias depois. E Ara√ļjo, como costuma acontecer com seus correligion√°rios, acabou inocentado de qualquer tentativa demanipula√ß√£o da Justi√ßa.
O atual ministro tamb√©m negou irregularidadesno caso da Odebrecht.‚ÄúDe acordo com a legisla√ß√£o eleitoral, solicitei doa√ß√Ķes para diversas empresas, inclusive a Odebrecht. Mantive uma rela√ß√£o institucional com todas essas empresas. Atuei de acordo com a minha consci√™ncia‚ÄĚ, afirmou em nota, no come√ßo de abril.
Desembarque do governo? Melhor, n√£oEssa mesma consci√™ncia, ao que parece, fez com que ele fosse o primeiro ministro tucano a anunciar odesembarque do governo Temer, depois que a fat√≠dica conversa entre o Conde e Joesley ‚ÄúA√ßougueiro‚ÄĚ Batista veio √† tona. A decis√£o, que veio a p√ļblico no dia 18 de maio, n√£o seria a primeira exonera√ß√£o do cargo. Em abril, por exemplo, Ara√ļjo havia sido apeado do minist√©rio por um dia, por ordem do Conde, para reassumir o mandato na C√Ęmara evotar a favor da reforma trabalhista,manobra que se repetiu tamb√©m no caso daPEC do teto dos gastos.
Quando partiu do ministro e n√£o do presidente, contudo, o abandono do cargo n√£o chegou a se concretizar. Ara√ļjo voltou atr√°s algumas horas depois do anunciado, alegando um pedido especial dos amiguinhos tucanos que, de olho na alian√ßa com o PMDB para 2018relutam em deixar o governo moribundo.Existe, contudo, a possibilidade de essa decis√£o ter ra√≠zes um tanto mais profundas.
No dia seguinte ao an√ļncio do desembarque, a imprensa pernambucana reproduziu um trecho da dela√ß√£o do lobista da JBS Ricardo Saud dizendo que a empresa pagouR$ 200 mil a Ara√ļjo.O dinheiro, usado para financiar campanha, teria sido entregue em esp√©cie, na cidade de Recife. √Ä √©poca, por meio de sua assessoria, Ara√ļjo afirmou que tratava-se de financiamento oficial, mas n√£o explicou por que o valor n√£o estava naspresta√ß√Ķes de conta da campanha.De qualquer forma, talvez ficasse meio chato sair do governo por conta de uma conversa do presidente com o dono da JBS e aparecer como benefici√°rio de caixa dois em uma dela√ß√£o da?‚Ķ JBS.
Na agenda oficial do minist√©rio, em todo o m√™s de julho existem apenas dez compromissos externos.Por via das d√ļvidas, Ara√ļjo garantiu queficaria com Temer at√© o fim, e n√£o se falou mais em desembarque ou em dela√ß√£o. O sil√™ncio, ali√°s, parece terse tornado regra.Quando o Minist√©rio das Cidades foi apontado como um dos maiores afetados pelosrecentes cortes no or√ßamento, por exemplo, n√£o se viu nenhuma declara√ß√£o de Ara√ļjo. Na agenda oficial do minist√©rio, em todo o m√™s de julho existem apenas dez compromissos externos. Desde a manh√£ de segunda-feira, (31), a reportagem tentou diversas vezes entrar em contato com a assessoria do ministro, mas as liga√ß√Ķes ca√≠ram direto na caixa postal.
Enquanto o ministro lan√ßa m√£o da estrat√©gia avestruz, novas provas n√£o param de aparecer, e confirmam boa parte do que disseram osalcaguetes da JBS.Apesar disso, o governo tenta se mostrar confiante na previs√£o de que Ara√ļjo continuar√° ministro e Temer, com seus 5% de aprova√ß√£o, continuar√° presidente, apesar da den√ļncia de corrup√ß√£o, cuja rejei√ß√£o ser√° votada pela C√Ęmara nesta quarta (2). Se esse quadro se confirmar, restar√° aos 83% dos brasileiros que desaprovam o estilo Conde de governar o alento de que a cantoria da trag√©dia do impeachment dificilmente se repetir√° na farsa da den√ļncia.
The post Citado em dela√ß√Ķes, deputado-ministro do voto 342 contra Dilma escancara hipocrisia da pol√≠tica appeared first on The Intercept.
submitted by feedreddit to arableaks [link] [comments]


2017.06.09 17:37 zuvirandu Quebrei o meu Dreamcast

Em tempos remotos da internet, Leonam j√° foi o cara.
 Leia sobre o rapaz que GOZOU em seu Dream Cast!!! Para quem não sabe Dream Cast é um Video-Game do tipo PlayStation 
 QUEBREI MEU DREAMCAST - PARTE 1 
"Quebrei meu dreamcast de bobeira, meu nome é Leonan tenho 13 anos,parece brincadeira mas é a pura verdade, tudo começou quando estava jogando Craxy Taxi pirata passou um tempo fui trocar o cd então desliguei o dreamcast tirei o crazy taxi e deixei a tampa aberta(meu erro) para colocar o cd de boot, mas aí o pessoal de casa resolveu sair então fiquei sozinho em casa, pintou aquela vontade de tocar sonfona, o meu dreamcast fica na mesma mesa do computador, então liguei o micro acessei uma página (que vi neste forum...) e to lá, em frente ao micro vcs sabem né...então chegou aquela pressão não pude segurar mas como eu tava na frente do computador para não sujar o monitor e o teclado meu reflexo foi de virar para a esquerda justamente onde tava meu dreamcast com a tampa aberta(**** falta de sorte)...isso mesmo galera ...EJACULEI NO MEU DREAMCAST... riam deste cara sem sorte,não sei se rio ou choro, a lente sujou toda, limpei o quanto pude mas em cima da lente a gosma secou Agora o que é que eu faço? fiz de tudo para ganhar este dreamcast não tem um mês direito e já estragou minha mãe vai me matar quando descobrir que ela pagou 750 reias e eu já quebrei, tá na garantia ainda mas o que eu falo pro cara da loja? Como faço para limpar a lente agora? me ajudem por favor ! Nunca mais me masturbo na minha vida!"
FIM DA PARTE 1
 QUEBREI MEU DREAMCAST - PARTE 2 
Recapitulando : Depois de acidentalmente gozar em cima da lente de seu dreamcast não conseguir limpá-la , nosso amiguinho punheteiro volta de escola decidido a novamente tentar ligar para a tectoy(representante da sega no Brasil) para tentar saber se seu dreamcast ainda tem salvação ...
"Cheguei em casa depois da escola hoje de manh√£...vim correndo quando abri a porta at√© ofegante..adivinhem com quem encontro de cara "MINHA M√ÉE"(parece um general) com meu dreamcast no colo sentada no sof√° da sala me esperando com cara de querer me matar...gelei do p√© at√© a cabe√ßa na hora,ent√£o a 1¬™ COISA QUE DISSE FOI: LEONAM...O QUE FOI QUE VOC√ä DERRAMOU NESTE VIDEOGAME? quase cai pra tr√°s A√≠ eu perguntei...POR QUE M√ÉE... ELA DISSE GRITANDO: POR QUE EU LEVEI O VIDEOGAME NA LOCADORA ONDE EU COMPREI E O VENDEDOR ABRIU ! TINHA MANCHA DE ALGUMA COISA L√Ā DENTRO...VAI FALANDO AGORA...(SUEI FRIO AT√Č GAGUEJEI), VOC√ä DERRAMOU CAF√Č COM LEITE NESTE VIDEOGAME LEONAM? N√ÉO ACREDITO QUE TE DOU UM BRINQUEDO CARO DESTES E VOC√ä J√Ā QUEBROU! A√≠ eu falei N√ÉO DERRAMEI NADA A√ć N√ÉO, ent√£o ela falou: QUE CHEIRO DE QUEIJO √Č ESSE AQUI DENTRO!ALGUMA COISA VOC√ä DEIXOU CAIR AQUI? A GARANTIA N√ÉO COBRE ISSO SABIA LEONAM...(sabem como √© tremer as pernas pois √© t√ī assim at√© agora)Corri e me tranquei no quarto t√ī aqui at√© agora, com uma **** fome, peguei o telefone e liguei pra tectoy, antes de falar com o cara prometi que n√£o era um trote at√© jurei, VOC√äS ACREDITAM QUE O CARA DO ATENDIMENTO RIU DE MIN! PARECE INGRA√áADO MAS EU T√Ē NO SAL! V√Ē LEVAR A MAIOR COSSA! A PROPOSITO ELE DISSE PARA N√ÉO RASPAR A LENTE E LEVAR MEU DREAMCAST NA ASSISTENCIA T√ČCNICA, E FALAR A VERDADE PRO CARA DA ASSITENCIA PRA ELE N√ÉO MEXER ONDE DEVE, MAS COMO EU CONTO AQUILO NO BALC√ÉO(algo como...√ī mo√ßo gozei no meu dreamcast!) Acho que minha m√£e j√° sacou,o que eu fa√ßo? Claro que ela sabe que cheiro √© aquele...toda ter√ßa e quinta ela e meu pai mandam ver a noite toda! Ela s√≥ quer que eu fale para poder ter um motivo para quebrar minha cara! Eu acho que vou contar pro meu pai...se eu tivesse irm√£o menor eu colocava a culpa nele mas n√£o tenho...fazer o que? t√ī ficando maluco! MINHA ULTIMA CHANCE S√ÉO VOC√äS...OU EU MESMO LIMPO A LENTE COM ALCOL OU AGUA OU MINHA M√ÉE VAI ACABAR COMIGO! ME AJUDEM AMIGOS COMO TIRAR ESPERMA DA LENTE SEM ESTRAGAR MEU DREMCAST?"
E agora , o que irá acontecer ? Conseguirá nosso amiguinho punheteiro salvar-se dessa situação constrangedora ? Sua mãe já está desconfiada, é uma corrida contra o tempo !
FIM DA PARTE 2
 QUEBREI MEU DREAMCAST - PARTE 3 
Recapitulando : após estragar e lente de leitura do seu dreamcast com seu esperma , nosso herói leonam falhou duas vezes em conseguir socorro no telefone de ajuda da tectoy , mais tarde sua mãe descobriu que o filho estragara o DC , e é possível que ela já desconfie de de que líquido é aquele no Dreamcast ... o que será do herói punheteiro ? Ao pedir amparo e vários fóruns , Leonam consegue ajuda de dois seres , Erik e Francisco . porém , ao entrar no quarto ...
"Olha Erik e Francisco obrigado por estarem me ajudando isto tudo √© verdade eu juro! Tenho uma coisa a dizer... primeiramente j√° que est√£o sendo gente boa comigo, Quebrei minha promessa, √© mais forte que eu, parece vicio, toquei uma hoje enquanto tava trancado dentro do quarto...desculpem....desta vez mirei direto e n√£o acertei nada! pelo menos isso! Nando j√° que voc√™ n√£o pode ajudar n√£o piore as coisas tente fazer voc√™ [quanto mais idiota melhor 3] ou [ejaculacao precose o retorno],at√© parece que voc√™ nunca passou aperto por causa da "pomba branca"... e Francisco lopez o cara da TECTOY disse para min que para limpar lentes existe um CD LIMPADOR aqui em casa tem, sabe...aquele que tem uma m√ļsicas em v√°rias linguas com uma micro escovinha...enquanto se ouve a m√ļsica ele limpa a lente... mas o problema √© o seguinte o CD LIMPADOR limpa s√≥ poeira, sujeiras leves, n√£o "gosmas" que j√° secaram! Eu tentei passar mas n√£o deu , o console t√° seguinho n√£o l√™ nada ! Lestat n√£o tentei comer meu dreamcast e tambem n√£o comecei a gozar agora n√£o j√° √© a 5¬™ vez √© o que isso tem a ver? Francisco prefiro n√£o dizer o bairro onde moro por que as coisas podem piorar, tem um cara at√© querendo colocar isto tudo em uma p√°gina imagina se descobrem onde eu moro...vou sofrer pro resto da vida! (nunca pensei que uma punheta fosse acabar comigo!), contei isso que t√° acontecendo comigo pros meus colegas e na minha classe j√° me colocaram at√© apelido "GONZAGUINHA" sabem por que n√©!?...aquele sanfoneiro! Quem poder me ajudar, respondam esta mensagem neste forum, eu agrade√ßo, e quanto a minha m√£e para voc√™s terem id√©ia eu tenho de apagar o hist√≥rico do meu computador por que ela checa tudo, j√° pensou se ela entra neste site e descobre tudo? que vergonha e que cossa que eu vou tomar...voc√™s podem at√© me achar infantil mas s√≥ tenho 13 anos t√ī descobrindo as coisas agora! √Č errando que se aprende, voc√™s acham que ia fazer isso logo no meu dreamcast !Ajuda √© s√≥ isso que t√ī precisando."
E agora , só falta uma parte e Leonam ainda não conseguiu resolver seu problema com o dreamcast ! Conseguirá ele consertar se dreamcast e fazer com que sua mãe não descubra toda a verdade ? Pior ainda , conseguirá ele se conter e parar de bater punheta , prevenindo que estrague ainda mais seu dreamcast ou otra coisa de seu quarto ?
FIM DA PARTE 3
 QUEBREI MEU DREAMCAST - PARTE 4 
Sem mais rodeio, devaneios e reacapitula√ß√Ķes, assistam agora ao final da mini-s√©rie "QUEBREI O MEU DREAMCAST" protagonizada pelo gal√£ do momento(o primeiro gal√£ da hist√≥ria que √© reconhecido como punheteiro!) , Leonam !
"Galera finalmente meu terror chegou ao fim...gra√ßas a Deus...n√£o apanhei mas foi muito mais pior eu juro!Passei pela situa√ß√£o mais embara√ßante da minha vida Como eu tava vendo que o trem ia ficar pro meu lado... abri o jogo com o meu pai...foi assim depois que cheguei da escola chamei meu pai no quarto encostei a porta e contei tudo(minha cara rachou de tanta vergonha...)falei "PAI PELO AMOR DE DEUS, O SENHOR JURA QUE SE EU TE CONTAR UMA COISA O SENHOR N√ÉO CONTA PRA MAIS NINGUEM" ele concordou...(eu acreditei...)ent√£o fechei os olhos e contei:PAI FOI EU QUE QUEBREI O VIDEOGAME MAS FOI SEM QUERER, EU ESPORREI NELE! Ele riu, riu de chorar, a√≠ eu falei: FOI SEM QUERER T√Ē MORRENDO DE VERGONHA MAS FOI ISSO QUE ACONTECEU, at√© a√≠ tudo bem, ele disse que ia dar um jeito de concertar,me deu uma bronca por ter acessado o site XXX,nunca mais entro em site de sexo eu prometo !, voltamos para mesa almo√ßamos e eu tava j√° at√© um pouco ali*****...voc√™s sabem pai sempre da um jeito em tudo,MAS N√ÉO PENSEI QUE ELE FOSSE FAZER DESTE JEITO! SABEM O QUE ELE FEZ...CONTOU PRA MINHA M√ÉE...eu tava l√° no quarto deitado na cama jogando meu gameboy(STREET FIGHTER2 ADORO !) quando entra minha m√£e COM UM SORRIZINHO SACANA de m√£o dada com meu pai ent√£o ela disse: LEO EU E SEU PAI PRECISAMOS CONVERSAR COM VOC√ä(acho que minha alma saiu do corpo naquela hora,t√ī sem jeito de olhar para minha m√£e at√© agora!),A√ć COME√áOU A SE√á√ÉO DE EDUCA√á√ÉO SEXUAL... (olha que palha√ßada): VOC√ä LEO AGORA T√Ā VIRANDO RAPAZINHO(minhas orelhas ficaram pegando fogo de vergonha) T√Ā DEIXANDO DE SER CRIAN√áA...SEU CORPO AGORA VAI COME√áAR TER MUDAN√áAS SUA VOZ J√Ā T√Ā COME√áANDO A MUDAR,V√ÉO CRESCER PELOS NO SEU CORPO(eu s√≥ olhei pra cara do meu pai) SABE LEO VOC√ä T√Ā VIRANDO UM ADOLESCENTE(como eu n√£o soubesse na escola j√° passaram aquela fita dos coelhos TICO E TICA sabem aquela baboseira dois coelhos mongoloides que crescem e transam na maior pureza..."olha a TICA t√° crescendo seios e menstrua" "olha o TICO t√° ficando com a voz grossa e com p√™los por todo o corpo... √ī meu Deus o que √© aquilo que o TICO est√° fazendo professora pergunta TICA ele est√° se MASTURBANDO TINA...mas o que √© masturba√ß√£o...e por a√≠ vai...") Minha m√£e ainda disse: QUANDO DER VONTADE DE FAZER AQUILO...VAI NO BANHEIRO FILHO ASSIM VOC√ä N√ÉO CORRE O RISCO DE SUJAR COISAS QUE N√ÉO DEVE,(minha vontade era de explodir),DEPOIS QUE VOC√ä FAZER AQUILO LAVE AS M√ÉOS PARA N√ÉO SUJAR AS COISAS DE ESPERMA(voc√™s podem imaginar como estou agora ) o pior ainda est√° por vir... Voc√™s n√£o acreditam o que minha m√£e fez: ...LIGOU PARA TODAS MINHAS TIAS(6) E CONTOU QUE J√Ā ME MASTURBO(meu DEUS o que ela queria com isso?)AT√Č PARA MINHA V√ď QUE MORA NO RIO ELA LIGOU,CONTOU AT√Č PRA MO√áA QUE TRABALHA AQUI EM CASA(que √© gatinha!)....(agora mais ou menos as 16:45 minha v√≥ me ligou para me encher dizendo que isso √© feio pra min parar de fazer isto ESTOU SEM MORAL COM MINHA FAMILIA, minha m√£e me expos ao ridiculo! Minhas tias do jeito que s√£o j√° devem ter contado pros meus primos...t√ī ferrado, CONCLUS√ÉO DESSE ROLO: MEU PAI DEPOIS DO SERVI√áO PASSOU NA LOCADORA E DEIXOU MEU DREAMCAST PARA CONCERTO,MAS OLHEM QUE ABSURDO, O CARA DISSE QUE A LENTE J√Ā ERA E UMA NOVA ADVINHEM QUANTO CUSTA...450 REIAS SEM A M√ÉO DE OBRA DO LADR√ÉO DO T√ČCNICO(mas ele deixou para concertar acho que √© para n√£o me desapontar,vou dar a id√©ia de comprar um console Japon√™s acho que t√° nesse pre√ßo..√© bem melhor n√©?),MAS MESMO ASSIM ME PASSOU UM SAB√ÉO PARA TER MAIS CUIDADO QUANDO FOR FAZER AQUILO(eu t√ī com complexo de masturba√ß√£o... toda hora que pinta vontade...fico na maior paranoia de estragar alguma coisa de sujar alguma coisa...acho que isso marcou minha vida pra sempre!)" PARA TODAS AS PESSOAS DESTE FORUM QUE TENTARAM ME AJUDAR "OBRIGADO" N√ÉO SE MASTURBEM PERTO DE VIDEOGAME PODE QUEBRAR (isto tinha que vir no manual do aparelho) Valeu amigos!"
E assim termina a saga ... √Č s√≥ !
FIM DA PARTE 4
PESSOAL ACABOU... PRA VCZ TEREM UMA ID√ČIA AINDA TO RINDO!!!! QUANDO OLHO PRO MEU N64 RIO DINOVO!!! COMO O MULEKE MI GOZA NUM DC???!!! AUHUAHUAHUHAUHUAHUAUA!!!!! Todo esse texto foi retirado de um F√ďRUM, que se encontra aqui: Parte 1: http://forumsbr.hypermart.net/html/Forum1/HTML/000240.html Parte 2: http://forumsbr.hypermart.net/html/Forum1/HTML/000245.html Parte 3: http://forumsbr.hypermart.net/html/Forum1/HTML/000257.html Parte 4: http://forumsbr.hypermart.net/html/Forum1/HTML/000267.html 
Fonte
submitted by zuvirandu to brasil [link] [comments]


2016.06.12 21:24 shirleioliveira A IMPORT√āNCIA DAS F√ĀBULAS NA LITERATURA INFANTO - JUVENIL

Acad√™micos: Cristiane Cardoso da Silva Mat: 327818, Damarys Oliveira da Silva de Paiva Mat: 714725 Karita Marreiros Mat: 917241 Rita de Cassia Mat: 863453 Shirlei de Sousa Oliveira Mat: 785936 Professor-Tutor Externo: Clebson Peixoto Centro Universit√°rio Leonardo da Vinci - UNIASSELVI Curso (LED 0259) ‚Äď Pr√°tica do M√≥dulo V 21/05/16
RESUMO: A inten√ß√£o desse trabalho √© mostrar que a literatura √© uma manifesta√ß√£o art√≠stica e que possui uma comunica√ß√£o importante que atua como tecel√£ da linguagem e a transmiss√£o do conhecimento das express√Ķes humanas. O objetivo deste trabalho √© abordar quanto ao g√™nero, f√°bulas e a import√Ęncia da literatura na forma√ß√£o do ensino fundamental e no EJA (Educa√ß√£o de Jovens e Adultos) da Escola Elcione Barbalho, localizada no bairro Liberdade da cidade de Marab√°-PA, na literatura infanto - juvenil buscamos atrav√©s de refer√™ncia documentos, revistas, jornais, livros, pesquisa de campo e internet. Este estudo aborda o papel da escola na forma√ß√£o do individuo, buscando incentivar a escrita e a leitura para assim facilitar o seu desenvolvimento social e emocional, onde iremos utilizar a did√°tica pedag√≥gica da literatura infantil, baseado nas ideias dos seguintes autores: C√Ęndido Ant√īnio, Azevedo, Bruno Betteilheim.
Palavras Chaves: Fábula. Ensino. Educação. Literatura Infanto-Juvenil.
1 INTRODU√á√ÉO: Neste trabalho apresentamos a did√°tica para a utiliza√ß√£o da import√Ęncia das f√°bulas na literatura infanto - juvenil, onde levaremos em considera√ß√£o a import√Ęncia dos contos de f√°bulas para a constru√ß√£o do seu imagin√°rio. Este estudo se basear√° em autores como Bruno Betteilheim, C√Ęndido Ant√īnio e Azevedo, que tratam de contos de f√°bulas, cada autor tem uma √°rea espec√≠fica.
 O objetivo desse trabalho √© mostrar que a literatura √© uma manifesta√ß√£o art√≠stica e tamb√©m observar a influ√™ncia dos contos de f√°bulas no imagin√°rio infanto - juvenil da escola Elcione Barbalho na cidade de Marab√°-PA. Acreditamos que os contos de f√°bulas ajudar√£o os jovens no ensaio de v√°rios pap√©is sociais, proporcionando a constru√ß√£o de uma personalidade sadia e tamb√©m promover a socializa√ß√£o. A troca de experi√™ncia √© uma maior inser√ß√£o no grupo social assim promovendo o desenvolvimento da imagina√ß√£o, da cria√ß√£o, da percep√ß√£o de mundo a partir das poss√≠veis interpreta√ß√Ķes dos contos de f√°bulas. A import√Ęncia do nosso paper que seja ,um arquivo para pesquisas futuras. Este trabalho utilizou-se em duas etapas de pesquisas sendo que uma etapa foi de observa√ß√£o da pr√°tica pedag√≥gica das professoras e uma segunda etapa onde ela trabalha a oralidade e a produ√ß√£o textual , ortografia e lingu√≠stica. Dentro das problem√°ticas encontradas buscamos analisar, investigar a import√Ęncia das f√°bulas como g√™nero liter√°rio dentro de sala de aula e tamb√©m levantamos questionamentos em rela√ß√£o a problemas na pr√°tica da doc√™ncia em rela√ß√£o ao g√™nero liter√°rio. Como as professoras utilizam as f√°bulas em sala de aula na aprendizagem e aumento da cogni√ß√£o do aluno? Como a institui√ß√£o escola trabalha a literatura para fazer leitores nos estudos observados. 
2 Entendemos por literatura: Uma comunica√ß√£o de car√°ter humano, que utiliza de v√°rios recursos seja humano, f√≠sico, material, intelectual, social, est√©tico, formador, educador, l√ļdico entre outros recursos , transferindo aprendizagem, saber, conhecimento, instru√ß√£o e valores pr√≥prios da alma humana atrav√©s do di√°logo significativo ficcional / real desta forma de express√£o e produ√ß√£o intelectual humana objetivando a interioriza√ß√£o, a identifica√ß√£o, a inser√ß√£o e a transforma√ß√£o do indiv√≠duo em seu meio ou sociedade. Podemos definir a literatura como: produ√ß√£o intelectual, express√£o art√≠stica humana. Azevedo (2007, p.215) afirma que:
‚ÄúA import√Ęncia da literatura √© indiscut√≠vel pois √© atrav√©s dela que nos relacionamos com os valores humanos mais nobres e os mais baixos como o amor e √≥dio, a bondade e a maldade, a inveja e a solidariedade, a ang√ļstia e a alegria , o ci√ļme e a caridade a soberba e a humildade entre outros‚ÄĚ. Cabe a Literatura a finalidade de transformar por meio da escola a express√£o art√≠stica com o decoro a instru√ß√£o dos jovens. Neste paper a literatura √© considerada em sua funcionalidade formadora e educadora para criar leitores. Ant√īnio C√Ęndido nomeia tr√™s fun√ß√Ķes para a literatura: Fun√ß√£o Psicol√≥gica : Capacidade individual de fantasiar pela fic√ß√£o, Fun√ß√£o Formadora: Forma√ß√£o e educa√ß√£o do ser humano movida por ideais, Fun√ß√£o Humanizadora: Humaniza em sentido profundo porque faz viver. O atuar do di√°logo com o texto quer seja por meio do professor para com o aluno, ou por meio de indiv√≠duo para um grupo de pessoas nos ajuda a compreender a literatura. Atrav√©s de uma aprendizagem s√≥cio interacionista e s√≥cio construtivista (Piaget e Vygotsky). Observamos ent√£o a import√Ęncia de fazer leitores ass√≠duos pelos textos liter√°rios, que auxiliam na cogni√ß√£o do indiv√≠duo com criatividade e compreens√£o do mundo que o rodeia . A f√°bula o qual trabalhamos no paper e procuramos investigar atrav√©s de pesquisa documental em arquivos de √≥rg√£os p√ļblicos e institui√ß√Ķes privadas assim tamb√©m informativos, revistas, anais, relat√≥rios de pesquisa, peri√≥dicos , cujo autores que baseiam e norteiam a nossa pesquisa de car√°ter, qualitativo e quantitativo s√£o Ant√īnio C√Ęndido, Bruno Bettelheim e Azevedo, trabalhamos tamb√©m com a pesquisa de campo entrevistando alunos e duas professoras de l√≠ngua portuguesa de uma escola de ensino fundamental localizada no bairro da liberdade no munic√≠pio de Marab√°, uma escola que faz parte de um projeto social do governo federal para alunos do EJA ( alunos com idade variante de 15 a 25 anos ) cuja pesquisa foi feita com question√°rios com perguntas previamente elaboradas. Segundo o dicion√°rio Aur√©lio (2000, p.30) a f√°bula √© uma narra√ß√£o breve cujas personagens via de regra s√£o animais que pensam, agem e sentem como os seres humanos. Esta narrativa tem por objetivo transmitir uma li√ß√£o de moral. Alguns escritores de f√°bulas s√£o : Esopo, temos tamb√©m os brasileiros Monteiro Lobato e Leonardo Boff obra em destaque (a √°guia e a galinha ) cuja f√°bula ser√° abordada neste paper. No primeiro passo da pesquisa, ser√° mostrado aos alunos atrav√©s de recursos audiovisuais e no segundo passo os alunos ser√£o observados para an√°lise de interpreta√ß√£o de texto, ortografia , lingu√≠stica e oralidade. Os objetivos deste paper abordam a quest√£o da import√Ęncia do trabalhar as f√°bulas em sala de aula descrevendo e realizando o diagn√≥stico necess√°rio no cotidiano escolar. Sendo que esta pesquisa est√° dividida em tr√™s cap√≠tulos distintos: No primeiro capitulo Observa√ß√£o did√°tica sobre a f√°bula pela professora regente da turma, no segundo capitulo a an√°lise foi feita para Verificando se a professora reconhece a import√Ęncia de trabalhar as f√°bulas em sala de aula o terceiro cap√≠tulo procura Analisando o impacto que a f√°bula tem sobre a realidade do educando. Para a realiza√ß√£o deste trabalho a f√°bula foi escolhida por ser um g√™nero liter√°rio de narrativa curta e de f√°cil entendimento para o aluno auxiliando-o na aprendizagem de uma forma diferenciada , prazerosa e atrativa. A f√°bula estudada foi encontrada na internet assim como o v√≠deo . As professoras trabalham em sala de aula com um livro chamado o Guia de Estudo Integrado Unidade Formativa I , que possui todas as disciplinas fundamentais como Portugu√™s, Matem√°tica , Geografia ,Ci√™ncias, Ingl√™s e Hist√≥ria. Todos os alunos possuem livros que foram dados pelo Governo Federal. Este paper busca compreender, analisar e investigar a import√Ęncia da f√°bula como g√™nero liter√°rio dentro da sala de aula, e levantar questionamentos em rela√ß√£o a problemas como √© a pr√°tica da docente em rela√ß√£o g√™neros liter√°rios? A f√°bula utilizada est√° de acordo com o n√≠vel de desenvolvimento do aluno ? Neste estudo foi observado a pr√°tica pedag√≥gica das duas professoras de l√≠ngua portuguesa, de que forma as atividades liter√°rias est√£o sendo desenvolvidas em sala de aula e se estas professoras est√£o formando leitores que apenas leem ou leitores que leem e tem uma vis√£o critica acerca da leitura e quais as dificuldades encontradas por estas professoras ao usar a f√°bula em sala de aula e de que forma elas podem intervir para resolver os problemas. O ambiente de sala de aula foi preparado para receber os alunos como se fosse um clima de cinema, na sala estava instalado o data show com o v√≠deo da f√°bula a na biblioteca da escola, os alunos estavam sentados confortavelmente em suas carteiras, sendo que aos alunos foi permitido que levassem pipoca,com a luz apagada eles assistiram ao v√≠deo logo ap√≥s foi feito pelas professoras uma explana√ß√£o oral sobre a f√°bula e a culmin√Ęncia desta atividade se deu de forma de uma produ√ß√£o textual ( s√≠ntese ) escrita sobre a compreens√£o daquela f√°bula. A professora da turma acredita que as f√°bulas motivam os alunos a estudar, auxiliando na oralidade e a produzir textos. Ao passo que a expectativa das duas professoras de l√≠ngua portuguesa em rela√ß√£o a aprendizagem do aluno eram : Falar sobre o significado da representa√ß√£o do papel de cada animal apresentado e qual a funcionalidade moral da f√°bula e compreender a literatura, objeto de aprendizagem, que assimila a vida real atrav√©s da fic√ß√£o os resultados obtidos a partir deste estudo foram satisfat√≥rios pois pudemos sanar algumas d√ļvidas e quest√Ķes em rela√ß√£o ao tema f√°bulas. 3 Observa√ß√£o did√°tica sobre a f√°bula pela professora regente da turma. As educadoras se preocuparam com aspectos a temas motivacionais com as f√°bulas , que transmitem esperan√ßa , perseveran√ßa j√° que os alunos do EJA s√£o pessoas que trabalham o dia todo e a noite ainda v√£o estudar, sendo que a maioria dos estudantes s√£o mulheres , tem um caso de uma aluna que vai estudar e o marido que n√£o √© estudante da escola, fica esperando na cantina as quatro horas de aula a mulher terminar os estudos. Tem casos tamb√©m de mulheres que engravidaram e tiveram que deixar de estudar, mas como o programa oferece creche para as alunas, tiveram oportunidade de estudar ou s√£o pessoas que abandonaram os estudos por v√°rios motivos: dificuldades econ√īmicas, sociais, geogr√°ficas, culturais etc.. A professora tamb√©m preocupou se os alunos j√° tinham conhecimento pr√©vio da f√°bula, todos responderam que n√£o. Outra preocupa√ß√£o em trabalhar f√°bulas para EJA de ensino fundamental √© n√£o praticar infantiliza√ß√£o dos textos pois s√£o pedagogias diferentes. A simbologia da f√°bula a √°guia e da galinha √© interessante e vai de acordo com o interesse que cativam o aluno, a f√°bula trabalha o paradoxo e a ambival√™ncia entre os dois animais pois a √°guia tem o significado de que ela √© uma vencedora e ela pode voar e conquistar novos horizonte , enquanto a galinha √© um animal da terra que fica ciscando o ch√£o, que est√° preso a terra e n√£o pode voar. Inicialmente a produ√ß√£o das f√°bulas no novo mundo foi disseminada por Esopo foi somente com Jean de La Fontaine que elas tiveram uma caracter√≠stica educacional e art√≠stica, as f√°bulas com o decorrer da hist√≥ria foram de adaptando aos novos tempos sendo que com Jean de La Fontaine as f√°bulas apresentaram caracter√≠stica oral e foram trabalhadas as simbologias, exemplificando a √°guia tem uma simbologia de vencedora enquanto a galinha tem uma simbologia de conformidade. Como as f√°bulas possuem car√°ter antropom√≥rficos em que os animais possuem a capacidade de projetar-se como seres humanos com sentimentos e valores morais humanos, foi feita esta compara√ß√£o simbolicamente para que os alunos se identificassem com a hist√≥ria e qui√ß√° transformassem o meio em que vivem . Podemos perceber que as professoras tinham uma boa forma√ß√£o pedag√≥gica a f√°bula n√£o ficou infantilizada e auxiliou no desenvolvimento e aprendizagem dos alunos. F√°bula utilizada em sala de aula : A √°guia e a galinha Era uma vez um campon√™s que foi √† floresta vizinha apanhar um p√°ssaro para mant√™-lo cativo em sua casa. Conseguiu pegar um filhote de √°guia. Colocou-o no galinheiro junto com as galinhas. Comia milho e ra√ß√£o pr√≥pria para galinhas. Depois de cinco anos, este homem recebeu em sua casa a visita de um naturalista. Enquanto passeavam pelo jardim, disse o naturalista: ‚Äď Esse p√°ssaro a√≠ n√£o √© galinha. √Č uma √°guia ‚Äď De fato ‚Äď disse o campon√™s. √Č √°guia. Mas eu a criei como galinha. Ela n√£o √© mais uma √°guia. Transformou-se em galinha como as outras, apesar das asas de quase tr√™s metros de extens√£o. ‚Äď N√£o ‚Äď retrucou o naturalista. Ela √© e ser√° sempre uma √°guia. Pois tem um cora√ß√£o de √°guia. Este cora√ß√£o a far√° um dia voar √†s alturas. ‚Äď N√£o, n√£o ‚Äď insistiu o campon√™s. Ela virou galinha e jamais voar√° como √°guia. Ent√£o decidiram fazer uma prova. O naturalista tomou a √°guia, ergueu-a bem alto e desafiando-a disse: ‚Äď J√° que voc√™ de fato √© uma √°guia, j√° que voc√™ pertence ao c√©u e n√£o √† terra, ent√£o abra suas asas e voe! A √°guia pousou sobre o bra√ßo estendido do naturalista. Olhava distraidamente ao redor. Viu as galinhas l√° embaixo, ciscando gr√£os. E pulou para junto delas. O campon√™s comentou: ‚Äď Eu lhe disse, ela virou uma simples galinha! ‚Äď N√£o ‚Äď tornou a insistir o naturalista. Ela √© uma √°guia. E uma √°guia ser√° sempre uma √°guia. Vamos experimentar novamente amanh√£. No dia seguinte, o naturalista subiu com a √°guia no teto da casa. Sussurrou-lhe: ‚Äď √Āguia, j√° que voc√™ √© uma √°guia, abra suas asas e voe! Mas quando a √°guia viu l√° embaixo as galinhas, ciscando o ch√£o, pulou e foi para junto delas. O campon√™s sorriu e voltou √† gra√ßa: ‚Äď Eu lhe havia dito, ela virou galinha! ‚Äď N√£o ‚Äď respondeu firmemente o naturalista. Ela √© √°guia, possuir√° sempre um cora√ß√£o de √°guia. Vamos experimentar ainda uma √ļltima vez. Amanh√£ a farei voar. No dia seguinte, o naturalista e o campon√™s levantaram bem cedo. Pegaram a √°guia, levaram para fora da cidade, longe das casas dos homens, no alto de uma montanha. O sol nascente dourava os picos das montanhas. O naturalista ergueu a √°guia para o alto e ordenou-lhe:- √Āguia, j√° que voc√™ √© uma √°guia, j√° que voc√™ pertence ao c√©u e n√£o √† terra, abra suas asas e voe! A √°guia olhou ao redor. Tremia como se experimentasse nova vida. Mas n√£o voou. Ent√£o o naturalista segurou-a firmemente, bem na dire√ß√£o do sol, para que seus olhos pudessem encher-se da claridade solar e da vastid√£o do horizonte. Nesse momento, ela abriu suas potentes asas, grasnou com o t√≠pico kau-kau das √°guias e ergueu-se, soberana, sobre si mesma. E come√ßou a voar, a voar para o alto, a voar cada vez mais para o alto. Voou‚Ķ voou‚Ķ at√© confundir-se com o azul do firmamento‚Ķ‚ÄĚ (Fonte http://www.catequisar.com.bmensagem/reflexoes/06/msn_147.htm)
4 Verificando se a professora reconhece a import√Ęncia de trabalhar as f√°bulas em sala de aula : No momento da entrevista duas professoras respondiam ao question√°rio e com suas respostas conseguimos chegar ao objetivo geral do paper aonde trabalhamos a import√Ęncia de se trabalhar f√°bulas em sala de aula. Nesta fase a professora n√ļmero 1 respondeu que a import√Ęncia √© que a f√°bula motivava os alunos, enquanto a professora 2 respondeu que a f√°bula desperta a constru√ß√£o do car√°ter da cidadania dos alunos. Analisando as perguntas e as respostas desta pesquisa podemos perceber quando a professora 1 responde que trabalhar f√°bulas em sala de aula motiva os alunos, logo eles conseguem se identificar com os personagens da f√°bula pois quando o escritor cria um modelo de personagem tem essa concep√ß√£o de ser , de fazer com que o leitor se identifique com um dos personagens, identificando quer seja com a simbologia ou caracter√≠stica que este personagem tem na sua vida , acontece ent√£o esta transcend√™ncia do mundo fict√≠cio para o mundo real Betteilheim (2007, pag. 54). Quando a professora 2 responde sobre a utiliza√ß√£o de f√°bulas para os alunos √© que ela desperta a constru√ß√£o do car√°ter do aluno , podemos ent√£o entender nesta frase a fun√ß√£o formadora de instru√ß√£o educacional da f√°bula. Segundo Coelho (2000, pag. 40) a terceira fase da leitura que abrange as crian√ßas e os adolescentes, ou seja, a fase do leitor critico ( a partir dos 12/13 anos ) Aonde o leitor j√° possui uma capacidade , habilidade de refletir e ter pensamentos cr√≠ticos em rela√ß√£o a textos e em rela√ß√£o a leitura que lhe √© apresentada. Outra import√Ęncia de se trabalhar f√°bulas em sala de aula, que as professoras reconheceram foi a facilidade que a f√°bula tem na produ√ß√£o e interpreta√ß√£o do texto, auxiliando tamb√©m na oralidade, na ortografia e na lingu√≠stica. Percebe-se isto na resposta das entrevistas quando a professora 1 disse que o objetivo de utilizar f√°bulas em sala de aula seria a sua facilidade no entendimento que ajuda na interpreta√ß√£o de textos, sendo que a professora 2 respondeu que a f√°bula possui um valor diagn√≥stico pois identifica qual aluno possui mais facilidade na interpreta√ß√£o de texto, quando foi perguntado para a professora quais os resultados alcan√ßados a professora 1 respondeu que a f√°bula auxilia na produ√ß√£o de pequenos textos , na interpreta√ß√£o , na oralidade, ortografia e na lingu√≠stica . A f√°bula sendo uma narrativa geralmente curta ,considerada um g√™nero de caracter√≠stica universal aonde pode ser captada de um modo simples que remonta aos antepassados humanos desde a conta√ß√£o de est√≥rias nos interiores das cavernas ou entre os descansos ap√≥s as ca√ßadas. Justificando assim a facilidade do g√™nero f√°bula em se trabalhar interpreta√ß√£o produ√ß√£o e oralidade em sala de aula , pois o aluno ao produzir e interpretar textos √© desafiado a usar a criatividade, a reflex√£o , o senso critico na escrita auxiliando na ortografia pois ele vai ter que exercitar a gram√°tica da l√≠ngua portuguesa em sua atividade de sala de aula , em quanto o auxilio na f√°bula na oralidade se d√°, quando a professora questiona oralmente ao aluno quanto ao o que ele entendeu sobre a f√°bula apresentada no ambiente escolar, esta metodologia incentiva at√© os alunos mais t√≠midos a se expressar oralmente, entretanto quando a professora 1 fala que a f√°bula auxilia tamb√©m na lingu√≠stica do aluno ela se refere que a f√°bula pode tamb√©m trabalhar as varia√ß√Ķes lingu√≠sticas e o regionalismo em sala de aula, o exemplo deste, s√£o as f√°bulas do famoso escritor brasileiro Monteiro Lobato. 5 Analisando o impacto que a f√°bula tem sobre a realidade do educando . Utilizamos a amostragem de 35 alunos para compreendemos esta investiga√ß√£o. Atrav√©s do m√©todo de observa√ß√£o e realiza√ß√£o de um formul√°rio quantitativo Por media√ß√£o da literatura os valores da humanidade s√£o apresentados aos alunos quando no primeiro momento de nossa pesquisa a professora dentro da biblioteca e apresentando o v√≠deo perguntou no final se eles entenderam a f√°bula e se eles queriam ser √°guia ou galinha? Todos os alunos responderam que queriam ser √°guia , os alunos se identificaram com √°guia de simbologia vencedora, conquistadora e heroica despertando neles sentimentos motivados por valores humanos como orgulho, desejo, vontade , esperan√ßa, virtude e coragem, desejo de serem vencedores como a √°guia . Portanto a maioria dos alunos s√£o de baixa renda e atrav√©s da educa√ß√£o poderia conseguir um bom emprego como foi o caso de uma aluna que comentou que estava estudando para concluir o ensino fundamental porque ela no servi√ßo de faxineira de uma sider√ļrgica tinha perdido uma promo√ß√£o , de trabalhar de secret√°ria porque n√£o tinha o ensino m√©dio. Com a sua fun√ß√£o humanizadora, a f√°bula, formou leitores e produtores de pequenos textos, apesar de alguns problemas enfrentados ( ponto fraco em rela√ß√£o a f√°bula √© que quando existem alunos semianalfabetos, ou analfabetos funcionais as f√°bulas devem ser trabalhadas oralmente ou atrav√©s de recursos audiovisuais) pela professora e pelos alunos, na quest√£o de alfabetiza√ß√£o e letramento e dificuldades ortogr√°ficas , pois alguns alunos n√£o sabiam ler e escrever corretamente entretanto a interven√ß√£o da professora para sanar estes problemas foi aulas de refor√ßo escolar. A f√°bula trabalhada em sala de aula teve um impacto social na vida destes alunos pois a f√°bula a √°guia e a galinha despertou a vontade de transforma√ß√£o e inclus√£o social deste alunos. 6 CONSIDERA√á√ēES FINAIS De acordo com a reg√™ncia feita em sala de aula , os resultados obtidos a partir dos estudos foram esclarecedores . Analisamos que as f√°bulas desenvolvem a capacidade da crian√ßa e do jovem de fantasiar , e na criatividade, outras contribui√ß√£o foram interpreta√ß√£o e produ√ß√£o de textos, ortografia e lingu√≠stica, os problemas que surgiram durante a pesquisa foram dificuldades de letramento e alfabetiza√ß√£o aonde a interven√ß√£o foi aulas de refor√ßo. Observamos tamb√©m que √© boa a pr√°tica pedag√≥gica das professoras, e os textos estavam de acordo com o desenvolvimento dos alunos, sendo que esta pesquisa nos levou ao conhecimento e contribui√ß√£o para futuras pesquisas aos estudos de f√°bulas e entendimento sobre que as f√°bulas t√™m no processo de forma√ß√£o da crian√ßa e jovens.
 Question√°rio 
1) Qual a import√Ęncia da utiliza√ß√£o de f√°bulas para os alunos ? Professora 1 R= A motiva√ß√£o que a f√°bula proporciona ao aluno Professora 2 R= Temos que despertar a constru√ß√£o do car√°ter da cidadania dos alunos 2) Qual o objetivo de usar f√°bulas ? Professora 1 R= Porque a f√°bula √© um G√™nero Textual de f√°cil entendimento auxiliando na interpreta√ß√£o de textos . Professora 2 R= A f√°bula tem um valor diagn√≥stico pois atrav√©s dela podemos perceber quais os alunos possuem facilidade de interpreta√ß√£o 3)Como a professora utiliza estas f√°bulas em sala de aula ? Professora 1 R= Usamos com a ajuda de recursos audio visuais no primeiro momento em sala de aula depois fazemos atividades orais e escrita. Professora 2 R= Data Show , depois question√°rio com pergunta e respostas. 4)Quais eram as f√°bulas utilizadas? Professora 1 R= O Coordenador envia as f√°bulas que s√£o iguais para todos os professores foram elas a f√°bula da galinha e da √°guia, a f√°bula do porco espinho e a f√°bula da raposa e do lenhador. Professora 2 R= A f√°bula do porco espinho ,a f√°bula da raposa e do lenhador, a f√°bula da galinha e da √°guia 5) Quem eram os autores ? Professora 1 e Professora 2 R= Esopo ,Leonardo Boff, Irm√£os Grimm 6) Quais os resultados alcan√ßados ? Professora 1 R= A f√°bula auxilia na interpreta√ß√£o de textos, na produ√ß√£o de pequenos textos, na ortografia e na lingu√≠stica Professora 2 R= Ajuda na interpreta√ß√£o de texto , na oralidade pois os alunos tem que contarem o que eles entenderam do texto.
 Tabela com a observação de alunos 
1) Quantos alunos se mostraram interessados em assistir o vídeo da fábula a águia e a galinha. Todos os 35 alunos 2) Quantos alunos se identificaram com a fábulas ? Todos os 35 alunos 3) Quantos alunos se expressaram oralmente 3 três 4) Quantos alunos conseguiram fazer a síntese do texto ? 25 alunos 5) Quais problemas enfrentaram ? Letramento e alfabetização
6) A fábula estava de acordo com a faixa etária do aluno , para que não ocorresse infantilização do Texto? Sim 35 alunos
 Foto 1 Apresentação do vídeo da fábula aos alunos Fonte : https://projovemelcionebarbalho.blogspot.com/ Foto 2 No segundo momento os alunos estão fazendo a produção textual escrita, sobre a fábula. Fonte : https://projovemelcionebarbalho.blogspot.com/ 
REFER√äNCIAS BIBLIOGR√ĀFICAS BETTELHEIM , Bruno. A psican√°lise dos contos de fadas. 26. ed. S√£o Paulo: Paz e Terra.2007 RIBEIRO, Helena. Livro, 2012. Dispon√≠vel em: < http://www.helenaribeiro.com/livro-voce-a-aguia-e-a-natureza/a-historia-da-aguia-e-a-galinha>Acesso em 29 mar.2016 ROCHA,Janaina. Monografia, 2011. Disponivel em : http://www.uneb.bsalvadodedc/files/2011/05/Monografia . Acesso em 30 mar.2016 SANTOS, Abra√£o Junior Cabral. et al. Literatura infantojuveni. Indaial, SC: Uniasselvi, 2013. Fontes: Cartilha do curso de licenciatura em letras Diretrizes da disciplina semin√°rio da Pr√°tica http://www.webartigos.com/artigos/a-importancia-da-literatura-para-o-desenvolvimento-da-crianca/9055/ http://www.catequisar.com.bmensagem/reflexoes/06/msn_147.htm http://www.estudopratico.com.bfabula/ http://www.histedbr.fe.unicamp.bacer_histedbjornada/jornada11/artigos/9/[email protected] http://www.infoescola.com/literatura/literatura-infanto-juvenil/ http://literatura.uol.com.bliteratura/figuras-linguagem/37/artigo225090-1.asp https://projovemelcionebarbalho.blogspot.com/
http://www.recantodasletras.com.bteorialiteraria/278085 http://www2.uefs.bdla/graduando/n4/n4.13-23.pdf
submitted by shirleioliveira to literatura [link] [comments]


PAQUITAS - AMOR ADOLESCENTE (1991) Preguntas INC√ďMODAS de AMOR a una ni√Īa ADOLESCENTE ūüė¨ ¬ŅHas ... Vanessa A√Īez, El Polaco - Amor Adolescente (Video Lyric ... Paquitas - Amor adolescente - 1991 - YouTube huellas - Orquesta Adolescentes - YouTube Iniciadores - amor adolescente,,, ( ba√ļ de recorda√ß√Ķes) 02. AMOR ADOLESCENTE (PAQUITAS - 1991) Perguntas idiotas, lan√ßa chamas caseiro, amor adolescente, coelhinho fofinho Los Adolescentes - Salsa Romantica Mix VOL.1 [Grandes ... Como chupar ELE, como brincar com a cabecinha! - YouTube

10 Perguntas de verdade ou desafio para adolescentes ...

  1. PAQUITAS - AMOR ADOLESCENTE (1991)
  2. Preguntas INC√ďMODAS de AMOR a una ni√Īa ADOLESCENTE ūüė¨ ¬ŅHas ...
  3. Vanessa A√Īez, El Polaco - Amor Adolescente (Video Lyric ...
  4. Paquitas - Amor adolescente - 1991 - YouTube
  5. huellas - Orquesta Adolescentes - YouTube
  6. Iniciadores - amor adolescente,,, ( ba√ļ de recorda√ß√Ķes)
  7. 02. AMOR ADOLESCENTE (PAQUITAS - 1991)
  8. Perguntas idiotas, lança chamas caseiro, amor adolescente, coelhinho fofinho
  9. Los Adolescentes - Salsa Romantica Mix VOL.1 [Grandes ...
  10. Como chupar ELE, como brincar com a cabecinha! - YouTube

y paso y paso y tu vientre palpito huellas adolescent's Orquesta 50+ videos Play all Mix - PAQUITAS - AMOR ADOLESCENTE (1991) YouTube; PAQUITAS - OH LUA (1989) - Duration: 2:50. Henrique Lara 83,658 views. 2:50. Phil ... 02. AMOR ADOLESCENTE (PAQUITAS - 1991) CLICK AQUI : https://youtu.be/VJbeM-dvFZU Los Adolescentes - Salsa Romantica Mix VOL.1 [Grandes Exitos] 2017 Los Adolescentes - Salsa Romantica Mix VOL.1 [... Pituxa, Pituxita, Paquitita, Xiquita, Catuxita, Miuxa, Xiquitita e Catuxa no Xou da Xuxa em 1991, cantando 'Amor adolescente' bolivia y argentina se unen con las voces de vanessa a√Ďez y el polaco, junto a la cumbia rom√Āntica 'amor adolescente', una canci√ďn bailable para los enamorad... No v√≠deo de hoje eu vou dar dicas para voc√™ fazer um sexo oral inesquec√≠vel e proporcional sensa√ß√Ķes de muito prazer para o seu parceiro. Voc√™ vai aprender d... Iniciadores - amor adolescente,,, ba√ļ de recorda√ß√Ķes,,, video com imagens de fundo v√°rias,, re; a. soares. (colabora√ß√£o, de; M√°rio da Silva) Descubre los secretos m√°s secretos de Carla, una ni√Īa adolescente que responde a preguntas de amor muy pero que muy inc√≥modas. ūüĎČ SUSCR√ćBETE GRATIS aqu√≠ https... This video is unavailable. Watch Queue Queue. Watch Queue Queue